Cirurgiões ameaçam romper com planos e seguros de saúde | Fábio Campana

Cirurgiões ameaçam romper com planos e seguros de saúde

Valéria Auada da O Estado do Paraná

Os cirurgiões do Paraná poderão romper individualmente com os planos e seguros de saúde caso eles não parem de interferir nos trabalhos médicos ou não reajustem seus honorários. Essas medidas serão discutidas pela categoria em assembleia a ser realizada nesta quarta-feira (15), às 19h30, na Associação Médica do Paraná, em Curitiba.

Segundo o presidente do Colégio Brasileiro de Cirurgiões no Paraná (CBC/PR), Luiz Carlos Von Bahten, há um “descaso” dos planos e seguros de saúde com os médicos. De acordo com o presidente do CBC/PR os planos e seguros de saúde estão glosando os procedimentos cirúrgicos e interferindo nas medidas terapêuticas, provocando a redução de exames médicos necessários aos pacientes.

Sobre o pagamento de honorários, Bahten afirma que há convênios em que os médicos ficam apenas com R$ 5,80 sobre a consulta. “Em dez anos, entre 2000 e 2010, o IPCA acumulou uma inflação de 106%. Em dez anos, os planos aumentaram 133% e isso não foi repassado aos médicos”, avaliou Bahten.

A Comissão Estadual de Honorários Médicos (CEHM) também estará presente na assembleia dos cirurgiões para esclarecer critérios de negociação com as operadoras de saúde.

Em todo o Estado estão sendo realizadas assembleias pelos médicos nas suas mais variadas especialidades. Os resultados dessas assembleias, bem como dessa que será realizada nesta quarta-feira pelos cirurgiões, serão levados à assembleia geral marcada para o próximo dia 28 na sede da Associação Médica do Paraná. Nesta assembleia geral será definida a posição final do Paraná a ser adotada em relação às operadoras de saúde.

Neurologistas

A Sociedade Paranaense de Ciências Neurológicas (SPCN) também realizou uma assembleia no último dia 7 para discutir os valores dos honorários médicos repassados pelas operadoras de saúde a seus especialistas.

Durante a assembleia ficou decidido que, caso não cheguem a um consenso, os associados da SPCN poderão cancelar individualmente o atendimento aos usuários da União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (Unidas). Os médicos deram até o próximo dia 28 para a Unidas se posicionar. A categoria também participará da assembleia geral marcada para o próximo dia 28.

Os associados da SPCN decidiram também na assembleia do último dia 7 que a Comissão Estadual de Honorários Médicos (CEHM) será a negociadora oficial de seus associados.


5 comentários

  1. dorme sujo
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 20:19 hs

    Tenho ate do destes pobres médicos.
    Eles ganham nem seis reais por consulta médica,vejo pelas rua esses coitados andando pelas rua com carros velhos do tipo 2010 modelo 2011 é muito velho esses carros impotados,sem contar as casas que moram,casa que não tem suíte ,isso sem contar apartamentos pequenos um por andar sem elevadores,clubes então nem se fala aquele que vc entra na água e vem o garçom atras perguntado o que o DR: vai quer tomar,nossa deve de ser ruim.
    Vou dar um conselho para a rapaziada que tem sonho de se formar médico ,não entrem nessa barca furada pois é uma péssima profissão,trabalhem como pedreiro,padeiro,motorista de caminhão que é menos desgastante e o salário é muito melhor.
    Por acaso vcs já viram pedreiro padeiro ou caminhoneiro fazendo greve?não, é claro eles ganham bem.

  2. antonio carlos
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 20:19 hs

    Em briga de marido e mulher eu não vou botar a colher. Eles que se entendam, e me deixem de fora desta disputa por centavos. Tony

  3. Borduna
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 21:12 hs

    Só lembrando, quem faz isso (glosas) dentro dos planos de saúde são médicos também…..

  4. Dizao
    quinta-feira, 16 de junho de 2011 – 7:52 hs

    Mais uma vez o consumidor ( top top)

  5. Pedro Costa
    quinta-feira, 16 de junho de 2011 – 9:33 hs

    Há tempos alguns planos de saúde fazem ingerências nas condutas médicas, cerceando o trabalho dos profissionais de saúde. Isto ocorre porque os planos de saúde querem apenas lucrar às expensas dos segurados, pouco importando a necessidade tratamento destes e até mesmo primendo pela realização de procedimentos que visam a previsão de doenças, que a priori significará menos despesas médicas futuras dos segurados. Para ingerirem na atividade médica, os planos de saúde possuem diretores seus incrustados dentro dos CRM’s (e até mesmo CFM), que exercem pressão desmedida e ilegal (fática e moral) sobre os médicos que se opõem às condutas opressivas e ilegais dos planos de seguro de saúde. Esta é a hora urgente da sociedade civil se mobilizar e o governo federal atuar – efetivzamente através da ANS e do MPF – fiscalizando as condutas dos planos de saúde, apurar condutas ilícitas (civis e PENAIS) e efetivamente punir aqueles que descumprem a LEI. Se há interesse efetivo das autoridades públicas em persecutir esta questão, basta convocar os médicos e garantir a eles resguardo de direitos fundamentais, que todas as ilegalidades dos planos de saíde virão à tona. Além disso, são os segurados que estão a suportar os prejuízos advindos destas condutas ilegais dos planos de saúde, pois chegará um momento em que não haverão mais médicos que se sujeitem a prestar serviços, com a aviltante remuneração paga pelos planos de seguro saúde.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*