Ministro Antonio Palocci pede afastamento do cargo | Fábio Campana

Ministro Antonio Palocci pede afastamento do cargo

Palocci é o primeiro a sair do cargo no governo Dilma Rousseff.
Segundo jornal, ele teve patrimônio aumentado 20 vezes em 4 anos.

Do G1, em Brasília

O ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, deixou o cargo nesta terça- feira (6), quase um mês após a publicação de uma reportagem pelo jornal “Folha de S.Paulo” segundo a qual ele teve o patrimônio aumentado em 20 vezes entre 2006 e 2010, período em que exerceu mandato de deputado federal e coordenou a campanha presidencial de Dilma Rousseff.

A saída de Palocci foi comunicada por meio de uma nota divulgada pela Casa Civil. O ministro, que ficou pouco mais de seis meses no cargo, é o primeiro a deixar o ministério no governo da presidente Dilma Rousseff.

“O ministro considera que a robusta manifestação do Procurador-Geral da República confirma a legalidade e retidão das suas atividades profissionais no período recente, bem como a inexistência de qualquer fundamento, ainda que mínimo, nas alegações apresentadas sobre a sua conduta”, diz a nota.


Segundo reportagem da “Folha de S.Paulo”, Palocci teria recebido R$ 20 milhões somente em 2010, por meio da Projeto, empresa da qual é proprietário e que prestava serviços de consultoria a empresas. Segundo o ministro, ele firmou contratos entre 2006 e 2010 com empresas que consideraram “útil” a experiência dele como ministro da Fazenda entre janeiro de 2003 e março de 2006, durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva.

De acordo com o jornal, metade dos R$ 20 milhões que a empresa de Palocci faturou em 2010 foi obtida nos últimos meses do ano, quando ele participava do governo de transição. Segundo o ministro, isso ocorreu em razão da quitação antecipada de contratos em vigor. O ministro informou que os contratos foram interrompidos depois que ele aceitou convite para integrar o ministério de Dilma.

Depois, outras reportagens apontaram que clientes de Palocci teriam feito negócios com empresas públicas e que um dos clientes foi supostamente beneficiado em uma operação de restituição de imposto de renda junto à Receita Federal, subordinada ao Ministério da Fazenda, pasta que Palocci comandou em 2006.

Na última sexta-feira (3), Palocci concedeu entrevista à TV Globo, a primeira manifestação pública desde que reportagens sobre o aumento do seu patrimônio e suposto tráfico de influência começaram a ser publicadas. Integrantes de partidos da base do governo e da oposição cobravam explicações do ministro.

Na entrevista, Palocci negou que tenha feito tráfico de influência. “Não fiz tráfico de influência, não fiz atuação junto a empresas públicas representando empresas privadas”, disse. O ministro não informou a lista de clientes da Projeto nem quanto teria faturado porque, segundo ele, não poderia expor as empresas em um ambiente político “conturbado”.

Ele afirmou ainda que não poderia apresentar os nomes dos clientes para não prejudicá-los. “Não acho justo expor empresas num ambiente político conturbado, num ambiente de conflito. Se empresas forem feridas com isso, a perda em relação a sua imagem, etc, ninguém pode repor. Então eu prefiro assumir pessoalmente a explicação dessas coisas do que expor uma série de pessoas e empresas.”

Em entrevista à “Folha de S.Paulo”, Palocci disse que, antes de assumir a Casa Civil, não relatou à presidente Dilma Rousseff quais eram as empresas para as quais havia prestado serviços de consultoria.


11 comentários

  1. Parreiras Rodrigues
    terça-feira, 7 de junho de 2011 – 18:22 hs

    Madeeeeeeeeeeiiiiiiiiiiiiiiiraaaaaaaaaaaa….

  2. fred
    terça-feira, 7 de junho de 2011 – 18:56 hs

    entenderam o recado né? prefeitos, governadores e toda a turma: pague em dia seus anúncios nos jornais, senão…olha a guilhotina

  3. SOCIALISMO BARATO
    terça-feira, 7 de junho de 2011 – 18:58 hs

    Ladrão, sem vergonha cria vergonha e larga a vida pública..

  4. HENRY
    terça-feira, 7 de junho de 2011 – 19:08 hs

    DEMORÔ!!!!!

  5. xereta
    terça-feira, 7 de junho de 2011 – 19:16 hs

    E agora como fica. Pede pra sair e pronto. Não vai precisar se explicar?

  6. Maria
    terça-feira, 7 de junho de 2011 – 20:15 hs

    Agora nesse país quem faz oposiçao é a imprensa, agora deveriam investigar o porque a Senadora Gleisi chegou a ser Diretora Financeira da ITAIPU Binacional, saiu e depois de tantos anos de Governo do PT nunca mais voltou para o cargo. Dizem as más línguas……………………………………………

  7. Pk
    terça-feira, 7 de junho de 2011 – 21:46 hs

    Não vai pedir aposentadoria também! ou vai?

  8. carlos
    quarta-feira, 8 de junho de 2011 – 8:32 hs

    JÁ FOI TARDE GATUNO, CAIA FORA DO PT TAMBÉM, SEU MALANDRO.

  9. Brimo
    quarta-feira, 8 de junho de 2011 – 9:12 hs

    Este Palocci é muiito tranbiqueiro e ladrão !

  10. SAMURAI
    quarta-feira, 8 de junho de 2011 – 9:50 hs

    Entregou o cargo. E daí ?? Saiu com o bolso cheio de grana e vai
    continuar ligado à politicagem de Brasília tal qual José Dirceu.
    O que importa para esta turma é o seu bolso e se possível avançar
    no dos outros …

  11. DE OLHO ABERTO
    quarta-feira, 8 de junho de 2011 – 10:14 hs

    NEM PEDIU NEM FOI MANDADO EMBORA PELA FASICSTA DILMA, FILHO DE lUCIFER, FOI DEVIDAMENTE AFASTADO, COMPELIDO PELA OPOSIÇÃO A SE DESLIGAR DO DESGOVERNO DOS PTRALHAS. PALOCCI FOI O COORDENADOR DA CAMPANHA PETISTA BRASIL A FORA O QUE SE IMAGINA TER SIDO CAIXA DOIS, OU MELHOR O GERENTE FINÂNCEIRO DA CAMPANHA.

    O PT É UMA VERGONHA NACIONAL. SINTO VERGONHA DE PERTENCER A ESTE NOVO REGIME SOCIALISTA IMPLANTADO POR LÚCEFER (lula), no Brasil.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*