Ato contra maconha invadido por estudantes pró-liberação em Curitiba | Fábio Campana

Ato contra maconha invadido por estudantes pró-liberação em Curitiba

Os dois grupos conversaram sobre suas opiniões e não houve registro de tumulto


De Fernanda Leitóles da Gazeta do Povo

Uma manifestação contra a legalização da maconha reuniu cerca de cem pessoas na escadaria do prédio histórico da Universidade Federal do Paraná, na Praça Santos Andrade, em Curitiba, na manhã desta quinta-feira (24). Um grupo composto por cerca de 20 pessoas – em sua maioria estudantes universitários -favorável à legalização compareceu ao ato e defendeu o seu posicionamento.


O ato foi organizado pela Comissão Oficial Contra a Legalização da Maconha, da qual fazem parte representantes de vários setores da sociedade civil. Os dois grupos conversaram sobre suas opiniões e não houve registro de tumulto.

Os organizadores da manifestação alertavam a população sobre o efeito das drogas e das consequências que a liberação pode causar.

O grupo favorável à liberação da maconha argumenta que a ação iria minimizar o poder do tráfico de drogas.


23 comentários

  1. Arthur R. Almeida
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 15:09 hs

    Estive no encontro. Foi muito interessante. A chegada da galera do “pró” se reuniu democraticamente com a turma do contra(bem maior, diga-se de passagem). Tudo normal, bateram papo e cada um foi para seu lado.

  2. Ana Trentim
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 15:41 hs

    Todo mundo tem o direito pleno de se manifestar. Na próxima manifestação pró liberação da droga quero ver se vai ter violência se um grupo contrário chegar por lá…. Ah…. será que o grupo a favor vai levar os traficantes juntos?

  3. PAULO
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 15:42 hs

    BACANA!

  4. Míriam
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 16:28 hs

    NUNCA FUI USUÁRIA DE DROGA, MAS SOU A FAVOR DA DESCRIMINALIZAÇÃO DA MACONHA E OUTRAS MAIS.
    SÓ ASSIM CAI O PREÇO E O PODER PARALELO .
    CANSEI DE VER MÃES CHORANDO DESPERADAS E JOVENS COMO JOGUETES NAS MÃOS DOS TRAFICANTES.

  5. Marcão
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 16:49 hs

    Imagino, bateram um papo, enrolaram umzinho, deram um tapinha…

  6. Vlemainski-Cascavel
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 17:12 hs

    Por que não se reunem para discutir algo necessário à vida como moradia, saúde, segurança, etc… Discutir sobre maconha, algo totalmente desnecessário e inútil!!!!!… Por favor, nos poupem…

  7. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 17:23 hs

    Maconha deveria ser comercializada como cachaça em boteco.
    Traficante teria que buscar outra forma de contravenção prá viver ou então se abraçar num trampo legal.

    Liberada, o consumo cairia, porque uma das graças do fumacê é o fumar escondido.

  8. GRUPO REVELAÇÃO
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 17:45 hs

    para Ana Trentim – acorda pro mundo garota de predio.!!!

    Leia as citaçoes abaixo como as da Mirian e Parreiras, droga é droga em qquer lugar. Cigarro e alcool matam tanto ou mais.
    Assunto dlicadissimo pra se tratar num pais desorganizado como o Brasil e desorganizado tambem seu textinho , afinal se houver outra manifestação e for PRO creio q a violencia nao existira e nem traficante tambem, a conversa e o respeito ainda sao imperativos de um saudavel debate.
    ALOHA

  9. Xereta
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 18:56 hs

    Que vergonha! Ainda se intitulam estudantes. O futuro do Brasil. Tenho medo desse futuro. Parece que quanto mais instruídos menos o cerebro raciocina. Alguns anos atras quando não se sabia os efeitos das drogas, nem o mal que causaria a sociedade, ainda era perdoavel um jovem entrar nessa, mas hoje, com tudo que se sabe e que se vê diariamente, por favor. É muita burrice.
    E não é só maconha, cocaína… O que falar do cigarro que causa tantas doenças, é só chegar em universidades e ver os “estudantes” bem informados e futuros profissionais fumando feito chaminés. Vergonha.

  10. Fernando
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 19:12 hs

    Debate é democracia!!! Parabéns ao lado pró e o lado anti! Mas espero que o lado pró ganhe!!!

  11. ▄▀▄†Ψ REQUEIJÃOΨ†▄▀▄™
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 19:15 hs

    Esse que querem proibir são igrejeiros que tem no fundo do quintal uma clinica de saúde para lucrar: querem que sempre exista droga e traficante para sempre lucrem, nunca querem de fato resolver o problema.

