Vem aí a nova Cândido de Abreu | Fábio Campana

Vem aí a nova Cândido
de Abreu

A Comissão de Urbanismo e Obras Públicas da Câmara de Vereadores de Curitiba aprovou o projeto da Nova Cândido de Abreu. “Aprovamos o projeto que vai melhorar a circulação de pedestres na cidade. Ele cria uma área de calçada pública grande que pode fazer da Cândido de Abreu a nossa Avenida Paulista, porque é uma via que já nasceu com a vocação de ser uma avenida de grande importância para Curitiba”, disse o presidente da comissão, Jonny Stica (PT).

O vereador disse também que o que poderia ser questionado, como a diminuição do espaço para os carros, não vai acontecer porque há cinco vias para os veículos e não haverá grandes mudanças na configuração do trânsito. “É uma intervenção positiva que vem ao encontro dos eventos como a Copa do Mundo e uma inovação para Curitiba de forma que a cidade não perca esta marca de planejamento”, acrescentou.

Calçadão – A Cândido de Abreu contará com um calçadão central com 870 metros de extensão e 18 metros de largura, desde a Praça 19 de Dezembro até a Nossa Senhora da Salete. “Trata-se de um projeto ousado, uma inovação que vai proporcionar uma mudança significativa naquela região da cidade”, afirmou Jonny Stica.

O arquiteto Reginaldo Reinert, responsável pelo projeto, lembrou que a tônica de dar prioridade aos pedestres atende o que prevê o Plano Diretor de Curitiba e segue um processo atual iniciado com a revitalização do Paço Municipal, na Praça Generoso Marques e da Rua Riachuelo que garantem a mobilidade segura dos curitibanos.

“Projetos focados exclusivamente no uso de automóveis são imediatistas e de pouca durabilidade. Na Cândido de Abreu vamos melhorar a qualidade da circulação dos pedestres e ao mesmo tempo atender ao transporte coletivo e ao sistema viário”, afirmou Reinert.

O arquiteto explicou que haverá pista exclusiva, paralela ao calçadão, e quatro estações-tubo para os ônibus ligeirinhos das linhas que atendem a região Santa Cândida-Pinheirinho; Boqueirão-Centro Cívico, Aeroporto, Barreirinha-São José, Colombo-CIC e Fazendinha-Tamandaré.

Hoje a avenida tem quatro faixas no sentido bairro-centro (Palácio Iguaçu – Praça Tiradentes) e três faixas no sentido oposto, sendo uma das marginais ociosa do ponto de vista do tráfego, nas quais os automóveis e ônibus compartilham o espaço.

Com o novo projeto serão cinco pistas no sentido Praça Tiradentes, sendo uma de uso exclusivo dos ônibus, e duas na ligação da Tiradentes ao Palácio Iguaçu. Nos cruzamentos em que os veículos cruzam do calçadão a passagem será elevada de forma a reduzir a velocidade, a exemplo do que é feito hoje na Praça do Batel.

Ponto de encontro – Na opinião de Reginaldo Reinert, a exemplo do que ocorreu a partir do fechamento da Rua XV de Novembro aos automóveis, a transformação da Cândido de Abreu num espaço que dá prioridade à circulação de pedestres vai mudar a percepção dos cidadãos no que diz respeito à mobilidade e ao mesmo tempo reforçar o sentimento de pertencer à cidade.

“Muita gente hoje só enxerga o Palácio Iguaçu pelo retrovisor e o marco de Nossa Senhora da Luz quando fecha o semáforo. São referências importantes da cidade que poderão ser contempladas a partir do calçadão. Há também quem ache longe seguir a pé do Palácio à Praça Tiradentes e ao mesmo tempo perto ir da Osório a Santos Andrade. A distância é praticamente a mesma, a questão está na percepção de quem circula em uma via esclusiva para pedestres, que é o caso da XV ou está dentro de um carro, caso hoje da Cândido de Abreu”, disse Reinert.

