A transexual Rafaelly Wiest agora é petista de carteirinha | Fábio Campana

A transexual Rafaelly Wiest agora é petista de carteirinha

Por Thea Tavares | Publicado no Blog Lado B:

(Fotos ao lado da ministra Maria do Rosário, de Lula e do ministro da Educação fernando Haddad) A presidente do Grupo Dignidade, Rafaelly Wiest, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores (PT) de Curitiba no último dia 8 de junho. A transexual de 28 anos estreia na política partidária com dois firmes propósitos: ativar o setorial LGBT – Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros – dentro do Partido no estado, um pedido especial do amigo Julian Rodrigues, coordenador nacional do movimento, e representar não só o segmento social, mas a luta contra toda e qualquer forma de preconceito nas próximas eleições municipais, rumo à Câmara de Vereadores. A notícia de sua filiação repercutiu bem em Brasília, onde colheu as boas-vindas da secretária nacional de Direitos Humanos, Maria do Rosário, ex-deputada federal do PT gaúcho, e da senadora Marta Suplicy (PT-SP), que já antecipou seu apoio a uma futura candidatura da transexual curitibana.

Nascida no seio de uma família evangélica, mas orgulhosa de ter colhido oportunidades e apoios desde que descobriu a sexualidade na adolescência, Rafaelly encontrou na avó Maria das Neves, matriarca da família, o seu carinhoso escudo protetor e o acolhimento necessário para legar a ela uma auto-estima contagiante.

“Tive as oportunidades de viver sem precisar me prostituir”, disse, lembrando que a esmagadora maioria dos transexuais e travestis são atirados à prostituição como única opção de sobrevivência por conta da incompreensão e intolerância alheias.

Fã, agora de carteirinha, do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e amiga do emblemático casal homossexual de Curitiba, Toni Reis e David Harrad, ícones da campanha pelo marco legal de reconhecimento do governo brasileiro da união homoafetiva, Rafaelly se inspirou nesses exemplos, também na garra da senadora Marta e da vereadora de Curitiba Professora Josete (PT) para enxergar a política pelas lentes da transformação social. Há pouco mais de quatro anos, despertou para isso, mas adiou sua filiação enquanto se concentrava exclusivamente às causas e bandeiras do movimento LGBT.

A transexual petista foi casada por quatro anos e há dois seu estado civil é “solteira”. Ela aguarda na fila do SUS – Sistema Único de Saúde – a chamada para a cirurgia de mudança de sexo, que é realizada apenas em quatro cidades brasileiras: Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro e Goiânia. Em 2008, o Ministério da Saúde conferiu às cirurgias de redesignação sexual o status de procedimento no âmbito da saúde pública. Até que essa fila ande, vaidosa, Rafaelly cuida da aparência, do corpo e da estética feminina com medidas paliativas, tratamentos hormonais e cosméticos. Como toda mulher, só quer ser feliz, nem que precise ir à luta para dar cabo de amansar um leão voraz, machista e preconceituoso todo santo dia. Determinação não lhe falta!

Por que o PT?

Fãzoca do Lula… Tipo assim: igual a todo mundo!

Um dos motivos é bastante direto e claro: Rafaelly é fã do ex-Presidente Lula. Fato inquestionável! Nas duas oportunidades em que se encontrou com Lula, não esconde que aderiu à tietagem como qualquer mortal, incluindo nessa lista o próprio Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que apontou mundialmente para o estadista brasileiro e disse: “É ‘o cara’!”. Ela é categórica em afirmar que o movimento LGBT reconhece no governo de Lula um divisor de águas. Lula efetivou o Programa Brasil Sem Homofobia, abriu espaços à realização da Conferência Nacional LGBT (Brasília, 2008), a primeira conferência do mundo sobre políticas públicas para o segmento, lançou o plano nacional de promoção da defesa dos direitos humanos à população LGBT, instituiu dentro da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos, órgão da Presidência da República, o Conselho Nacional da área e definiu no calendário oficial a data de 17 de maio como o dia nacional de combate à homofobia. É mole?

Rafaelly diz que Lula abriu portas em todos os ministérios e fez tudo o que estava dentro do seu alcance, enquanto chefe do Executivo, para conferir dignidade e cidadania plenas à população LGBT. Esse reconhecimento fez com que a população LGBT abraçasse a campanha da candidata de Lula à sua sucessão, Dilma Rousseff (PT), no ano passado. Dilma, aliás, também vítima de preconceitos e de ódios. A 2ª Conferência Nacional de políticas públicas para LGBT acontecerá de 15 a 19 de dezembro em Brasília.

Educação, saúde e geração de trabalho e renda

Com o ministro da Educação, Fernando Haddad.

