Juíza condena firmas envolvidas no mensalão do DEM | Fábio Campana

Juíza condena firmas envolvidas no mensalão do DEM


Josias de Souza na Folha Online

Sem alarde, a juíza Gislaine Reis, da 4ª Vara de Fazenda Pública do Distrito Federal, expediu no dia 24 de agosto uma sentença alvissareira.

Condenou cinco empresas a devolver às arcas de Brasília R$ 240,8 milhões. A novidade veio à luz em notícia do repórter Filipe Coutinho, na Folha.

Eis as logomarcas condenadas: Linknet (R$ 79 milhões), Linkdata (R$ 50 milhões), Prodata (R$ 38 milhões)…

…Conecta (R$ 36 milhões), Poliedro (R$ 35 milhões) e Brasil Telecom (R$ 2,8 milhões).

Excetuando-se a Brasil Telecom, as demais foram citadas por Durval Barbosa como provedoras do esquema batizado de mensalão do DEM.

Antes de se tornar um delator premiado, Durval comandou a Codeplan (Companhia de Desenvolvimento do Planalto Central).

Contratado na gestão de Joaquim Roriz, Durval foi aproveitado na equipe do sucessor dele, José Roberto Arruda.

A sentença de Gislaine envolve justamente contratos celebrados pela Codeplan. Tudo em caráter emergencial, sem licitação. “Absolutamente ilegal”, anotou a juíza.

Empresas de informática, as fornecedoras da Codeplan venderam à estatal produtos alheios ao seu ramo de atividade. A magistrada observou:

“É bem de ver-se a desnecessidade de contratação emergencial para a colocação de carpete, gesso, persianas e fornecimento de copos e papel higiênico.”

Servindo-se das revelações feitas pelo delator Durval, a PF constatou que a Codeplan está no DNA dos desvios de verbas que nutriram o mensalão brasiliense.

O próprio Durval informara que os contratos da estatal serviram para financiar a campanha de Arruda e de deputados distritais do grupo dele.

Os negócios que resultaram na condenação da juíza Gislaine são de 2006. São desse ano também os vídeos em que Durval aparece distribuindo dinheiro a políticos.

Entre os personagens da cinemateca de Durval, estava a filha de Roriz. Eleita deputada distrital, Jaqueline Roriz (PMN-DF) fingiu-se de morta.

Mais que isso: ajudou a cassar colegas pilhados nos vídeos. Pronunciou inflamados discursos pela ética. Num deles, chamou uma mensaleira de “cara de pau.”

Em março de 2011, quando Jaqueline já ocupava uma cadeira na Câmara Federal, vieram à luz as cenas em que ela apalpa as verbas sujas de Durval.

A despeito da força das imagens, a Câmara mandou ao arquivo, na semana passada, o pedido de cassação do mandato da filha de Roriz.

Ao alvejar a caixa registradora dos corruptores, a magistrada de Brasília como que oferece um lenitivo ao contribuinte desamparado.

Convém degustar a novidade rapidamente. Pode durar pouco tempo. A palavra da juíza Gislaine não encerra o caso. Cabe recurso.


4 comentários

  1. SAMURAI
    quinta-feira, 8 de setembro de 2011 – 10:20 hs

    Como é de costume na Justiça Brasileira um juiz (a) condena e logo
    em seguida um juizinho entra cancelando a decisão. No final de tudo a
    demora para se retornar à sentença final é TÃO LONGA… que já se
    prescreve tudo e fica tudo numa “boa” !!

  2. Rafael
    quinta-feira, 8 de setembro de 2011 – 10:46 hs

    O Cássio Taniguchi caiu nessa??? Ou rolou panos quentes?

  3. tony
    quinta-feira, 8 de setembro de 2011 – 13:03 hs

    Cuidado senhora juíza, por muito menos do que isto aquela juíza carioca foi se encontrar com Jesus. Cuidado, porque aquela deputada mensaleira pode querer “tirar uma casquinha”. Tony

  4. Joaquim
    quinta-feira, 8 de setembro de 2011 – 16:10 hs

    Se a deputada Jaqueline Roriz recebeu “propina”das mãos do secretário de Estado de Assuntos Sindicais, Durval Barbosa, em setembro de 2006..e Se naquela época o governador do Distrito sederal era Joaquim Roriz, pai da deputada;…me responda…
    por que Arruda, apesar de tudo issso, é citado na denúncia como chefe desse esquema criminoso? Apenas porquê Durval Barbosa disse que Arruda comandava esse esquema, mesmo sabendo-se que esse senhor já foi condenado em vários processos, indiciado em diversos outros, investigado e com pedido de prisão feito pela polícia por crime de pedofilia, denunciado pelo ministério público por formação de quadrilha e tentativa de extorão?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*