Paraná mais competitivo | Fábio Campana

Paraná mais competitivo

Com o foco na solução imediata de problemas na logística e infraestrutura, o Governo do Estado iniciou nesta sexta-feira (25) as atividades da Câmara de Infraestrutura do programa Paraná Competitivo, que busca aumentar a atração de investimentos empresariais no Estado em relação a mercados nacionais e internacionais.

De acordo com o secretário da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros, a câmara tem o objetivo de buscar soluções de curto prazo para diversos problemas causados pela falta de eficiência em alguns setores da infraestrutura paranaense.

“Os investidores não esperam a execução de grandes obras para decidir para onde vai o empreendimento. Temos que trabalhar em conjunto, otimizando esforços para tornar o Estado eficiente com a infraestrutura que temos”, afirmou.

Hoje cerca de 60 grupos empresariais estão analisando o Paraná como possível destino dos investimentos. “Temos a obrigação de criar um bom ambiente para atrair o máximo desses empreendimentos”, acrescentou Ricardo Barros.

O secretário da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, afirmou que o Governo possui o levantamento das obras necessárias em todos os modais de transporte e trabalha na busca de recursos federais e estaduais para a execução das obras. “Mas enquanto essas obras não saem no papel é essencial trabalharmos para aumentar a eficiência da infraestrutura existente no Paraná”, salientou.

O encontro reuniu mais de 40 representantes dos poderes públicos estadual, federal e municipal; de federações, associações e sindicatos; do setor privado – entre eles concessionárias de pedágio, empresas de telefonia; usuários e outras entidades ligadas ao tema.

Entre os assuntos discutidos estão as filas no Porto de Paranaguá, os problemas de excesso de peso, a falta de união e comunicação entre órgãos, problemas aduaneiros, licenças ambientais, entraves nos aeroportos e portos e dificuldade no transporte ferroviário.

“Iniciamos um bom debate. Agora vamos aprofundar e detalhar os temas nos próximos encontros para buscarmos soluções inteligentes que corrijam em curto prazo diversos problemas e entraves que encarem o custo do setor produtivo paranaense e tornam o estado menos competitivo no âmbito nacional e internacional”, destacou Ricardo Barros.

Também participaram da reunião o secretário de Meio Ambiente, Jonel Iurk, o deputado estadual Professor Lemos.


2 comentários

  1. Ricardo B. Borges
    sábado, 26 de março de 2011 – 12:14 hs

    Não sou especialista, mas a gestão pública dos portos já tem estatísticas de fracasso e ineficiencia que são mais do que suficientes para se alterar o modelo. A atual gestão dos portos paranaenses pode ser boa, mas o escoamento eficiente de parte da produção de um país não pode ficar a mercê de ingerências políticas, que ora são razoáveis e ora são desastrosas.

    Enquanto isso, os tigres asiáticos avançam sem dó, sem falar nos tigres catarinenses, como Itapoá, Navegantes e etc…Acorda, Paraná.

  2. MajorKapp
    segunda-feira, 28 de março de 2011 – 11:05 hs

    Para a região sudoeste o projeto do aeroporto regional de cargas é uma ótima opção para resolver os problemas de logística, e atrair investimentos das indústrias.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*