Caso Strauss-Kahn é contraditório e pode ter reviravolta | Fábio Campana

Caso Strauss-Kahn é contraditório e pode ter reviravolta


da Folha.com

O escândalo sexual envolvendo o ex-diretor do FMI (Fundo Monetário Internacional) Dominique Strauss-Kahn possui contradições e pode sofrer uma reviravolta devido à falta de credibilidade do depoimento da camareira do hotel em Nova York que ele é acusado de atacar, informa o “New York Times”.

Testes forenses haviam confirmado o encontro sexual entre o ex-diretor do FMI e a autora da acusação. Promotores, porém, desconfiam do que a camareira relatou sobre as circunstâncias do ato.

A Promotoria se reuniu hoje com os advogados de Strauss-Kahn e detalharam os achados, para discutir a possível suspensão das acusações. Entre as descobertas está a de que a camareira pode estar envolvida em crimes, incluindo tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

Promotoria, defesa e juiz devem se encontrar nesta sexta-feira de manhã, em Nova York, e há a possibilidade de que a fiança anteriormente imposta a Strauss-Kahn de US$ 1 milhão seja atenuada.

As revelações marcam reviravolta no caso. Com a demissão do político, a ministra francesa das Finanças, Christine Lagarde, havia assumido o FMI na terça-feira (28).

A Promotoria, que a princípio enfatizava a força do caso em mãos, deve dizer hoje no tribunal que tem “problemas” com o caso, a partir das informações recém-descobertas. Eles farão exposição das descobertas para a defesa.

De acordo com os oficiais ouvidos pelo jornal, a camareira havia conversado por telefone com um homem encarcerado na época em que se encontrou com Strauss Kahn. Ela discutiu com ele os possíveis benefícios de acusá-lo, e a conversa foi gravada.

O homem em questão foi preso por carregar uma grande quantidade de maconha. Ele faz, também, parte de um grupo de pessoas que realizou diversos depósitos na conta da camareira, totalizando US$a. 100 mil, durante os dois últimos anos. Ela diz não saber do dinheiro.

Nas últimas semanas, os advogados do político já tinham deixado claro que explorariam a credibilidade da mulher a favor do caso. Em 25 de maio, haviam dito que tinham encontrado informações que poderiam “comprometer gravemente a confiabilidade” da camareira.


4 comentários

  1. Parreiras Rodrigues
    sexta-feira, 1 de julho de 2011 – 13:47 hs

    Os concludentes precipitados levam uma revertida nesse caso.

    Duvidei da denúncia da camareira assim como tenho grande expectativa de que Bruno, goleiro do Flamengo, não é assassino.

  2. Iara Regina Teixeira
    sexta-feira, 1 de julho de 2011 – 13:48 hs

    Ich, e ele não pode concorrer a presidência da França, e era o candidato favorito.

  3. Josué Machado Costa
    sexta-feira, 1 de julho de 2011 – 15:14 hs

    Se ele concorrer a presidencia, ganha no primeiro turno. Foi tudo armação!!!

  4. andre
    sexta-feira, 1 de julho de 2011 – 15:40 hs

    Você imagine se o depoimento de uma camareira pobre vai ter algum valor contra um Polido Senhor Riquissimo e presidente do FMI, mas nunca, nem nos Estados Unidos, e mais, se fosse aqui no brasil essa “criminosa” ja estaria presa.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*