  12. VERDADE
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 19:52 hs

    Tô chapado até agora!!!

  13. Marcão
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 19:57 hs

    Mas se vão liberar a maconha, por que querem proibir o cigarro?

  14. jorginho
    quinta-feira, 24 de março de 2011 – 23:02 hs

    …. há se houver a legalização …. como ficariam os poderosos, digo= “políticos” , “grandes ampresários ” , “policiais” , bem como o restanta dessa corja?????
    Sempre serão contra…. pois: qto mais combatido o for …. mais lucro terão……daí viva a ilegalidade….. .

  15. Maria Eduarda
    sexta-feira, 25 de março de 2011 – 9:07 hs

    É pra acabar…

    Por que não usam o poder de de liderar para fazer algo útil a sociedade? E chega desse discurso ridícilo de que “liberando” vai acabar com os traficantes…

    Traficante vai existir sempre minha gente, se libera a maconha eles só vão comercializar crack, cocaina, heroína e as sintéticas. Acorda bando de hipócritas, liberar o uso de qualquer tipo de droga só vai transformar locais públicos, locais de usuários “legalizados” de drogas. O que realmente é necessário neste país, é mudar a lei e meter na cana os usuários, pois sem eles não existiriam os traficantes. Mete na cana essa turma que curte fumar unzinho pra ver se não acaba com toda essa merda.

  16. CAÇADOR DE PETISTAS
    sexta-feira, 25 de março de 2011 – 10:00 hs

    Só, pô, valeu, é isso ai, to ligado.

    A utilização de drogas tipo maconha, cocaina e cachaça é resumida comol falta de vergonha na cara.

  17. Miguel
    sexta-feira, 25 de março de 2011 – 10:39 hs

    Legalizando a maonha poucas coisas se resolveriam.
    O tráfico não iria acabar, ele apenas se reintrpretaria e buscaria outras formas de ação.
    Querer comparar o Brasil com outro países que legalizaram é rídiculo.

    Outra coisa, a legalização não significaria o fim do preconceito contra quem fuma, pois isso é algo que ocorre apenas com o costume, e o costume vem com o passar do tempo.

  18. João Santana
    sexta-feira, 25 de março de 2011 – 17:10 hs

    Sou totalmente contra a liberação da maconha, não estamos aqui para liberar mais drogas, vejam os estragos que a bebida faz, uma droga liberada, que causa danos não somente para quem usa mas sua família, hospitais publicos etc… que gastam uma fortuna por causa das tragedias causadas pela bebida; e ainda querem liberar mais uma?

  19. terça-feira, 29 de março de 2011 – 9:30 hs

    Maconha legal para consumo, agentes do FBI e DEA (Polícia Federal EUA) defendem sua descriminalização.
    São a favor da descriminalização também da maconha, agentes do FBI, DEA (polícia federal norte-americana especializada no combate ao tráfico de drogas internacional), juízes, promotores, policiais e agentes penitenciários dos EUA. Mais de 10.000 homens e mulheres, maioria autoridades (da Lei e especialistas no combate ao tráfico) dos Estados Unidos da América do Norte, se uniram em prol também da descriminalização da maconha em uma organização educativa chamada LEAP (Em português – AGENTES DA LEI CONTRA A PROIBIÇÃO (TAMBÉM DA MACONHA)).
    Porque com suas experiências no combate ao tráfico chegaram a conclusão de que a guerra contra o tráfico é um fracasso, como, mais do que isso, um desastre político. Afirmam inclusive que sabem (e sabem mais do que a maioria, porque investigam e estudam cientificamente a questão, há muito tempo) que pôr fim à proibição das drogas reduzirá mortes, doenças, crimes e dependência. Quatro tipos de danos infinitamente agravados por essa guerra.
    Àqueles que não aderiram ao movimento de alguma outra entidade por falta de afinidade. Ingressem na luta da LEAP e ou de outras mais destas entidades sem fins lucrativos e apartidárias.
    O importante é o nosso engajamento a favor das causas sociais, auxiliando neste caso, também famílias brasileiras que sofrem com os males vindos da proibição do consumo da maconha.
    José Fonte de Santa Ana
    Clique em outros dos tantos post´s sobre o tema neste Blog
    Venda de maconha, legal, bate recorde.
    Maconha como está não é legal. Têm que legalizar!
    Maconha faz bem e o bem, também (III). Quebra dentes vitais…
    Maconha faz bem e o bem, também (II). Abriu perspectia para o tratamento da obesidade.
    Maconha faz bem e o bem, também. Mitos sobre a maconha.
    * conheça o site da LEAP clicando aqui

  20. Neto
    domingo, 10 de abril de 2011 – 13:49 hs

    Maria Eduarda Sua facista! Vivemos em um país democrático e pare de relacionar usuário como criminoso, porque iria preso? porque fumou?. Quem quer a liberação somente deseja fumar em paz. Pessoas tomam caixas de cerveja, fumam maços de cigarro e o usuário de cannabis fica impedido de fumar.Outra coisa, maconha não causa dependência química é psicotrópica é uma planta. Vocês sabem o que ocorre as pessoas que são contra não tem argumentos. São “caixas de ressonância”, reproduzem tud que a midia fala, isto é, fazendo sempres a relação do Cânhamo com o tráfico e com outras Drogas.

