Deborah Guerner sai de sessão em meio a julgamento e desmaia | Fábio Campana

Deborah Guerner sai de sessão em meio a julgamento e desmaia


Foto: Reprodução / TV Globo

De Débora Santos do G1

A promotora Deborah Guerner deixou a sessão em meio ao julgamento por volta de 11h desta quinta-feira (21), ao lado do marido, Jorge Guerner, dizendo que ele estava passando mal. Antes de chegar ao posto de atendimento, que fica do lado de fora do tribunal, a promotora desmaiou.

Guerner disse que o marido estava sofrendo um Acidente Vascular Cerebral (AVC). “Eu sei que ele vai morrer de tanta injustiça”, gritou a promotora. Antes de chegar ao serviço médico, ela desmaiou e foi carregada. Posteriormente, um dos advogados afirmou que Jorge Guerner sofreu um princípio de AVC há duas semanas.

A Corte Especial do TRF-1 decide nesta quinta se Deborah Guerner e o ex-procurador de Justiça do Distrito Federal Leonardo Bandarra responderão a ação penal por crimes relacionados ao escândalo conhecido como mensalão do DEM. Por conta do tumulto, o julgamento teve um intervalo de 10 minutos, mas prosseguiu normalmente. A sessão foi suspensa por volta de 12h30 para o almoço e será retomada à tarde com o julgamento do mérito da denúncia.

Após o tumulto, a defesa do casal Guerner informou que Jorge e Deborah ficaram em observação por recomendação médica. “O seu Jorge teve um mal estar, provavelmente problema de pressão e veio para o atendimento. E a dra. Deborah ficou nervosa, sofreu um desmaio e eles vão ficar em observação, seguindo orientação do médico do tribunal”, afirmou o advogado Maurício Araújo.

Perguntado sobre a possibilidade de o episódio de desmaio ser uma simulação, o advogado da promotora afirmou que seus clientes estão sob pressão.

“Não teria porque ela simular qualquer coisa acho que ela ficou bastante aflita porque o marido estava se sentindo muito mal. São inúmeras emissoras, todo mundo em cima, eu acho que a situação de pressão, o processo, eles estão com o emocional fragilizado e não é fácil para ninguém”, disse.

Interrupção da sessão

Minutos antes do desmaio, o presidente da Corte, Olindo Menezes, havia ameaçado retirar a promotora do plenário após ela interromper a votação na qual os desembargadores decidiam se o julgamento seria aberto ou fechado ao público. A promotora se dirigiu à Corte, em voz alta, sem pedir permissão. “O Arruda não foi denunciado, o Paulo Octavio não foi denunciado”, gritou Guerner.

O presidente da Corte alertou a promotora de que ela não poderia falar naquele momento. “Se tumultuar mais uma vez, vai ser retirada. A senhora não pode falar, será que não escuta?, disse o desembargador. Após a ameaça do desembargador, Guerner voltou a assistir a sessão ao lado do marido e do advogado.

Julgamento

Pela manhã, durante o julgamento, foram ouvidos os advogados de defesa e julgadas as preliminares levantadas pela defesa. Os advogados dos réus sustentaram que houve problemas no processo como falta de provas, cerceamento de defesa, nulidade da investigação e incompetência do TRF-1 para julgar o caso. Todas as alegações foram rejeitadas pelo plenário da Corte Especial.

O presidente do tribunal decidiu que cada advogado de defesa poderia falar por 10 minutos. Os advogados se reuniram e fizeram uma reclamação dizendo que o tempo era insuficiente para apresentar os argumentos.

Também são réus neste processo o delator do mensalão do DEM, Durval Barbosa, Marcelo Carvalho, homem de confiança do ex-vice-governador do DF, Paulo Octávio, a ex-assessora de Durval Barbosa, Cláudia Marques.

Os crimes de violação de sigilo funcional, concussão e formação de quadrilha foram desmenbrados em um outro inquérito que será julgado após o caso de extorsão.

