Diógenes Caetano diz que delegado não sabe nada sobre o caso | Fábio Campana

Diógenes Caetano diz que delegado não sabe nada sobre o caso

Sergio Silva e Antonio Nascimento da Banda B

As declarações do delegado Luis Carlos Oliveira, em entrevista ontem (23) à Banda B, apontando abertamente Diógenes Caetano, primo do pai do menino Evandro Ramos Caetano, como mentor de toda a trama para tentar a incriminar a família Abagge, em um suposto ritual satânico, causou polêmica. Procurado pela reportagem, Diógenes Caetano, que escreveu o livro “A Verdadeira História do Caso Evandro”, contando a sua versão sobre os acontecimentos de 1992, não poupou palavras para se defender.

“Ele (o delegado Luis Carlos Oliveira) é uma pessoa que não é idônea para falar de nada, muito menos de um caso que ele não conhece, um caso como esse aqui de Guaratuba, onde ele chegou bem depois de tudo ter acontecido. Eu me admiro que a Polícia Civil ainda admita que este delegado esteja trabalhando dentro dos quadros da polícia e, principalmente, dando entrevistas sobre uma área que ele nem tem conhecimento. É um absurdo, mesmo. Fico desapontado. Mas não me surpreende, porque eu conheço o delegado Oliveira e sei do que ele é capaz”, desabafou Diógenes.

Opiniões contrárias

Opiniões contrárias são comuns neste caso. Desde a data do crime, as autoridades vêm divergindo em suas conclusões. O perito criminal, Artur Drischel, que fez o exame do local, não acredita que o corpo encontrado e apresentado seja o de Evandro.

“Em função da data de morte, até a data do achado do cadáver, as marcas da cronotanatognose não correspondiam perfeitamente a este tempo, o que sugere que o corpo tenha sido congelado. Então, no meu conceito, na minha forma de visualizar o caso, provavelmente, o corpo examinado não é o de Evandro Ramos Caetano,” atestou o perito.

Já o governador do estado do Paraná, na época, Roberto Requião, convocou uma entrevista coletiva no Palácio Iguaçu, para anunciar que o corpo era de Evandro:

“Hoje (1992) o exame de DNA confirma que o cadáver encontrado é do menino Evandro Caetano, e põe fim a discussão quanto a materialidade do crime. E é preciso que a sociedade não seja mais iludida, porque isto não é discussão, isto não é abertura democrática, para colocação de opiniões contraditórias. É uma tentativa articulada para libertar, para tirar da prisão, os responsáveis por esse crime hediondo. A materialidade está comprovada”, disse Requião.

Novo julgamento

Na próxima sexta-feira (27) uma nova página deste caso será escrita. Beatriz Abagge (47) estará sentada no banco dos réus. Sobre o que pode acontecer neste julgamento, Diógenes Caetano, prefere não arriscar:

“Se tratando de júri, tudo é possível, porque a gente não sabe o que passa na cabeça deles. Eles tiveram 19 anos de lavagem cerebral, feita pela Revista Isto É, pela Rede Paranaense de Comunicação. Teve aquela farsa, aquela montagem, do Diogo Moreira Alves, que trouxeram lá de Manaus, dizendo que era o Leandro Bossi. Então, a opinião pública está mudada. Mas mesmo assim eu tenho esperança que eles sejam condenados. Eu acho que a justiça vai prevalecer, que isso aí vai se encerrar e ninguém mais vai falar que eles são inocentes”, afirma Diógenes.


4 comentários

  1. Atento
    terça-feira, 24 de maio de 2011 – 16:16 hs

    Falou e disse…nada a acrescentar, só uma “coisinha”: ele hoje faz parte da direção da Polícia.

  2. Pedro Rocha
    terça-feira, 24 de maio de 2011 – 18:18 hs

    Qualquer mentecapto que estivesse sendo acusado de uma barbaridade dessas, mesmo sob a pior das torturas e coação, ao se deparar com câmeras de TV e microfones numa audiência pública, abriria o berro: “Socorro! Sou inocente. Confessei sob tortura! Não tenho nada a ver com esse bárbaro crime! etc etc etc…
    As duas tiveram essa oportunidade; lembro bem, nada fizeram, e em suas respostas, no mínimo admitiam o crime como fato consumado por elas mesmas!
    O resto? Sei lá!

  3. Joao
    quarta-feira, 25 de maio de 2011 – 11:29 hs

    Pedro, elas sempre berraram a imprensa que foram torturadas e como todas as pessoas inocentes nunca se calaram de tal fato. Por esse motivo eh q nunca foram condenadas e o caso está repercutindo até hj

  4. verusca
    sexta-feira, 27 de maio de 2011 – 23:32 hs

    ELAS SÃO ASSASSINAS. TÁ NA CARA.
    DESEJO O MESMO PARA ELAS, O MESMO QUE FIZERAM COM EVANDRO.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*