Duas besteiras | Fábio Campana

Duas besteiras

De Carlos Alberto Pessôa

O velho Eugênio Gudin morreu com mais de 100 anos; é o patrono dos economistas brasileiros e o patrono dos economistas liberais – seu manual de Economia, em dois volumes, ainda pode ser lido com proveito; engenheiro de formação, Gudin não ignorava as belas letras. E escrevia com elegância, clareza, humor. Mas vamos ao que interessa.

Em mais de 60 anos de teimosa pregação, obstinada pregação, mestre Gudin não se conformava com um dos esportes políticos-econômicos mais burros do patropi; exportar impostos! O que torna gravoso nossos produtos, menos competitivos na selva selvagem global.

Ainda sob Lula, o governo federal decidiu taxar as exportações de minério de ferro da Vale do Rio Doce… A justificativa não poderia ser mais nobre – constranger a Vale a se dedicar à siderurgia… empurrá-la para a produção de aço, obviamente de muito maior valor agregado.

Voluntariamente o governo Lula esqueceu do congestionado mercado siderúrgico global e de algumas empresas nacionais com algum treino no ramo, como a nunca assaz louvada Companhia Siderúrgica Nacional, presente norteamericano ao Brasil em troca da nossa entrada (mais do que simbólica) no front europeu da II Grande Guerra.

É claro que a alta direção da Vale do Rio Doce resistiu à excêntrica sugestão do grande acionista. Que continua a insistir nesta explícita besteira; a cabeça do Agnelli rolou também por isso. Torçamos para que a grande empresa se mantenha blindada aos ineptos palpites do governo.


8 comentários

  1. JAMELÃO
    segunda-feira, 4 de abril de 2011 – 13:20 hs

    Sim siga a idéia do nobre, e continue mandando minério pra china e importando dela lamina de estiletes, chave de fenda que aguenta uma virada de rosca, etc, pra vender nas casas china da praça.

  2. Luiz
    segunda-feira, 4 de abril de 2011 – 13:46 hs

    Torçamos para que a grande empresa se mantenha blindada aos ineptos palpites do governo.(do texto acima)

    Com certeza o objetivo é financiar campanhas do PT, corrupção, empreguismo. Quem acreditar em coisa séria reze pra que isto aconteça.

  3. Luis Silva
    segunda-feira, 4 de abril de 2011 – 15:09 hs

    Não tenho dúvida que o mestre está certo. Creio que deveriamos exportar vaca leiteira em vez de leite e queijo, porco em vez de salame e presunto e quem sabe a macieira emm vez de colher a maçã . Realmente…

  4. segunda-feira, 4 de abril de 2011 – 16:09 hs

    Agregar valor aos produtos exportados é a justificativa do governo federal para pressionar a Vale. Bem, não é por decreto que se vende produtos com valor agregado no mercado internacional. Isso requer muita competência mercadológica e PREÇO! No entanto há duas situações a serem consideradas. 1ª as jazidas de minério de ferro são imensamente grandes. Podemos explorá-las pelos próximos 100 anos sem preocupação. 2ª o interesse o governo federal é controlar a Vale para enxertá-la de companheiros do PT, em cargos de remuneração poupuda, e “conduzir” os negócios bilionários da maior empresa brasileira em favor do Politburo. É o mesmo esquema que está “estuprando” a Petrobrás!

  5. antonio francisco da silva
    segunda-feira, 4 de abril de 2011 – 16:45 hs

    Lula já foi “canonizado”pela opinião publica e derrotou os seguidores de gudin três vezes .Ainda acha opouco?

  6. segunda-feira, 4 de abril de 2011 – 16:47 hs

    jamelão&luiz silva:
    há dois pontos no texto:
    exportar impostos – clara estupidez!
    tiro no pé!
    a segunda, obrigar a Vale etc., etc.,;
    governo não tem competência pra dizer à vale o q ela deve fazer ou não;
    temos outras empresas na área siderúrgica – a CSN!
    leiam ricardo sobre vantagens comparativas;
    ah! os delírios autárquicos.

  7. segunda-feira, 4 de abril de 2011 – 19:58 hs

    não houve seguidores de gudin nas eleições vencidas pelo lula;

  8. segunda-feira, 4 de abril de 2011 – 19:58 hs

    e daí?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*