Paraná implanta sistema que integra informações da população carcerária | Fábio Campana

Paraná implanta sistema que integra informações da população carcerária

Foto de Mauricio Borges

do blog da Joice Hasselmann

Está em fase de implantação no Paraná um sistema que integra informações da população carcerária no estado. O objetivo é acompanhar permanentemente os dados dos presos e agilizar, por exemplo, a progressão de regime, o que deve contribuir para amenizar problemas como a superlotação das cadeias.

Atualmente são 14 mil e 500 detentos na esfera da Secretaria de Justiça e Cidadania (Seju) e mais 15 mil em estruturas da Secretaria da Segurança Pública (SESP). Sistema que segundo o mutirão carcerário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) não é integrado o que dificulta a conversa de alguns dados.

A medida também permitirá o levantamento da real situação de 205 estrangeiros que cumprem pena no Paraná e a adoção de medidas para eventuais transferências aos países de origem desses detentos. Com o sistema será possível ainda, acompanhar a situação das mulheres presas, idosos acima de 60 anos e dos que têm doenças graves, para as providências necessárias.


5 comentários

  1. LuAtena
    terça-feira, 15 de fevereiro de 2011 – 17:49 hs

    Enquanto isso Agentes Penitenciários são esquecidos no sistema, tratados com desrespeito pelas “autoridades”, com abandono intelectual, fnanceiro, moral e social…. Inclusive, devo dizer que não há ouvidos para a classe, não há olhos que os vejam. A cada dia bons profissionais tem abandonado o ofício, honrado e difícil por si só, em função da desilusão, da angústia de se trabalhar em lugar onde estão sobrestados, em todas as suas reivindicações, pelo estado, que quando muito faz, prioriza a classe marginália dos presídios.
    O sistema penitenciário, no Paraná e no Brasil, é um engodo que agrada todo mundo que lá não está. Alguns fingem que estão tornando a sociedade mais segura, enquanto outros fingem que acreditam que dormem tranquilos porque tem gente atrás das grades. No entanto, os veradadeiros marginais, andam soltos por aí, e jamais vão saber o que é uma grade que não seja a do portão da sua mansão.
    Abram os olhos!!! Vejam o dinheiro que é empregado para manter essa farsa, percebam que há pessoas trabalhando lá dentro que NÃO SÃO/ESTÃO PRESAS, perguntem-se porquê só há uma determinada classe atrás das grades.
    Reflitam….

  2. Delegado de Londrina
    terça-feira, 15 de fevereiro de 2011 – 18:18 hs

    Mais um modelo da segurança pública implantada pelo gardenal e pelo seu anaozinho…..essa é a herança que eles deixaram

  3. Sergio silvestre
    terça-feira, 15 de fevereiro de 2011 – 20:46 hs

    O fleuri ai em cima,quantos anos você ve isso ai em cima.
    Dtzer que só um governo é culpado soa hipocrisia,essas lotaçóes
    deveriam ser de politicos,inclusive daqueles que você gosta meu caro.O Requião não deixou nada disso ai não,fez parte da coisa que se alastra a tempos.
    Aprenda a lidar com politicos,e faça sua revolução particular,e aprenda a enxovalhar todos os malandros,porque a medida que voce pega um bode espiatório para suas descrenças,os outros se elegem e te detonam

  4. Celso
    terça-feira, 15 de fevereiro de 2011 – 21:25 hs

    Antes de qualquer medida o Governo tem que acabar com a currupção que está instalada no Sistema Prisional.

  5. terça-feira, 15 de fevereiro de 2011 – 23:40 hs

    As delegacias voltaram a abrigar dezenas de presos, aumentando, assim, os riscos de fugas, rebeliões, surtos de doenças e mortes, como a Delegacia de Paranaguá que abriga hoje 204 presos, e as delegacias de Curitiba , e região metropolitana que estão superlotadas. A falta de estrutura do Poder Judiciário em diversas cidades Inundada por um número imenso de processos que não para de crescer. Esse é o quadro encontrado pelo governo atual, e somente poderá haver uma solução com um mutirão das partes envolvidas. O passo é realmente conhecer os problemas através do sistema que integra informações da população carcerária que poderemos procurar uma solução imediata, aliviando a Secretária da Segurança Pública da população carcerária, e voltar esta pasta a sua verdadeira função que é a proteção da população e a solução dos crimes que ocorrem na sociedade.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*