Atentado a Rossoni era para matar | Fábio Campana

Atentado a Rossoni
era para matar

O relatório da perícia do Instituto de Criminalística do Paraná concluiu que os passageiros do carro do presidente da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), Valdir Rossoni (PSDB), foram alvos de uma tentativa de homicídio na noite do último dia 10. O motorista de Rossoni, Roderlei Alves, e o diretor-financeiro da Assembleia, Sérgio Brun, iam de União da Vitória para Bituruna, no Sul do Paraná, pela PR-170, quando o veículo Ômega usado por eles foi atingido por um tiro de uma espingarda cartucheira calibre 12 – modelo de arma que es­­pa­­­lha vários projéteis de chumbo em um mesmo disparo. O presidente do Legis­­lativo deveria estar no carro, mas conseguiu uma carona e viajou antes dos assessores.

A conclusão, assinada pelo perito José Silvestre de Ornelas Jr., é que o atirador tinha intenção de matar e o disparo aconteceu a cerca de 5 metros do veículo. “Dá para dizer que era um atirador profissional porque ele escolheu o ponto [de disparo], onde tinha várias árvores [para se ocultar], e conhecia muito bem a região”, contou Silvestre à Gazeta do Povo. Do local escolhido, o atirador tinha um bom ângulo de visão dos carros que passavam na estrada. O perito concluiu ainda que o atirador chegou e saiu a pé do local, já que não havia nenhuma marca de pneu na grama próxima à estrada.
Legislativo.

O presidente da Assembleia Legislativa, Valdir Rossoni (PSDB), disse ontem que não irá mais interferir nas questões de segurança da Casa e deu “carta branca” ao diretor do Gabinete Militar, tenente-coronel Arildo Luís Dias, da Polícia Militar. Até então, as medidas de segurança passavam pelo crivo de Rossoni. A partir de agora, o presidente do Legislativo não questionará as decisões do Gabinete Militar. “Este assunto entreguei ao tenente Arildo. Eu estava interferindo de forma negativa. Querendo decidir o que fazer sobre um assunto que eu não domino, o que é um erro”, disse Rossoni. A Assembleia estuda alugar carros de luxo blindados para a segurança da cúpula da Casa.

Sandro Moser

Além disso, a perícia mostra que o carro trafegava a 147 km/h no momento em que o tiro aconteceu, apesar da velocidade máxima permitida na PR-170 ser de 80 km/h. Segundo Silvestre, foi possível determinar a velocidade a partir de informações do motorista e de um software de balística.

A alta velocidade do veículo pode ter sido determinante para que ninguém ficasse ferido. Isso porque, segundo Silvestre, se a velocidade do carro fosse 120 km/h é possível que o tiro atingisse a janela do passageiro, na lateral do automóvel.

A perícia foi entregue ontem à direção do Instituto de Crimi­nalística, que deve enviar cópia do documento ainda hoje para o delegado de União da Vitória, Wagner Holtz Merege Filho, responsável pela investigação do caso. Ontem, ele disse que só falará após receber e analisar o documento. Rossoni foi informado ontem sobre o resultado da perícia, mas não quis comentar o assunto.


10 comentários

  1. Maria Eduarda
    terça-feira, 21 de junho de 2011 – 10:23 hs

    Sei lá viu gente, não sou nenhuma especialista neste tipo de assunto, mas uma coisa me deixa intrigada. O perito afirmou mesmo que o tiro era pra matar e que o atirador era “profissional”?

    Primeiro, se o cara é mesmo um matador profissional ele não iria atirar no carro com uma 12 que espalha chumbo, ele iria atirar com um fuzil.

    Segundo, como pode o tiro ter sido a cinco metros do carro se a distância entre a pista de rodagem e o acostamento da mais que isso e o perito afirma que o atirador estava escondido nas árvores?

    Terceiro, com um veículo em movimento é super difícil se acertar um tiro como aquele, ainda mais com uma 12 espalhando chumbo.

    Sei lá gente, mas que tem algo muito estranho nessa história, ahhh isso tem. Para mim este carro estava parado quando foi alvejado e com certeza não tinha ninguém dentro no momento do tiro, e olha que não sou perita da polícia.

  2. kim
    terça-feira, 21 de junho de 2011 – 10:31 hs

    147 km/h???
    pode andar nessa velocidade uma pessoa que se diz motorista?
    ahh, esqueci, isso é só pra deputado…

  3. escobar
    terça-feira, 21 de junho de 2011 – 11:02 hs

    O cara era profissional porque se escondeu atrás de árvores. Só pode ser uma piada! Vá ser cara de pau…

  4. Michelle
    terça-feira, 21 de junho de 2011 – 11:10 hs

    COINCIDÊNCIA O ATENTADO JUSTAMENTE NO PERÍODO QUE ESTÁ TENTANDO APROVAR ALUGUEL DOS VEÍCULOS DE LUXO PARA MESA DIRETORA?!
    REALMENTE ESTAMOS SUBSTIMANDO SUA INTELIGÊNCIA, É UM MANIPULADOR E ARTICULADOR NATO.

  5. Luis
    terça-feira, 21 de junho de 2011 – 11:45 hs

    Eu acho que a Maria Eduarda, o Escobar e a Michelle, ficaram ‘sem teta’. Da-lhe Rossoni.

  6. uala
    terça-feira, 21 de junho de 2011 – 15:31 hs

    Maria Eduarda …? com essa redação certamente é um enrustido.

  7. Contestador de Peritos
    terça-feira, 21 de junho de 2011 – 21:32 hs

    Ainda há esperanças para os peritos do Paraná, pelo menos o perito não concluiu que o atirador chegou e saiu voando do local do “mega, super, ultra” “atentado”.

  8. Alberto
    terça-feira, 21 de junho de 2011 – 22:39 hs

    Meu Deus, quanta palhaçada…
    o Pessoal vamos começar a trabalhar?

  9. luiz
    terça-feira, 21 de junho de 2011 – 22:58 hs

    Maria nem eu sou perito, mas quando vi o carro fiquei de cara, achei que tava parado mesmo.

  10. Janes Rodriguez
    sexta-feira, 24 de junho de 2011 – 23:56 hs

    E o Papai Noel e Coelhinho da Páscoa tem visita marcada com o presidente da ALEP para breve. Afinal, por aqui se acredita em tudo!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*