Fábio Camargo faz acusações contra juízes e síndicos de falências | Fábio Campana

Fábio Camargo faz acusações contra juízes e síndicos de falências

Roger Pereira do Estado do Paraná

Desta vez, ele cumpriu o prometido. O deputado Fábio Camargo (PTB) usou a tribuna da Assembleia Legislativa na sessão desta segunda-feira e apresentou um resumo dos depoimentos colhidos durante a CPI das Falências, que teve seus trabalhos suspensos por uma liminar do Tribunal de Justiça em favor da Associação dos Magistrados do Paraná.

O deputado denunciou um esquema nos processos de falências e concordatas envolvendo a família Simão (Rubens Simão e seus filhos Marcelo Simão e Fabio Simão), que gerenciam mais de R$ 15 bilhões em falências, e os juízes da 1ª Vara de Fazenda Pública de Curitiba, Marcel Rotoli de Macedo, filho do ex-presidente do Tribunal de Justiça do Paraná, Celso Rotoli de Macedo, cuja influência era utilizada, segundo Camargo, em favor do esquema, de seu substituto Augusto Gluszcszak Júnior e Anderson Fogaça, substituto da 4ª Vara de Fazenda.

“A liminar me proibiu de continuar com as investigações, mas não me proíbe de contar o que já descobrimos até agora”, disse o deputado. “Estávamos fazendo um trabalho discreto, repassando as informações apuradas a quem podia tomar as decisões, o presidente do TJ, Miguel Kfouri Neto, numa clara demonstração de respeito ao Judiciário, mas veio essa liminar, num momento crucial da investigação, em que chegamos ao nome de quem orquestrava tudo, então, impedidos de continuar, temos o dever de compartilhar essa informação”, declarou antes de apresentar uma sequência de vídeos com depoimentos das quatro reuniões já realizadas pela CPI.

Entre os depoimentos mostrados estavam o de funcionários de empresas que decretaram falência, advogados de alguns credores, administradores de falências que foram substituídos pela família Simão por decisão de Marcel Rotoli de Macedo, além dos advogados de proprietários de empresas falidas.

Nos depoimentos os interrogados citam a família Simão como síndicos das falências, mas, em muitos casos, eles sequer visitavam as empresas que administravam. O administrador de falências Gilmar Longo da Rocha, aparece na gravação dizendo que muitas empresas para as quais foi destacado síndico, possuíam patrimônio superior às dívidas, o que descartava a falência, “mas mesmo assim tiveram a falência decretada, numa manobra para não pagar credores”. Ele disse que assim que descobriu o esquema, determinou o bloqueio dos bens dos bens dos proprietários da empresa “e acabei bloqueando o imóvel de um desembargador, o que fez com que eu fosse afastado”.

Briga de família

Enquanto Camargo foi para cima das famílias Simão e Rotoli de Macedo, circulou pela cidade um dossiê anônimo contra o deputado, insinuando que a CPI proposta e comandada por Camargo tem interesses pessoais. No suposto dossiê, Fábio Camargo é apontado como síndico ou preposto de síndico em processos de falência em trâmite na 4ª Vara de Fazenda Pública de Curitiba, onde a irmã do deputado, Vanessa Camargo é titular. O dossiê insinua que o deputado e sua família têm interesse em atuar nos processo de falência e, que a CPI é uma forma de pressionar e, até, chantagear o Judiciário.

Camargo emitiu nota nesta segunda-feira rechaçando a informação, dizendo que foi indicado como preposto a síndico em processo na 4ª Vara quando sua irmã ainda não era a juíza titular e que desde que sua irmã assumiu a Vara, não atua como síndico em qualquer processo. O deputado disse não ter qualquer interesse pessoal na CPI e disse que as denúncias têm interesse “de desmoralizar, injustamente, meu desempenho junto à CPI”.


24 comentários

  1. ANDRES CANDIA
    segunda-feira, 25 de abril de 2011 – 18:10 hs

    Esses absurdos jurídicos ainda acontecem em nosso meio nos dias de hoje. Cadê o equilibrio da tal BALANCA. Tem de ir, esse deputado, até o fim com as suas investigacoes. Ou tô equivocado?

  2. Alessandro T.
    segunda-feira, 25 de abril de 2011 – 18:40 hs

    Difícil saber o que acontece aí.
    Caberia a um terceiro poder investigar o caso: o Executivo Estadual ou até mesmo Federal, por meio de suas respectivas polícias.
    O que parece é que nunca saberemos um décimo da história.