Nos dias 29 e 30 de junho, Rafaelly participará em Brasília de uma reunião no Ministério do Trabalho para discutir estratégias de se inserir e ampliar a participação de travestis e transexuais no mercado de trabalho formal. “Há avanços na área da economia solidária, na atividade informal e nos projetos desenvolvidos com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador, mas precisamos ampliar essas oportunidades de trabalho e renda”, diz. Ela sabe bem a importância de poder estudar, formar-se em uma profissão e possuir um emprego reconhecido. Muitos transexuais e travestis são alijados desses direitos, não conseguem continuar na escola ou sequer têm a chance de conseguir um emprego formal. Acabam por encarar a prostituição como única forma de buscar a sobrevivência.

A intenção da líder transexual é fazer como Lula – tudo ao seu alcance – e levar esse exemplo de compromisso para sua atuação legislativa. “Não pretendo fazer uma política segmentada, mas voltada para os direitos humanos e com foco na educação e saúde”, afirma. Rafaelly lembra que o preconceito e a intransigência atingem não só lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis, mas também a mulher, o negro, o pobre, a população carcerária ou de rua. “O acesso à saúde tem de ser adequado a todos, assim como ensinar e aprender precisam ser ações universais. Há discriminação nas escolas e na prestação de serviços de saúde. Isso tem de acabar”, argumenta.

Colo acolhedor

Ao lado da ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário: estímulo e parceria.

As amizades e as orientações de profissionais de médicos e psicólogos foram importantes para a trajetória de Rafaelly desde a descoberta da sexualidade até sua afirmação como liderança do movimento social. “Um adolescente não faz uma escolha. Nem sabe o que se passa com ele; Precisa de apoio. Eu tinha uma cabeça de mulher, dentro de um corpo de homem, que não se aceitava assim”, lembra. Mas foi o colo acolhedor da avó que a protegeu dentro e fora de casa. Profunda conhecedora dos ensinamentos bíblicos, Dona Neves era seu escudo para a defesa de Rafaelly até dos “irmãos da igreja”, que criticavam a matriarca por “manter uma coisa dessas dentro de casa”. Diacomisa da Igreja Adventista, a avó rebatia com questionamentos: “Não está na Bíblia que temos de amar até o próprio inimigo? Como vou tirar minha neta de dentro de casa? A Bíblia não prega o amor ao próximo, o respeito dos pais aos filhos e dos filhos aos pais? Como vou justamente ofender a Rafa, que é a pessoa que mais se doa para a família e que se preocupa com todos? Deus não é sinônimo de amor, respeito e caridade?”, indagava.

Foi assim que Dona Neves arrancou lágrimas e pedidos de desculpas de muita gente. Foi assim que a avó de Rafaelly a ensinou a manter a cabeça sempre erguida e preparou a neta para representar com dignidade a população LGBT de Curitiba e do Paraná.
.


15 comentários

  1. Sergio silvestre
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 13:28 hs

    Vai se misturar com os outros tantos que tem na politica,e olhe que é bastante.

  2. jobalo
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 15:56 hs

    Era o que faltava para o pt e a petezada, se completar.

  3. Mírian Waleska
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 16:18 hs

    Noooossa, o PT acaba de arrumar seu mascote. kkkkk

  4. Anônimo
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 16:33 hs

    Muito simples. Já temos os: PT Jovem, PT Mulher, etc. Agora teremos o PTransexual. Tudo certo…tudo normal.

  5. cadu
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 17:50 hs

    tá no lugar certo, afinal o pt aceita qualquer coisa que daça meia dúzia de votos

  6. WILSON ANTONIO
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 18:52 hs

    Parabens ao PT, partido único para pessoas diferentes, que de fato, não são idênticas; nem iguais !!!

  7. fiscal de realeza
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 19:27 hs

    SE VOCEIS ACHAREM RIDICULO DIREI QUE RIDICULO SÂO VOCEIS
    E DEVEM MESMO SE UNIR COM O BOLSONARO QUE É ALIADO DO PSDB E &

  8. CAÇADOR DE PETISTAS
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 19:50 hs

    http://youtu.be/lGQ9Hie-1kE

  9. Dizao
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 20:32 hs

    Quem vota, pode ser votado

  10. quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 22:09 hs

    pelo menos tem peito!!!

  11. pingodm@yahoo
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 22:55 hs

    Não sou GL sou uma pessoa que respeita as opiniões, por tanto parabêns ao PT por respeitar a opinião sexual das pessoas e parabêns Rafaelly, mesmo não gostando da ideologia do partido.

  12. Andriely Vogue II
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 23:10 hs

    Lembram da Andriely Vogue, que chegou ate a ser presa e foi abandonado pelo PT? – Sei não – quem sabe essa aí tenha um destino parecido, nao com prisoes etc…mas futuramente certamente será abandonada pelo PT

  13. Dexter
    quarta-feira, 15 de junho de 2011 – 23:28 hs

    Eh a cara do PT.

  14. aninha
    quinta-feira, 16 de junho de 2011 – 9:02 hs

    Brasileiro é pobre de cultura mesmo, chega de preconceito…

  15. Cachimbo
    quinta-feira, 16 de junho de 2011 – 9:42 hs

    Ela vai fazer um trabalho corpo a corpo com os PTistas .

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*