Cristina Kirchner vence primárias com folga | Fábio Campana

Cristina Kirchner vence primárias com folga

Foto:Victor R. Caivano/Associated Press


da Folha.com

De acordo com números parciais divulgados até as 2h desta segunda-feira, a presidente Cristina Kirchner obteve 50,2% dos votos nas eleições primárias, simultâneas e obrigatórias, ocorridas neste domingo (14) na Argentina.

A candidata à reeleição pela coligação peronista Frente para a Vitória confirmou seu favoritismo diante da oposição. Ricardo Alfonsín (UCR) está em segundo lugar (com 12,4%), Eduardo Duhalde (União Popular) em terceiro (12,1%) e Hermes Binner (Frente Ampla Progressista) em quarto (10,4%).

Segundo a Justiça Eleitoral, houve um comparecimento de 75% dos eleitores, índice semelhante à última eleição, há quatro anos.

Os números sugerem que Cristina pode obter uma vitória ainda mais expressiva do que quando se elegeu, em 2007, quando obteve 45,29%. Caso não haja aliança entre opositores, ela tem grandes chances de vencer já no primeiro turno.

Para ganhar a eleição no primeiro turno, Cristina precisa receber mais de 40% dos votos e ter uma vantagem de 10% em relação ao segundo colocado –caso contrário a disputa irá para o segundo turno.

Após a votação, a presidente se encontrou com integrantes do governo em um hotel cinco estrelas no centro de Buenos Aires. Ela foi recebida pela militância peronista, sobretudo o grupo jovem La Cámpora (criado por Máximo, primogênito dos Kirchner), que era responsável também por coordenar a segurança nas ruas do entorno do hotel.

“Não esperem de mim nenhuma palavra de confronto, quero apenas agradecer o feito histórico destas eleições primárias”, disse Cristina, que se emocionou ao recordar de Néstor Kirchner, ex-marido e ex-presidente morto em outubro de 2010. ”

As eleições primárias são inéditas na história argentina. Foram criadas por uma lei de 2009. O objetivo era fazer com que os partidos oferecessem mais de um candidato por vaga e que os eleitores escolhessem quem concorreria à eleição. Como todos os partidos já tinham definido seu candidato à presidente, porém, as primárias acabaram servindo como uma espécie de termômetro para o que pode acontecer na votação oficial, no dia 23 de outubro.

Além dos candidatos à presidente e aos governos das províncias, os eleitores escolheram também nomes que disputarão cargos legislativos. A votação deixará de fora da eleição de outubro quem não conseguir atingir 1,5% dos votos totais.


3 comentários

  1. Anônimo
    segunda-feira, 15 de agosto de 2011 – 11:01 hs

    Esta senhora, com uma vassoura, vai voar longe.

  2. tony
    segunda-feira, 15 de agosto de 2011 – 19:09 hs

    Que horror, os hermanos estão mesmo na pior. Mas pelo menos são originais, em vez de um caudilho agora optaram por uma caudilha. Que cosa triste. Tony

  3. tony
    segunda-feira, 15 de agosto de 2011 – 19:09 hs

    Que horror, os hermanos estão mesmo na pior. Mas pelo menos são originais, em vez de um caudilho agora optaram por uma caudilha. Que coza triste. Tony

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*