  3. Guilherme
    segunda-feira, 25 de abril de 2011 – 18:42 hs

    O problema é ‘quem’ está no comando desta CPI.
    O nobre deputado é mais ‘sujo do que pau de galinheiro’, o que inevitavelmente enfraquece a credibilidade da investigação, por mais importante e crucial que ela seja.

  4. CAÇADOR DE PETISTAS
    segunda-feira, 25 de abril de 2011 – 20:31 hs

    NOOOOSAAA, SÉEÉRIOO, ONDEEE, NO BRASILLL?.

  5. elvis
    segunda-feira, 25 de abril de 2011 – 20:34 hs

    o fato do camargo ser sujo não o impede de desvendar a sujeira alheia, ele mostrou onde está a sujeria do judiciário, mas o internauta acima não mostrou onde está a do deputado, assim, sem provas é fácil denunciar

  6. Sergio Silvestre
    segunda-feira, 25 de abril de 2011 – 20:37 hs

    QUA QUA QUA QUA, SES ACHAM QUE É SÓ ISTO,É CHUNCHO QUE NÃO ACABA MAIS,EU NAÕ ACREDITO

  7. Parreiras Rodrigues
    segunda-feira, 25 de abril de 2011 – 21:02 hs

    O Guilherme parte do pressuposto de que um suspeito é impedido de fazer uma denúncia.

    Seguindo a sua linha de pensamento, ninguém tem condições de denunciar ninguém.

  8. segunda-feira, 25 de abril de 2011 – 21:15 hs

    Fábio, aproveite e investigue a mafia dos leiloes!

  9. Renato
    segunda-feira, 25 de abril de 2011 – 21:37 hs

    Olá,

    Sou lesado em uma das falências, talvez a maior de todas, e como ocupava um cargo de alto escalão na empresa, possuo um dossiê com nomes de juízes e promotores envolvidos nas fraudes. Não só o dossiê como também DOCUMENTOS OFICIAIS que comprovam, sem sombra de dúvida, o envolvimento. E em coisas ESCANDALOSAS, muito mais do que tem sido mostrado, e que até mesmo um leigo pode facilmente entender.

    O jornal tem o interesse de publicar?

    O deputado Fábio Camargo tem esse dossiê em mãos, mas, como são muitos processos, ainda não veio à tona.

    Se sim, e se o jornal NÃO FOR um desses que quer tomar partido de ladrões e entrar em negociata com os mesmos, estamos dispostos a colaborar.

    O que tenho em mãos é uma verdadeira BOMBA para o judiciário do Paraná.

    Se tiver interesse, entre em contato por gentileza.

    Grato,
    Renato

  10. segunda-feira, 25 de abril de 2011 – 22:06 hs

    Sou parte de uma ação contra o falido Consorcio Nasser que já dura quase 20 anos, sem que o julgamento final, ocorra pois meu advogado já ganhou a questão em ulltima instancia e esta a quase cinco anos com o processo encalhado na segunda vara da fazenda publica a espera da decisão de bom censo de um juiz que determine a exeução mas e dificl acontecer isto, agora estou entendendo o porque da demora, corrupção entre quem deveria faer cumprir a justiça neste pais so pode ser.

  11. DIVANIR
    segunda-feira, 25 de abril de 2011 – 22:58 hs

    ISTO É O BRASIL. SÓ POBRE VAI PRA CADEIA. OS MAGISTRADOS AINDA PENSAM QUE SÃO DEUSES E OS SENHORES POLÍTICOS LEISLAM EM CAUSA PRÓPRIA. E O POVÃO SÓ SE F…DE. O JEITO É DEIXAR COMO ESTÁ, POIS O POVO SE QUER SE MEXE, POIS OS CARAS PINTADAS NESTE PAÍS SÓ SE MEXERAM CONTRA COLOR PORQUE TINHA POLÍTICOS COM INTERESSE PESSOAL POR TRÁZ DAQUILO TUDO. ENQUANTO ISSO, O POVÃO CONTINUA SEM SABER VOTAR. QUE VERGONHA.

  12. Alaor
    terça-feira, 26 de abril de 2011 – 0:09 hs

    Bom o ligeirinho levantou a lebre, agora resta saber se tem homem de brilho e vergonha na cara isto falando de seus colegas de trabalho a juntaren-se a ele.

