Ônibus ligeirão começa a circular no sábado | Fábio Campana

Ônibus ligeirão começa a circular no sábado

do Portal G1

Dez ônibus do modelo ligeirão azul, vão entrar em circulação na linha Boqueirão e Pinheirinho/ Praça Carlos Gomes no próximo sábado (16), em Curitiba. Segundo a prefeitura da capital, os veículos vão substituir outros dez ônibus que faziam a mesma linha. Ainda segundo a prefeitura, alguns veículos estão circulando esta semana, mas trafegam sem passageiros porque estão em fase de treinamento com os motoristas.

O ligeirão azul é considerado o maior ônibus do mundo e tem 28 metros de comprimento, 2,5 metros de largura e capacidade para transportar 250 passageiros. O veículo tem tecnologia que permite a abertura dos semáforos e poderá oferecer viagens mais rápidas. Os veículos rodam com biocombustível à base de soja. A assessoria de imprensa da Urbanização de Curitiba S/A (Urbs) estima que até 2014, 10% da frota da capital seja abastecida com este tipo de combustível.

Ligeirão Boqueirão
Liga o Terminal Boqueirão à Estação Praça Carlos Gomes, no Centro da cidade, fazendo além do ponto de chegada e saída, mais três paradas: nos terminais Carmo e Hauer e na Estação UTFPR. O tempo de viagem é de 20 minutos, com intervalo, entre os ônibus de cinco minutos.

Linha Pinheirinho/Carlos Gomes
Faz a ligação entre o Terminal Pinheirinho e a Estação Lourenço Pinto, no Centro, com cinco paradas na Linha Verde e duas na Marechal Floriano Peixoto. O tempo de viagem é de 25 minutos, com intervalo de quatro minutos.


6 comentários

  1. claudemir
    quarta-feira, 13 de abril de 2011 – 16:07 hs

    PARABENS PARA NÓS CURITIBANOS

  2. Jeferson
    quarta-feira, 13 de abril de 2011 – 16:17 hs

    Belíssimo projeto! Sustentabilidade aliada à mobilidade urbana.

    É o que se tem de mais moderno.

  3. CAÇADOR DE PETISTAS
    quarta-feira, 13 de abril de 2011 – 21:53 hs

    Muito bem este é o bom exemplo de transporte seguro, e econômico. Ao contrário do que aprovarm no Senado, a contrução do trem bala que vai ligar três cidades, Rio de Janeiro, Campinas e São Paulo, a um custo brutal de R$ 53.000.000,00 por enquanto (pois é evidente que surgirão obstáculos que terão que ser superados) deixando o resto do Brasil sem estradas, sem escolas, sem saneamento, sem comunicação, com falta de energia, sem segurança, sem hospitais, sem transportes, com dezenas de milhares de Km. de estradas (estradas???), que jamais oferecem segurança e economia, enfim, serão beneficiadas três cidades, cujas populações se somadas, não passam de 35 milhões de habitantes , contra 160 milhões de brasileiros que continuarão penando. Por outro lado, por mais incrível que pareça, a população que continuará sofrendo e penando, é justamente aquela que mais contribui para a vida dos brasileiros. Vejamos: a agropecuária, a soja, o açucar, o milho, o alcool, o algodão, o arroz, o leite, a madeira, e etc. etc. etc., continuarão com as mesmas dificuldades. Por outro lado, quem desejar ir passear no Rio de Janeiro, irá de TAV. Isso é que é visão.

    LULA, você será lembrado pelos próximos 200 anos. O vagabundo que quebrou o Brasil.

  4. Juarez Silva
    quinta-feira, 14 de abril de 2011 – 7:58 hs

    Todas as ideias e projetos são válidos quando atendem às diretrizes de sustentabilidade. Neste caso citarei 3 esferas importantes:

    – A questão do ônibus coletivo, onde as canaletas e estrutura de abertura de sinais dão preferência ao transporte coletivo. Este deve se sobrepor ao individual;

    – Combustível alternativo: Tecnologia menos impactante e agressiva ao meio ambiente;

    -Reestruturação do sistema de transporte com foco na busca de financiamentos: O nosso transporte ainda precisa de mais reestruturação, pois a região metropolitana é muito dependente do sistema da capital. Por isso nos picos existe um aperto geral. Para essa reestruturação acontecer, é preciso ter bons projetos e capacidade de financiamento;

    Parabéns aos nossos técnicos municiapais;

  5. M,P ,P
    quinta-feira, 14 de abril de 2011 – 8:40 hs

    Só tenho que desejar boa sorte.Parabéns Curitiba.

  6. olhar agudo
    quinta-feira, 14 de abril de 2011 – 10:42 hs

    Motoristas das empresas de~ônibus afirmam que este bi-combustível, necessita de mais combustível fóssil para explosão no motor e consequentemente gasta mais óleo diesel, E não tem bom desempenho, Culminando num maior gasto. ??
    Técnicamente sou leigo, apenas estou ‘ânimus narrandi’.
    Com a palavra algum especialista. Especialista sem vínculo com ninguém, ou seja, isento de politicagem e, que esclareça a população.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*