  21. irineu jose de castro junior
    sábado, 7 de maio de 2011 – 22:14 hs

    sou a favor da liberação da maconha, os hipogritas do brasil não sabem que a maconha ja existia no brasil desde os tempos dos indios e ate hoje existe. a maconha em muitos paises desenvolvidos ja e usado em tratamento clinico, a respeito das minifestações da legalização da maconha, o brasil e livre a qualquer manifestação paçifica de pensamento e opinião, sabemos que existes drogas legalizadas altamente destrutivas a saude da sociedade, como por exemplos alcool e o fumo e as lideranças politicas fecham os olhos, por causa enfluencia de grandes empresarios.

  22. segunda-feira, 23 de maio de 2011 – 8:10 hs

    Para lidar com o problema das drogas, maconha inclusive, é preciso razão e honestidade. Algumas pessoas se arvoram no direito de determinar o que outras podem ou não fazer, no conhecido processo de impor um comportamento. O que faz uma pessoa pensar que tem o direito de julgar certo ou errado o fato de alguém fumar ou não maconha ou cheirar cocaína, aplicar LSD, tomar ecstasy, etc.? Cada um faz o que quiser da sua vida. Cabe a todos contribuir com o processo de educação que mostre os danos que determinados comportamentos podem acarretar, mas não impor uma regra. Que sejam punidos os excessos na forma da lei. A discussão em torno da liberação da maconha, então, revela um absurdo. Sem querer entrar em detalhes, já está mais do que provado que a maconha faz muito menos mal do que o cigarro e o álcool (em alguns países a maconha é usada de forma terapêutica, em tratamentos médicos…)… então porque as pessoas podem fumar cigarros e beber álcool, mas não podem fumar maconha? A razão responderia essas perguntas com muita facilidade. Mas o problema vai além: é preciso honestidade. Com ou sem proibição, as pessoas usam as drogas, e cria-se o tráfico, que é motivação importante para a indústria de segurança. Trilhões são gastos em nome dessa “segurança”. Pessoas tem que trabalhar milhões de horas para sustentar essa indústria, que até hoje não coibiu um milímetro sequer do uso das drogas… tivéssemos focado esse esforço na educação, teríamos resultados muitíssimos melhores… mas os desonestos não querem saber de educação, querem se locupletar através desse jogo pernicioso de proibir e criar estrutura para manter a proibição. Eles próprios criam o terrorismo e depois alertam o mundo sobre a necessidade de uma estrutura de defesa (oferecida por eles). A proibição das drogas não é razoável nem honesta. Ao longo dos últimos anos, a guerra às drogas teve como resultados concretos o enriquecimento de uma pequena parcela da população, o fortalecimento do narcotráfico e a marginalização de pessoas. Em meio a tudo isso, muita gente, normalmente honesta, não consegue encarar de forma racional as variáveis envolvidas em questões como drogas, aborto, liberdade sexual, etc. Não pensam, apenas vociferam. Reagem com base na repressão que elas próprias sofreram. Falam em proteger os outros, como as crianças ou as famílias, mas na verdade vivem com medo ou inveja… e tentam perpetuar as relações que pautaram a própria vida… ou seja, estamos falando de preconceito puro… egoístas e mesquinhas, essas pessoas são a base das injustiças que encontramos por aí…

  23. Janine
    segunda-feira, 13 de junho de 2011 – 1:57 hs

    Cara Maria Eduarda, sabe pq os usuários de maconha não são presos? Por causa do livre arbítrio minha querida. Se o argumento que usam para não liberar a maconha é a auto-destruição (danos físicos e psíquicos), deviam proibir cigarros, bebidas alcoólicas…
    Eu nunca vi um usuário de maconha bater o carro em um poste, ou atropelar alguém, nunca vi um usuário de maconha pedindo esmola para comprá-la, ao contrário a maioria dos consumidores da droga em questão trabalham para comprar o seu “baseado” do dia e principalmente, nunca vi um usuário de maconha generalizar todo um grupo de pessoas que discutem algo, como hipócritas. Hipócrita é você que não consegue respeitar a opinião das pessoas.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*