Fogo cerrado contra Paulo Bernardo | Fábio Campana

Fogo cerrado contra Paulo Bernardo

Da Eliane Catanhêde

Fogo pesado – Depois da queda de Antonio Palocci da Casa Civil e de Alfredo Nascimento dos Transportes, a presidente Dilma Roussef já se prepara para uma nova batalha: a do PR contra o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.
Seria uma forma de atingir dois coelhos com uma rajada só e ricochetear no Planalto, já que Bernardo é marido e parceiro político de Gleisi Hoffmann, da Casa Civil.

O homem bomba dessa vez é Luiz Antonio Pagot, que dirigia o Dnit, departamento que cuida de obras e define de onde vem e para onde vai a dinheirama dos Transportes. Ele despencou com a cúpula do ministério, suspeita de propinas, superfaturamento e desvios para empresas, inclusive a do filho-prodígio do próprio ministro.

Pagot tem subido de tom a cada dia e a cada nova entrevista. Sua melhor chance de trincar cristais será na próxima terça, quando depõe no Congresso. Ao que tudo indica, vai tentar tirar a responsabilidade do próprio ombro para jogar no de Bernardo. Na versão de Pagot, era ele, Bernardo, quem comandava reuniões com empreiteiras para discutir obras, verbas…

Já que o mensalão está de volta com o parecer do procurador geral da República, Roberto Gurgel, pedindo a condenação de 36 implicados, impõe-se uma comparação: Pagot está ensaiando para ser um novo Roberto Jefferson, que detonou o esquema, carimbando duas fases tanto do governo Lula quanto do PT: o antes e o depois do mensalão. Resta saber se ele tem bala na agulha, como Jefferson tinha.
Para quem alega que Pagot não tem credibilidade nenhuma, vale lembrar que se dizia o mesmo de Roberto Jefferson à época. E deu no que deu -e ainda está dando.
Há, porém, uma diferença importante. Enquanto Jefferson foi um franco atirador, Pagot parece ser a linha de frente de um exército -o PR. A artilharia pode ser pesada, e Dilma deve estar preparada e armada para o contra-ataque.


11 comentários

  1. Vigilante do Portão
    segunda-feira, 11 de julho de 2011 – 4:21 hs

    Isso,

    Conta TUDO,

    Os bombeiros estão em campo,
    Emissários do governo, já fizeram contato.

  2. Osiris Duarte de Curityba
    segunda-feira, 11 de julho de 2011 – 6:26 hs

    VÁ PRÁ CASA, PAULO BERNARDO. E JÁ VAI TARDE.

  3. Peterson, from Miami
    segunda-feira, 11 de julho de 2011 – 8:33 hs

    Se fosse avaliar da forma correta, provavelmente não sobraria 1 ministro sequer. E teriam dificuldades de colocar novos. Particularmente sou a favor que os cargos de ministro, secretários, etc…sejam ocupados por pessoas do mercado, sem vinculação política. ´Nossos políticos não têm, na grande maioria, isenção e idoneidade para ocupar estes cargos. É só troca-troca e caixa pra campanha, sem contar a inaptidão da maioria para o trabalho, uma vez que, em geral, nunca trabaharam na vida.

  4. jaferrer
    segunda-feira, 11 de julho de 2011 – 8:36 hs

    Para que termos oposição? Com uma base aliada dessas ela é absolutamente dispensável.

  5. Antonio Cabrera de Sá
    segunda-feira, 11 de julho de 2011 – 9:14 hs

    Cadeia neles.

  6. tereza
    segunda-feira, 11 de julho de 2011 – 9:45 hs

    nossa a maria louca deve estar rindo a toa…. munição …

  7. Vilero
    segunda-feira, 11 de julho de 2011 – 10:44 hs

    Aos poucos vai caindo a máscara… corruPTos!

  8. Borduna
    segunda-feira, 11 de julho de 2011 – 11:08 hs

    Me parece q neste caso Pagot não mente.Será q o casal 20 do paraná vai dançar?

  9. Burguesa com orgulho
    segunda-feira, 11 de julho de 2011 – 11:30 hs

    ITAIPU………LEMBRA, PAULÃO???????????

  10. Manoel
    segunda-feira, 11 de julho de 2011 – 13:28 hs

    Então Requião tinha razão?

  11. Ernesto
    segunda-feira, 11 de julho de 2011 – 14:45 hs

    Não só Pagot mente, mas a Eliane mente, a Veja mente, até o Roberto Jefferson já está desmentido que não houve mensalão, apenas caixa 2.
    É por isso que essa mídia comercial está em decadência.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*