IML comete crime, aponta OAB | Fábio Campana

IML comete crime, aponta OAB

De Aline Peres da Gazeta do Povo

Quinze dias após vistoriar a sede do Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba, a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, da seção paranaense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PR), constatou que o órgão incorre no crime de vilipêndio de cadáver – quando os corpos são aviltados, profanados, desrespeitados e ultrajados. Ontem, a comissão divulgou o relatório sobre a visita ao IML feita no dia 17 de março, quando foram encontrados corpos empilhados no órgão e foi constatado que os funcionários estão expostos a riscos de contaminação por radioatividade.

O documento emitido ontem faz oito sugestões para a solução dos problemas. Entre elas estão o levantamento do quadro de funcionários, a possibilidade da construção de uma nova sede e a compra de equipamentos e viaturas. A OAB aguarda os laudos feitos pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente, a Vigilância Sanitária e a Sanepar, que também participaram da vistoria. Além de corpos em excesso e risco para os funcionários, a equipe de fiscalização constatou que há o despejo incorreto de líquidos na rede de esgoto e equipamentos quebrados, o que impossibilita a conclusão de exames e laudos.

“O pedido feito pela OAB busca o respeito à dignidade dos vivos e dos mortos”, diz a vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-PR, Isabel Kluger Mendes. Ela lembra que o artigo 212 do Código Penal Brasileiro prevê uma pena de um a três anos de prisão e multa para o crime de vilipêndio de cadáver.

Na próxima semana haverá uma nova reunião com o diretor-geral do IML, Porcídio D’Otaviano de Castro Vilani, para que ele apresente um laudo sobre as irregularidades. O documento foi prometido na primeira visita. Ele também deverá relatar as providências que estão sendo tomadas para solucionar os problemas – no dia 21 de março, o secretário de estado da Segu­rança Pública (Sesp), Reinaldo de Al­­meida César, anunciou um “pacote de medidas emergenciais” para o órgão.

A comissão quer que a Casa Civil do governo do estado, a Secretaria de Estado da Segu­­rança Pública, o Ministério Pú­­bli­­co do Paraná (MP-PR), a Se­­cretaria de Estado de Justiça, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, a Vigilância Sanitária e a Sanepar também avaliem o relatório. Ontem à tarde, somente o MP-PR confirmou ter recebido o documento. O diretor-geral do IML não foi localizado para comentar o assunto.

Reivindicações

Para solucionar a falta de profissionais no IML e tratar das adequações salariais e do pagamento de insalubridade, a Associação Nacional dos Médicos Legistas sugere a retomada das discussões do Projeto de Lei 420/2010, que aguarda parecer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Assembleia Legislativa do Paraná. O documento adequa o tempo de progressão de carreira no quadro da categoria. Pela lei que está em vigor atualmente (14.678/05), um médico legista pode levar até 60 anos para sair da menor classe e chegar ao topo da carreira.

O auxiliar de necropsia Marcos Ferreira, ex-funcionário do IML de Curitiba, diz nunca ter recebido o adicional de insalubridade, apesar de ter ficado exposto a condições que colocam a saúde em risco. “Somente quem está atrelado a área de saúde recebe. Nós, que somos pagos pela Secretaria de Segurança Pública, não”, afirma. Outra irregularidade apontada por ele é em relação ao horário de trabalho. As escalas são de dois plantões semanais de 24 horas. No seu contracheque sempre apareciam 40 horas semanais, mas eram feitas 48 horas.

Se­­gundo Ferreira, essas horas se devem à falta de funcionários. Foram feitos concursos para auxiliares de necropsia em 2002 e em 2006, mas os aprovados não foram nomeados. Ferreira pediu a exoneração.

Cadáveres só são liberados pela Justiça

Em resposta à possibilidade de acúmulo de corpos devido à morosidade da Justiça, identificado na vistoria da Comissão de Direitos Humanos da OAB-PR, a Vara de Inquéritos Policiais (VIP), presidida pelo juiz Pedro Luís Samsung Corta, informou por e-mail que a responsabilidade de liberação dos corpos é da VIP e que existe uma tramitação a ser seguida. Quando a documentação está correta o prazo de emissão leva no máximo 48 horas. Os pedidos encaminhados pelo IML são de mortes ocorridas sem prontuário médico, sem identificação ou causadas por mortes violentas. “Toda a burocracia é relativa ao interesse por parte da Dele­gacia de Homicídios em realizar perícias e análises”, diz o texto. Quando um familiar quer ingressar com pedido no Foro Criminal, deve estar acompanhado de um advogado ou procurar a Defensoria Pública do Estado. Para dar andamento ao pedido, a DH e o IML devem enviar informações de que não é necessário a manutenção do corpo.


3 comentários

  1. Como está em Florianópolis ?
    sábado, 2 de abril de 2011 – 18:46 hs

    As leis são as mesmas.
    Como está a situação em São Paulo, em Porto Alegre, etc. ?

    Obs. Estamos em abril de 2011.

  2. Gastão
    domingo, 3 de abril de 2011 – 0:37 hs

    SO UMA PERGUNTA:::::

    ================POR QUE ESTA VISTÓRIA NÃO FOI REALIZADA NO GOVERNO PASSADO???

    ================COM A PALAVRA A EX-ASSESSORA DO
    VER. ALGACY TULIO.

  3. Policial
    segunda-feira, 4 de abril de 2011 – 11:20 hs

    Vilipendio de cadaver, isso é o de menos que acontece nos IML do Paraná, so em Foz do Iguaçu dois funcionarios do IML foram presos, em 1 ano, furto das vitimas é praxe nos IML´s, também se forem ver quantos funcionários tercerizados ha no IML, sem falar em alguns cargos de CC, que no interior são considerados como Diretores locais do IML, em poucos meses, o diretor adquiri bens, residencias, terrenos, veiculos ganhando meramente R$ 1.000.00.
    Como ja disse vilipendio de cadaver é pouco, vamos entrar na questão ambiental, em quais IML´s do Estado existe a destinação correta para coleta de residuos.
    Em foz como em todo estado é jogado em fossas comuns, contaminando os lençois freaticos.
    Na verdade esses pseudos “Diretores” estão ali para servir de cabos eleitorais de politicos ou de pretedentes a cargo publico.
    Que o Exceletissimo Governador requeira uma investigação de fato sobre o IML e sobre os bens dos seus diretores, uma força tarefa do Ministério Público e da banda boa da Polícia Civil, que não compactua com essa situação.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*