Denúncia

Em outubro do ano passado, Guerner e Bandarra foram denunciados pelo Ministério Público por crimes de extorsão, quebra de sigilo funcional, concussão (exigir dinheiro ou vantagem em razão da função que ocupa) e formação de quadrilha dentro do suposto esquema envolvendo integrantes do governo do Distrito Federal e do Poder Legislativo.

Segundo denúncias do delator do suposto esquema, Durval Barbosa, os dois acusados teriam cobrado R$ 2 milhões do ex-governador José Roberto Arruda para não divulgarem o vídeo em que ele aparece recebendo dinheiro de Durval Barbosa. O ex-procurador-geral do Ministério Público e a promotora negam as acusações.

No início do julgamento, em maio, a Corte Especial começou a analisar um pedido da defesa da promotora que alegou insanidade. A intenção era evitar que ela respondesse pelos crimes dos quais é acusada.

Um pedido de vista adiou para o dia 2 de junho a decisão do colegiado que negou o pedido e considerou, por unanimidade, que a promotora não sofre de insanidade.

Além disso, de acordo com Barbosa, Bandarra e Guerner teriam cobrado propina para vazar informações da Operação Megabyte da Polícia Federal para Durval Barbosa. Caso a denúncia do MP seja aceita, o primeiro passo da ação penal é o interrogatório dos réus e a oitiva das testemunhas, que poderão ser arroladas pela acusação e pelos advogados de defesa.


8 comentários

  1. Karina
    quinta-feira, 21 de julho de 2011 – 15:35 hs

    Tem que por no pau-de-arara, aí sim pode desmaiar!

  2. "Sherlok Gomis"
    quinta-feira, 21 de julho de 2011 – 15:37 hs

    Ó coitada!!!!
    É brincadeira esse País chamado Brazil (com Z mesmo), pois o meu Brasil é com S! Se tivéssemos uma “política” de verdadeira justiça, fato palhacesco (NOVA PALAVRA A SER ADICIONADA NO AURÉLIO) como o apresentado por essa “Digna e Douta” senhora talves não existissem! Estamos, a cada dia que passa, nos transformando num circo gigantesco, que serve de verdadeiro “palco para saco de risadas” aos olhos dos países terra afora! Bem disse Charles de Gaulle a cerca de 66 anos: ” O Brazil não é um País sério”!!!

  3. carlosmello.
    quinta-feira, 21 de julho de 2011 – 15:51 hs

    AVC AINDA É POUCO PRA ESTA CORJA DE LADRÕES , VÃO QUEIMAR NO INFERNO ABRAÇADINHOS COM O CAPETA.

  4. Pit Bull
    quinta-feira, 21 de julho de 2011 – 16:18 hs

    Sem comentário para essa sem vergonha. Pior que vai se livrar, pelo bem do corporativismo sanguinário deste país.

  5. quinta-feira, 21 de julho de 2011 – 19:00 hs

    Ela pode ficar calminha pois nem a qua.dri.lha do mensalão do lula que é de 2005 foi prá cadeia ainda, até julgarem este suposto mensalinho do arruda tem muito chão.

  6. borrachada
    sexta-feira, 22 de julho de 2011 – 6:42 hs

    Insanidade só depois que a “casa cai”! Até então, lúcida e ladra.
    Borrachada nesta sem vergonha!

  7. Henrique
    sexta-feira, 22 de julho de 2011 – 8:56 hs

    Achei que eles eram os fíeis protetores da lei, seres acima de qualquer suspeita, mas agora vejo que não existe mesmo nenhuma classe que não tenha lobos em pele de cordeiro.
    Brasileiros, estamos entregues a uma corja de larápios, bandidos, e não temos mais a quem recorrer.

  8. HENRY
    sexta-feira, 22 de julho de 2011 – 10:02 hs

    ESSA SENHÔRA DEVERIA TER ESCOLHIDO OUTRA PROFISSÃO. PODERIA SER ARTISTA DE NOVELA OU DE TEATRO. REPRESENTA MUITO BEM.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*