Bigorrilho terá túnel-piscinão contra enchentes | Fábio Campana

Bigorrilho terá túnel-piscinão contra enchentes

A prefeitura de Curitiba está construindo um túnel de 12 metros de profundidade por 354 metros de comprimento para acabar com os alagamentos no Bigorrilho. A nova rede de canalização vai desviar o leito do rio Caranguejinho, passando por baixo de ruas e prédios da região. O novo túnel, com placas de 2,4 metros de diâmetro, está sendo construído entre a Avenida Padre Anchieta e ruas do entorno. O investimento é de R$ 2,1 milhões.

“Esta é uma obra diferenciada que usa tecnologia do Japão e da Austrália para solucionar os pontos de alagamentos, com sistema de controle de cheias subterrâneo. Tudo é feito embaixo da terra, sem causar impacto em ruas movimentadas”, explica o prefeito Luciano Ducci. O novo sistema de drenagem tem baixo impacto na estrutura viária porque usa técnicas de escavação similares a de um metrô. Além disso, transforma a galeria pluvial em um grande “piscinão” subterrâneo, que retém a água evitando alagamentos na região.


4 comentários

  1. Zangado
    quinta-feira, 26 de maio de 2011 – 18:01 hs

    É Curitiba agora cavando buracos para não se afogar, mas continua crescendo do modo errado. aterrando nascentes, córregos e riachos, sem que haja a mais mínima contestação a este procedimento totalmente errôneo, para nção dizer ilegal, à vista inclusive do código florestal, atual fonte de polemização nacional.

    Se na área rural querem reduzir com as áreas de proteção e de reserva legal, nas áreas urbanas procedem os aterramentos em benefício da especulação imobiliária e em detrimento da qualidade de vida.

    Considere-se a gravidade desse fato pois a tendência é a urbanização crescente mas sem áreas verdes e rede hídrica conservadas. Na passagem do rural para o urbano, preda-se o verde e a água, e cresce a selva de pedra.

  2. SEPULVIDA
    sexta-feira, 27 de maio de 2011 – 1:39 hs

    MAIS UMA VEZ OS NOSSOS ILUMINADOS GESTORES TRANSFERINDO AS ENCHENTES! ESTAS ÁGUAS IRÃO PARA ALGUM LUGAR CAUSANDO PROBLEMAS MAIORES! OU SEJA VARRE-SE A POLUIÇÃO DIFUSA PARA BAIXO DO TAPETE… É MUITO MAIS CÔMODO!

  3. Parreiras Rodrigues
    sexta-feira, 27 de maio de 2011 – 10:36 hs

    Zangado tem razão.

    E correta a comparação com o que se faz no campo.

    Ninguém quer criminalizar o agricultor, pelo contrário, a ele, toda honra e glória e os reconhecimentos dos citadinos pelo seu trabalho, o de abastecer as mesas do mundo inteiro.

    Na cidade, muitos moradores que reclamam das enchentes são os mesmos que jogam bituca de cigarro, embalagem de sanduíche, garrafas plásticas, geladeiras, pneus e colchões nos mananciais.

    E agricultor consciente da sua ligação umbilical com a terra, não desmata criminosamente, não ateia fogo no campo, respeita a mata ciliar, usa os químicos conforme recomendações técnicas.

    O resto é ganância…

  4. Mendes
    sexta-feira, 18 de novembro de 2011 – 10:48 hs

    Pois é, e o pior, este tunel não vai resolver o problema, e la no nossa curso de engenharia civil é considerado uma piada pelos alunos e educadores. E estou falando de uma das melhores universidades do estado. Como pode uma cidade escolher um projeto destes e ainda dizer que será de muita utilidade.

    Zangado, Parreira e Supulveda estão corretissimos em seus pensamentos, não adianta nada tentar jogar o problema para baixo do tapete e fechar os olhos. Este tipo de obra é usado em paises mais desenvolvidos, como o Japão e se mostra muito funcional, mas com projeto extremamente diferente, esta ideia que tiveram e estão fazendo em Curitiba é uma “copia de pobre” dela.

    Vamos ver em breve no noticiario alguem dizendo que não adiantou ou o problema se agravou.

    Nosso pais precisa é de gente formada em area tecnica para admnistrar setores assim, não são areas para politicos quase analfabetos que nem sabem o que estão fazendo, infelizmente, é o povão que decide isso. O que mais me deixa indgnado é, poderiamos mudar este cenario se quisemos, mas ai a discussão fica pra outro topico..rs..

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*