Cargill vai faturar R$ 280 milhões por ano | Fábio Campana

Cargill vai faturar R$ 280 milhões por ano

O secretário de Indústria e Comércio, Ricardo Barros, informa que a Cargill vai faturar R$280 milhões por ano e vai recolher R$ 12 milhões de iCMS. O investimento é de R$ 600 milhões. A empresa processará 10% da produção de milho do Paraná para produzir carbohidrato.

Em torno desta indústria está prevista a instalação de um complexo com mais seis indústria que utilizará este carbohidrato como matéria-prima. Totaliza mais R$ 1 bilhão e 200 milhões de investimentos.

Essa planta vai se instalar numa área de 300 hectares. O Paraná venceu a queda de braço na atração dessa indústria contra Minas Gerais, Bahia, São Paulo e Santa Catarina. O governador Beto Richa recebeu os diretores da empresa duas vezes para reafirmar compromissos do Paraná e o interesse pela indústria.


4 comentários

  1. IW
    quarta-feira, 1 de junho de 2011 – 19:55 hs

    Conheço várias “maravilhas” assim no Paraná e no Brasil.
    Depois de uns anos aparecem as exuberantes “vantagens” cedidas por baixo dos panos para que grandes grupos internacionais venham ganhar muito por aqui usando nossa mão de obra barata, nossas terras e clima.
    Quanto as grandiosas projeções de empregos, impostos e investimentos nunca chegam perto do anunciado.

  2. marcos
    quarta-feira, 1 de junho de 2011 – 21:32 hs

    Isso faz a diferença. Inteligência. Enquanto o outro, espantava investimentos, envergonhava e ainda envergonha nós os paranaenses, o atual governo trabalha e governa. O outro ainda tem a cara de pau de dizer que “burrice deveria doer”, porém, se assim fosse, esta família maldita urraria dia e noite de dor.

  3. ivanowski
    quarta-feira, 1 de junho de 2011 – 23:01 hs

    . Nooosssaaaa!!!
    . Já pensaram o Estado sem o RICARDÃO Barros????
    . Qtas indústrias ele tá trazendo pro PR.
    . O ‘home’ é de mais !!!!!

  4. luiz de paula
    quinta-feira, 2 de junho de 2011 – 9:20 hs

    Quem é que fez estas contas do recebimento do ICMS, foram os técnicos da fazenda?
    Com a evolução tecnológica onde se produz muito com um mínimo de mão de obra, existem algumas atividades que por sua natureza e pelos benefícios fiscais já arraigados no sistema, nada contribuem com os Estados ou com os municípios.
    O importante é dar empregos! Não dão.
    O importante é aumentar a arrecadação! Nem sempre, com essa querra fiscal, onde um Estado só faz para prejudicar o Outro. Poderemos não ver essa arrecadação.
    Será mesmo que a Cargil com todo o crédito que ela acumula pelas exportações, teria algum imposto a pagar?
    Ou será que estas multinacionais finalmente começarão a pagar algum imposto.
    Espero que não seja um emprendimento do tipo SESI (Sem Emprego e Sem Imposto)

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*