Custo – O custo total da obra, que deve começar no segundo semestre, será de R$ 18 milhões, valores que estão gestionados pela Prefeitura de Curitiba. Parte do investimento, R$ 4,9 milhões, está no PAC da Copa. A avenida terá um calçadão central com 870 metros de extensão e 18 metros de largura, desde a Praça 19 de Dezembro até a Nossa Senhora da Salete.

Será a primeira rua da cidade com WiFi (internet gratuita) e flexibilizada no que diz respeito ao mobiliário urbano com pontos de encontro para os pedestres. Outros destaques da nova Cândido de Abreu serão a Iluminação e comunicação visual diferenciadas.
Também participaram da apresentação os vereadores Julieta Reis, Caíque Ferrante, Jairo Marcelino, Beto Moraes e Felipe Braga Cortes.


16 comentários

  1. Roque
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 12:27 hs

    Como eu disse outro dia: reforminha pintada como se fosse uma GRANDE OBRA DE INFRAESTRUTURA.
    É quem não tem talento tentando aparecer com bobagens.
    Pode fazer a reforminha, mas não fique pintando como se fosse grande coisa.
    Saudades do Lerner.

  2. Angus Young!
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 13:38 hs

    Basta saber se realmente o pedestre será contemplado e tb a otimização de ciclofaixas haja visto que o fluxo de bicicletas nesta região é grande ,seja como lazer ou meio de transporte alternativo que deveria ser mais incentivado pelo poder público e iniciativas privadas “cada bike na rua representa menos um carro no congestionamento”

  3. Michel Fernadez
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 13:48 hs

    ROQUE: Saudades do Lerner? Vai lá e dê melzinho na chupeta pra ele então….

    Largue mão de falar besteira e pense no Centro Cívico como um marco na nossa história. Acho que é o único centro – cívico do Brasil….

  4. Tiago
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 13:56 hs

    Eu só confio na opinião do Jaime Lerner! E pelo que saiba ele ainda não se manifestou… portanto ainda sou contra esta obra!

  5. quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 14:02 hs

    Nossa tantos problemas que poderião ser solucionados em Curitiba com o investimento FAKE desta reforminha do calçadão da Candido de Abreu, um deles seria melhorar o trafego de dados e imagens da cidade criando um anel de fibra optica para unir as regionais, esse seria um dos muitos investimentos que poderia melhorar a gestão publica da capital. Bom so nos resta acompanhar os gastos tendo em vista que tem eleições chegando né?

  6. Rogerio Dumke
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 14:09 hs

    E adivinhem…
    Falam, falam, falam e NADA de olhar para as bicicletad.
    Para mim Obra e Futuro é olhar para a rua pensando em bicicleta.

  7. Platão
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 14:36 hs

    Meu Senhor….imagina o transito!!! se com 10 pistas fica tudo parado….com 5 entao…. tamo fu…

  8. Pia Curitibano
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 14:42 hs

    Uma obra desnecessária, criará dificuldades para a população que depende do fluxo daquela via para onibus e comércio.Passa a impressão que o prefeito está sendo levado por interesses de empreiteiros e visionários.

  9. Rodrigo
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 15:09 hs

    Um petista aprovando projeto da prefeitura de Curitiba? Aiaiai, alguma coisa tá errada…

  10. Bicicleteiro!
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 15:33 hs

    Como falou ai em cima o caro guitarrista do ACDC …
    Vai ter ciclofaixas ….!!???

  11. DUCCI FREE.......
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 15:43 hs

    Que horror…….tanto coisa melhor e necessária a ser feita nesta cidade e vão “detonar” o trânsito durante e depois da obra.

    Se tem que gastar este dinehiro, que seja em algo mais útil.

    Lembram da Rua 24 horas?? Pois é……vai ser mais lugar para concentrar “desocupados”.

    Seria melhor fazer um trabalho educativo aos carrinheiros que andam como se fossem donos da ruas, sem sofrerem qq tipo de punição. Poderiam padronizar os seus carrinhos, demarcar ruas de acesso e não acesso ao trânsito dos mesmos…etc etc Não se questiona que o trabalho deles é um trabalho necessário, de valor pra sociedade e para o sustento dos mesmos. Ocorre que precisa ser disciplinado.

