Hospital sem condições de funcionamento | Fábio Campana

Hospital sem condições de funcionamento

O secretário da Saúde, Michele Caputo Neto, instituiu, através da resolução 0207/2011, comissão de sindicância para verificar denúncias de irregularidades no Hospital Regional São Sebastião, do município da Lapa. A comissão deverá apurar responsabilidades sobre obras e serviços não finalizados e a divulgação equivocada à população sobre esses serviços. A resolução também foi encaminhada ao Ministério Público e ao Conselho Estadual de Saúde para conhecimento.

“O governo anterior construiu um centro cirúrgico e o inaugurou sem que tivesse condições de funcionamento, além de prometer atendimento à população que está fora de seu foco de atuação”, afirma Caputo Neto. “O hospital da Lapa é referência estadual para tisiologia (tratamento de tuberculose) e não se caracteriza como hospital geral”, completa.

O Governo do Estado investiu R$ 2,6 milhões em duas salas de cirurgias e 11 leitos pós-cirúrgicos. O novo centro foi inaugurado em 29 de dezembro de 2010, mas não foi prevista a contratação de profissional anestesista para o quadro de servidores, o que inviabiliza a realização de cirurgias.

Outro ponto a ser levantado é a deficiência da rede elétrica do hospital. Um laudo preliminar da Copel indica que deve ser feita ampla reforma no sistema elétrico, porque a rede cai constantemente. Além disso, o hospital não tem rede de esgoto nem projeto de prevenção de incêndios.

TISIOLOGIA – Desde 1927, o Hospital da Lapa trata tuberculose e é a única referência estadual para a tisiologia. São atendidos pacientes tuberculosos com agravos associados (outras doenças), condições sociais desfavoráveis (drogaditos, alcoolistas e moradores de rua), esquema especial de tratamento e tuberculose resistente. Nos últimos cinco anos, o Paraná registrou 15 mil casos de tuberculose, com uma média de 2.449 casos novos por ano. Destes, cerca de 13% têm associação com o vírus HIV.

O abandono de tratamento é um dos problemas mais sérios (em torno de 9%), concentrando-se em pacientes com difícil adesão, como os moradores em situação de rua (que necessitam internamento até o término do tratamento).

Outro dado importante sobre tuberculose é a emergência de casos resistentes às drogas, devido principalmente à elevada taxa de abandono de tratamento. “Isto obriga o atendimento do paciente mediante internamento por, pelo menos, seis meses com esquema especial de tratamento, incluindo medicação injetável”, diz Sezifredo Paz, superintendente de Vigilância em Saúde da secretaria.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*