Aécio diz que 'faxina' de Dilma é 'slogan de campanha' | Fábio Campana

Aécio diz que ‘faxina’ de Dilma é ‘slogan de campanha’

Do Josias de Souza — Na contramão de FHC, que defende o apoio do PSDB às ações anticorrupção de Dilma Rousseff, o senador tucano Aécio Neves pôs em dúvida o ímpeto moralizador do governo.

Para Aécio, a propalada faxina de Dilma nos ministérios não passa de um “slogan de campanha”. O senador reiterou críticas que fazia à Era Lula.

Disse que as gestões petistas promoveram um “aparelhamento da máquina pública”. Formaram-se, diz ele, feudos partidários que distorcem a gestão e geram corrupção.

Aécio insinuou que, diferentemente do que tenta fazer crer, Dilma não age contra os malfeitos. Apenas reage ao noticiário.

“O governo acorda todos os dias, deve abrir os jornais quase que como filando uma carta de baralho para saber quem é o próximo denunciado, para a partir daí agir…”

“…Se ninguém denunciou naquela semana, tá muito bom. Para um governo com oito meses apenas de duração, já está muito envelhecido.”

Quatro ministros de Dilma já desceram ao meio-fio. Um, Nelson Jobim (Defesa), caiu por criticar o governo e colegas de Esplanada.

Três –Antonio Palocci (Casa Civil), Alfredo Nascimento (Transportes) e Wagner Rossi (Agricultura)— caíram envoltos em suspeições expostas nas manchetes.

Aécio alvejou Dilma num ato promovido pelo tucanato mineiro. Inaugurou-se em Belo Horizonte um “núcleo sindical” do PSDB.

Filiaram-se à legenda cerca de 93 sindicalistas, a maioria vinculada à Força Sindical e à Nova Central Sindical.

As manifestações do senador, hoje a principal alternativo presidencial da oposição, chegam no rastro de notícias que aproximam FHC de Dilma.

Em privado, o antecessor de Lula passou a defender o apoio do PSDB aos esforços de Dilma para “limpar” o governo.

FHC chega mesmo a sugerir que seu partido abandone a ideia de constituir no Congresso uma CPI da Corrupção.

Há dois dias, FHC recepcionou Dilma no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo.

Deu-se numa cerimônia em que Dilma firmou com governadores do Sudeste um pacto de combate à miséria.

Entre os signatários estão os tucanos Geraldo Alckmin (SP) e Antonio Anastasia (MG), pupilo de Aécio.

Ao comentar a aproximação de Dilma e FHC, Aécio serviu-se da ironia:

“Acho que a presidente está incomodada com alguns dos seus aliados, talvez tenha buscado estar um pouco mais próxima dos tucanos.”


9 comentários

  1. CAÇADOR DE PETISTAS
    domingo, 21 de agosto de 2011 – 11:24 hs

    ÓBVIO.

    Mas, a faxina náo é de DILMA, a faxina é da imprensa afinal, o lixo vem do governo anterior do qual ela fez parte.

  2. paulo
    domingo, 21 de agosto de 2011 – 12:17 hs

    e o do aércio é “bafometro não” kkkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. Rock
    domingo, 21 de agosto de 2011 – 12:31 hs

    Esse Aécio bebum, pelo amor de Deus parece que não ve o que fez com Minas. Deus livre o Brasil desse cancro.

  4. OSSOBUCO
    domingo, 21 de agosto de 2011 – 16:52 hs

    A próxima faxina que a Dilma fará será daqueles políticos que se recusam a fazer o teste do bafômetro!

  5. OSSOBUCO
    domingo, 21 de agosto de 2011 – 16:53 hs

    Caçador, que tal fazer a faxina aqui em Curitiba e no Paraná? Precisamos acabar com os escândalos do PSDB!

  6. Revoltado
    domingo, 21 de agosto de 2011 – 21:31 hs

    Esta corupção esta instalada desde a era FHC (PSDB).

  7. Denise
    segunda-feira, 22 de agosto de 2011 – 10:17 hs

    Aécio tem muita moral pra falar no assunto.

  8. anonimo
    segunda-feira, 22 de agosto de 2011 – 10:45 hs

    Se for fazer uma faxina no governo dele lá em MG, vai sair mais entulho do que se imagina, só naquele centro administrativo, sai várias caçambas………

  9. Ernesto
    segunda-feira, 22 de agosto de 2011 – 12:09 hs

    E o Aécio estava sóbrio?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*