    Este dinheiro seria muito mais bem empregado e NÂO SERIA NECESSÁRIO UTILIZAR UM VALOR exorbitante que será gasto nesta “coisa”.

    Alguém deve sair “ganhando” com isso que NÃO É O POVO. A pesquisa feita pela RPC apresentou um índice de reprovação de 2/3 dos participantes. Será que todos estes estão errados ou é o Prefeito e sua equipe????

  12. desabafo de um curitibano
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 15:56 hs

    É uma comedia será que a prefeitura vai devolver o estacionamento da praça que hoje serve como estacionamento particular dos funcionarios do tribunal de justiça, acho que não, o povo não precisa de estacinamento e quem usufrui da praça pode pagar para parar em estacionamento particular e pagar 4 reais a hora, viva o prefeito sem carisma, viava o prefeito mais fraco que curitiba ja teve, viva viva aos que detem o poder e mandam e desmanadam em curitiba, viva viva.
    NÂO vejo a hora da entrada de um prefeito com real poder de decisão que não sucumba aos poderosos minha esperança ja acabou faz algum tempo. espero que com a chegada de um novo prefeito as coisas melhorem. Pois quem tem um governador que vai reformar a baixada com dinheiro publico, foi para mim o fim da picada, viva vamos a baixada hoje ajudar as pessoas que precisam de ajuda, pois eles merecem a nosso ajuda. MAS não seria melhor investido os 10 milhoes que vai para a reforma da baixada em infra para as pessoas que realmente nessecitam como o litoral paranaense que ñ ve investimentos, a mais de 8 anos, é logico que quando chover vai continuar tendo enchentes, pois o novo governador que entrou ñ mudou em nada e so fala mau do que saiu, e pior dando dinheiro publico para reforma de estadio, aja paciencia pois o governador eo prefeito incompetente vão continuar brincando com dinheiro publico que é meu, teu, nosso, pois todo mês vem decontado na folha de pagamento´imposto de renda, quando compramos algum, objeto,seja duralvel, ou alimenticio, la tem varios impostos, vamos acabar com essa hiprocresia, vamos fazer o certo trabalhem por aqueles que mais necessitam o povo pois esse continua sofrendo, seja com requião, seja com beto richa. basta vamos acordar curitiba.

  13. Luiz
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 16:37 hs

    Mais congestionamento!!! precisa alargar mais as ruas para facilitar o fluxo, fazer ciclovias interligadas e mais atenção aos bairros Prefeito Dutti, só isso sem inventar moda para inglês ver!!!

  14. tony
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 20:20 hs

    Estou com pena do vereador pestista, ele deve desconhecer a crítica que um professor da UFPR fez ao tal projeto. E baseou-a em argumentos bem convincentes. Talvez o moço siga a linha sempre defendida pelo sacrossanto IPPUC, o que eles decidem que é bom, é bom. E ponto final. Tony

  15. Deutsch
    quinta-feira, 7 de abril de 2011 – 21:10 hs

    Tewnho medo dessas obras dos planejadores de curitiba. Não conseguem nem fazer com que os terminais sejam bonitos, e não esse imensos chiqueirões que estão por aí, porque quando se passa por eles, nota-se a clara falta de modernidade nos equipamentos.São do mesmo jeito há mais de 30 anos e não vejo como se orgulhar desses “troços” plantados na cidade. Será não tá hora de “importar” arquitetos com melhor qualificação, com inovações? Até quando o provincianismo vai imperar nessa cidade?
    Realmente não entendo a falta de criatividade na criação de obras que visulamente sejam mais agradáveis aos nossos olhos.

  16. Milton Santos
    sexta-feira, 8 de abril de 2011 – 1:01 hs

    ENTÃO QUE VENHA OS ENGARRAFAMENTOS NO CENTRO DE CURITIBA.
    FAZER O QUE NÉ

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*