Sarney recua e mantém imagem de impeachment de Collor no Senado | Fábio Campana

Sarney recua e mantém imagem de impeachment de Collor no Senado

Gabriela Guerreiro e Márcio Falcão da Folha Online

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), recuou nesta terça-feira (31) da decisão de excluir o impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello (PTB-AL) do corredor “túnel do tempo” da Casa painéis com imagens que contam os principais fatos históricos da instituição. Sarney chegou a classificar ontem o impeachment de “acidente”, mas recuou um dia depois diante da repercussão negativa da retirada.

“Acabo de determinar à sessão competente do Senado, sua administração, que faça constar na referida exposição o impeachment do presidente Collor, uma vez que nós não temos nada para esconder nesta Casa”, disse o senador.

Em vídeo postado no blog do Senado, Sarney afirma que não era o curador da exposição de fotos que integram os painéis, por isso não foi sua responsabilidade excluir o impeachment do local.

A galeria, com 16 painéis, fica em um corredor entre os gabinetes dos senadores e o plenário. É um dos lugares mais visitados da Casa. O espaço passou por reforma, sem custos, segundo a Secretaria de Comunicação do Senado.

Em 2007, às vésperas da posse de Collor no Senado, a Casa já havia retirado as referências ao caso, mas recuou e algumas imagens acabaram inseridas no túnel do tempo. O painel que retrata a gestão Collor mostra, por exemplo, a aprovação de projetos como o tratamento gratuito de HIV e o “Estatuto das Micro e Pequenas Empresas”.

Collor renunciou momentos antes do Senado decidir pelo impeachment, em 1992. Mesmo assim, os senadores aprovaram a perda do cargo.

Em nota, a Secretaria de Comunicação do Senado disse que a ideia dos painéis era “a partir da Constituição de 1988 destacar os fatos marcantes da atividade legislativa”, com “foco na produção legislativa do Congresso Nacional”.

REAÇÃO

Líder estudantil e do movimento dos caras pintadas, o hoje senador Lindberg Farias (PT-RJ) rebateu as declarações de Sarney. O petista disse que o fato é uma “página da história que orgulha” os brasileiros.

“É um erro tremendo. Não se apaga as páginas da história. É um erro do presidente Sarney, um grande equívoco”, disse Lindberg.

Sarney classificou ontem o impeachment de “acidente” logo após a reinauguração da galeria de imagens do Senado, que conta a história da instituição desde o Império até os dias atuais –mas excluiu as fotos que faziam referencia à aprovação do processo de impeachment de Collor na Casa.

Lindberg saiu em defesa da importância histórica do impeachment para o fortalecimento da democracia no país. “Na história recente do país, o impeachment foi um dos maiores movimentos de mobilização social da nossa história, então, não é acidente. É uma página da historia que muito nos orgulha.”

Sarney disse que o episódio talvez “seja apenas um acidente e não devia ter acontecido na história do Brasil”. “Não é tão marcante como foram os fatos que aqui estão contados que construíram as história e não os que, de certo modo, não deviam ter acontecido’, disse o presidente do Senado.

Procurado pela Folha, o ex-presidente Collor não quis comentar a polêmica sobre a retirada do painel.


3 comentários

  1. CAÇADOR DE PETISTAS
    quarta-feira, 1 de junho de 2011 – 10:46 hs

    Dois ex, bândidos, corja de safados.

  2. Flávius
    quarta-feira, 1 de junho de 2011 – 12:27 hs

    Sobre a história você até pode mentir, mas jamais poderá mudá-la!

  3. JULIO CESAR DE SISTI
    quarta-feira, 1 de junho de 2011 – 13:23 hs

    Nada a esconder?????????? Tá de brincadeira né?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*