Alvaro diz que corte de juros revela que BC cedeu às pressões de Dilma | Fábio Campana

Alvaro diz que corte de juros revela que BC cedeu às pressões de Dilma

Independência do BC foi arranhada from Alvaro Dias on Vimeo.

Do site do senador Álvaro Dias

O BC cedeu a pressões políticas e tomou decisão que deixou um primeiro arranhão em sua independência como órgão responsável por manter o poder de compra de nossa moeda e a solidez do sistema financeiro nacional. Quem afirma é o Líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias, ao criticar o corte de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros (Selic), decidido nesta quarta-feira pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. O senador tucano destaca que, apesar de ser defensor da redução da taxa básica, o momento não era o mais adequado para o corte.

“Sempre vamos defender redução de taxa de juros, mas já tivemos momentos mais adequados para esta decisão. Este é um momento de risco da nossa economia, em que especialistas anotam que a hipótese de aumento da inflação é real. A decisão do Copom representou um claro arranhão na autonomia do BC, que deve ser preservada para evitar que em determinados momentos as necessidades da política possam comprometer o interesse econômico do país. Neste corte de juros, a força da pressão política se sobrepujou às razões de natureza técnica, e a decisão teve nítida relação com o desejo do Palácio do Planalto”, afirmou o senador Alvaro Dias.

Em entrevista à imprensa, o Líder do PSDB também fez comentários sobre a proposta orçamentária de 2012, divulgada pela ministra do Planejamento, Miriam Belchior, nesta quarta-feira. Alvaro Dias afirmou que Orçamento da União revela as contradições do governo, além de demonstrar a confusão e falta de rumo da atual administração.

“O Orçamento da União para 2012 é uma demonstração visível da insegurança do governo. Primeiro, falam em aumentar o superávit, mas depois realizam cortes significativos em áreas fundamentais, como educação e saúde, além de não promoverem uma reforma administrativa. Além disso, não cortam gastos correntes, tomando atitude contrária, de levar os gastos correntes a crescerem na contramão da redução de investimentos em áreas essenciais para o país. A peça orçamentária revela insegurança e mostra que o governo está confuso e perdido no que diz respeito aos rumos da economia”, salientou o senador tucano.


3 comentários

  1. Geronimo
    quinta-feira, 1 de setembro de 2011 – 22:43 hs

    Alvaro, voce esta muito chato!!!!! Vá para a Libia encher o saco do Kadafi….

  2. Luiz Antonio de Souza
    sexta-feira, 2 de setembro de 2011 – 8:41 hs

    O Senador, Pai do 30 de Agosto falou apenas o óbvio no papel da oposição.
    E a mídia ainda dá espaço. Viva a Democracia.

  3. Ernesto
    sexta-feira, 2 de setembro de 2011 – 14:43 hs

    O grande barato é que a oposição está perdidinha da silva, se os juros aumentam é um escândalo e dizem que o governo ajuda os banqueiros, se os juros baixam é porque o BC não é independente. Essa esquizofrenia é que permite o governo surfar com grande popularidade, porque o povo não compreende muito bem essa dupla personalidade da oposição.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*