Norma técnica estabelece orientações e sanções para combate à dengue | Fábio Campana

Norma técnica estabelece orientações e sanções para combate à dengue


Foto:SESA

Da Aen

O secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, assinou nesta sexta-feira (18) resolução (029/2011) que orienta e estabelece sanções a proprietários de estabelecimentos comerciais e industriais cujas atividades facilitam a proliferação do mosquito transmissor da dengue, como ferros-velhos e depósitos de materiais recicláveis. A nova norma técnica tem respaldo da legislação federal e do código sanitário do Estado e regulamenta a aplicação de sanções para os que deixarem de cumprir as regras, estabelecendo multas que podem ir de R$ 2 mil a R$ 200 mil e, dependendo da reincidência, instrumentos para fechar o estabelecimento.

“O objetivo é orientar os proprietários quanto à forma eficiente de combate ao Aedes egypti, dando às pessoas um padrão de plano de gerenciamento de seus estabelecimentos para eliminar os focos do mosquito”, explica Sezifredo Paz, superintendente da Vigilância em Saúde.

Caputo Neto ressalta que a norma é inédita no estado e é um instrumento importante que dá às autoridades municipais e estaduais maior poder de ação contra aqueles que se recusam a se adequar, colocando em risco a saúde pública de toda população. A Secretaria da Saúde também irá lançar uma orientação similar dirigida às residências, que continuam concentrando o maior número de recipientes com água parada.

PLANO DE GERENCIAMENTO – A norma atinge estabelecimentos públicos e privados e terá um primeiro exemplo aplicado por meio do Detran-PR, que receberá treinamento de técnicos da Secretaria para montagem do plano de gerenciamento de todos os escritórios do órgão no estado.

Segundo o diretor do Detran, Marcos Elias Trad da Silva, existem mais de 100 pátios para alojamento de carros no Paraná, sendo 30% administrados pelo Detran e o restante pela Polícia Militar. A capacitação dos profissionais do Detran aconteceu na primeira quinzena de março. “Estamos nos envolvendo numa ação coordenada, que é uma característica forte do governo Beto Richa, exatamente para nos articular e agir preventivamente no enfrentamento da dengue”, declarou Trad.


3 comentários

  1. PAULO
    sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011 – 20:44 hs

    ANTES TARDE DO QUE NUNCA!!!!!!

  2. Sergio Silvestre
    sábado, 19 de fevereiro de 2011 – 9:35 hs

    O mosquito aedes egiptus,migrou das matas para as cidades,e ali achou seu habitat.Geralmente essas doenças,como febre amarela,coléra,tifo,malária e dengue,era previlégio de zonas remotas,quase nunca em grandes centros urbanos,a não ser a coléra,eo tifo.
    O desleixo e o sono das autoridades,talves tambem picadas pelo mosquito,tse tse,deixaram empestear de mosquitos da dengue,de forma que a cada ano que passa mais e mais vitimas são acometidas do mal.
    Já ouve surtos de coléra na orla e imediações de curitiba,londrina está quase virando epidemia de dengue,estamos trazendo para os centros ,urbanos,doenças tropicais que já tinham sido quase debeladas,a era do computador,das tv em tres dimensões,o homem tambem deve estar inventando a doença,as vezes soa estranho minha desconfiança,mas num mundo,que só o capital
    é a linha de frente,talves estamos sendo contaminados de propósito,para as industrias de remédios,de inseticidas,prosperarem.
    Um dia seremos envenenados,ou contaminados ,e eles teram o antidõto.

  3. sábado, 19 de fevereiro de 2011 – 13:54 hs

    O que eu acho esquisito é que a tuberculose mata oito mil pobres por ano no Brasil e não se vê nas empresas nenhum trabalho de prevenção e tratamento da doença. quem quiser saber se tem a doença tem que enfrentar o SUS. Será que é porque o mosquito voa e não fica só na casa do pobre?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*