Aldo rebate acusações de Marina Silva | Fábio Campana

Aldo rebate acusações de Marina Silva

A discussão sobre o Código Florestal provocou um entrevero entre a ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva e o relator do texto, Aldo Rebelo (PCdoB-SP).

Aldo se sentiu insultado com a mensagem que Marina havia postado no Twitter: “Estou no plenário da Câmara. Aldo Rebelo apresentou um novo texto, com novas pegadinhas, minutos antes da votação. Como pode ser votado?!”.

Ele, então, aproveitou a acusação feita na tribuna pelo líder do PT, Paulo Teixeira (SP), de que fraudara o texto que havia acordado, para responder à ex-ministra, que acompanhava no plenário: “A fala infeliz do deputado Paulo Teixeira deu razão para a ex-senadora Marina Silva, que postou em seu Twitter que eu fraudei o texto. Quem fraudou, quem contrabandeou madeira, foi o marido da senadora”, disse Aldo, complementando que à época era líder do governo e atuou para impedir que o marido de Marina fosse depor na Câmara.


3 comentários

  1. Borduna
    domingo, 15 de maio de 2011 – 18:18 hs

    Aldo Rebelo (PCdoB) um “comunista” fazendo o jogo dos ruralistas e das multinacionais do agronegócio, DO CAPITALISMO ENFIM. Quem diria que um dia veriamos isso…. por causa de comunistas assim a URSS acabou. AGORA SÓ FALTA CUBA E A COREIA DO NORTE. Depois o próprio Aldo pelo voto popular.

  2. Zangado
    domingo, 15 de maio de 2011 – 18:52 hs

    Esse deputado Aldo Rabelo é especialista somente numa coisa: criar desarranjo ! Deve sofrer de amebíase, proprio das amebas.

  3. Parreiras Rodrigues
    segunda-feira, 16 de maio de 2011 – 7:59 hs

    Como Mercadante que fez que renunciou, mas (des)renunciou, Aldo Rebelo perde referência como socialista. É agora agronegocista. Deve estar na folha da usquarna, da istil, sim, as que disputam o mercado de motoserras. Aqui no Paraná, é acolitado por um deputado que tem ojeriza à arvore. Deve ter caído de balanço pendurado nalguma quando criança.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*