  13. Anderson
    terça-feira, 26 de abril de 2011 – 6:49 hs

    O grande problema eh que no Brasil e que sempre alguem se
    manifesta a provar algo contra o judiciario eh taxado de vilao pois
    lembram da CPI do narcotrafico dep Magno Malta mais um pouquinho
    ele era o traficante, porem conduziu de forma brilhante a CPI e
    inumeras inumeros traficantes foram presos parabens dep. Fabio
    Camargo pela iniciativa e o judiciario naum pode ser intocavel.
    Se deve tem que pagar.

  14. Romão Miranda Vidal
    terça-feira, 26 de abril de 2011 – 7:09 hs

    Acredito que o deputado em pauta, está adotando uma postura do tipo de desviar o foco das atenções, em função da sua péssima atuação como parlamentar ou por não ter tido a oportunidade de participar desta possível e até então não comprovada irregularidade.

  15. Patrick R.
    terça-feira, 26 de abril de 2011 – 8:31 hs

    Faltam nomes de vários “primos” do TJ (situação que começou quando alguns nem estavam no Segundo Grau).

  16. Renato
    terça-feira, 26 de abril de 2011 – 8:43 hs

    A investigagação cabe, mas não por quem a faz, interesses pessoalíssimos do nobre deputado o impedem de realizar a investigação sem suspeição.

  17. Gleidison Rodrigues
    terça-feira, 26 de abril de 2011 – 11:28 hs

    O que tinham que investigar é o moinho de farinha do deputado e os galinheiros que ele mantem na cidade!!! Provavel local de destino da farinha produzida!! O que impressiona é a pupulação eleger um trampa desses!!

  18. jc
    terça-feira, 26 de abril de 2011 – 11:30 hs

    Envolvimento. Grande novidade!!

  19. Robston
    terça-feira, 26 de abril de 2011 – 13:50 hs

    A oligaraquia do judiciário e legislativo paranaense é de enojar qualquer um.

    Ambos os poderes são dominados por famíilias tradicionais. O que esperar de uma justiça e de um legislativo assim?

  20. cezar
    terça-feira, 26 de abril de 2011 – 13:54 hs

    EU JOGO A TOALHA N DA P AQUENTAR MAIS. PELO AMOR DE DEUS ACREDITO Q ESTAMOS NO FUNDO DO POÇO OU COMO DIZ O DATENA : ou eu estou errado ?

  21. Marino
    terça-feira, 26 de abril de 2011 – 14:10 hs

    Só dá para confiar, AINDA, no Conselho Nacional da Justiça. Sugiro ao Renato, que encaminhe o dossiê que tem para o Conselho, com aviso de recebimento. O resto, tanto Judiciário, Ministério Público, Assembléia, Tribunal de Contas são todos farinha do mesmo saco, infelizmente. E claro, que existem nas respectivas instituiçoes, muitas exceções, mas com certeza, são vencidas pela maioria.

  22. Diná
    terça-feira, 26 de abril de 2011 – 18:57 hs

    Denúncias contra juízes da 1ª e 4ª VFP? Por coincidência são nessas Varas que estão processos parados de alunos soldados da polícia militar, que estando acima do limite de idade entraram com ajuda de Mandados de Segurança. E os processos de alguns desses caras estão lá, paradinhos, sem nenhuma movimentação desde o ano passado, para que esses possam concluir escola de formação e continuem na corporação com jeitinho. O mesmo não acontece com os processos pelo mesmo motivo, que tramitam na 2ª e 3ª Vara. Por que será?

  23. thais
    quarta-feira, 27 de julho de 2011 – 18:19 hs

    JÁ DENUNCIEI JUIZES INCLUSIVE ENVOLVIMENTO DA FAMILIA MACEDO EM FRAUDE LICITAÇÃO NO CNJ PORÉM NÃO DEU EM NADA.
    A IMPRENSA SÓ DIVULGA DENUNCIAS DE PODEROSOS POIS AS MINHAS DENUNCIAS CONTRA JUIZES SE CALAM.

  24. Luiz m.d.oliveira
    sábado, 17 de setembro de 2011 – 10:23 hs

    tenho vergonha, quando paso em frente um forum, e ter que aceitar que aquilo é feito para se fazer justiça, quando? leilões e vendas de imóveis por merrecas.absurdo é só investigar as fortunas dos síndicos.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*