Curitiba é 4ª capital em número de homicídios de jovens no país | Fábio Campana

Curitiba é 4ª capital em número de homicídios de jovens no país

Da Banda B

Curitiba é o quarta capital no ranking de homicídios entre jovens, de acordo com o estudo Mapa da Violência 2011, divulgado hoje (24) pelo Ministério da Justiça. A taxa de homicídio entre pessoas de 15 a 24 anos subiu 243% na cidade. O índice da capital paranaense foi o quarto maior entre as capitais brasileiras, perdendo apenas para Salvador (370,7%), Maceió (362,3%) e São Luís (257,4%).

Brasil

Já o Brasil é o sexto país no ranking de homicídios. A taxa de homicídio no país entre jovens subiu de 30 mortes por 100 mil jovens, em 1998, para 52,9, em 2008. Nesse período, o número total de homicídios registrados no país cresceu 17,8%, ao passar de 41,9 mil para 50,1 mil.

No primeiro lugar do ranking aparece El Salvador, com 105,6 mortes violentas em cada grupo de 100 mil jovens. Em seguida vêm as Ilhas Virgens (86,2), a Venezuela (80,4), Colômbia (66,1) e Guatemala (60,6).

De acordo com o autor da pesquisa, Julio Jacobo, os homicídios são responsáveis por 39,7% das mortes de jovens no Brasil. O estudo aponta que as taxas mais elevadas, acima de 60 homicídios em cada grupo de 100 mil jovens, estão na faixa dos 19 aos 23 anos de idade. “O jovem morre de forma diferente na atualidade. A partir da década de 1980, houve um novo padrão de mortalidade juvenil”, destacou o pesquisador.

Em alguns estados, a morte de mais da metade de jovens foi provocada por homicídios. Alagoas é o estado que tem a taxa de homicídio juvenil mais alta do país (60,3), seguido pelo Espírito Santo (56,4), por Pernambuco (50,7), pelo Pará (39,2) e Amapá (34,4).

Segundo Jacobo, os índices de homicídio nas capitais e regiões metropolitanas tiveram uma queda de 3,1% entre 1998 e 2008. No entanto, houve um crescimento considerável das taxas no interior do país. “Chamamos isso de interiorização da violência. A partir de 2003, ocorreu uma queda das taxas de homicídios nas capitais, no entanto, as taxas de homicídio no interior estão crescendo assustadoramente.”

Para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, esse quadro de violência entre jovens no país exige das autoridades públicas uma profunda reflexão. “Isso coloca sobre os nossos ombros desafios, aos quais temos que responder com integração e superação de obstáculos, para que possamos ter uma política nacional de combate à violência que surta efeitos.”

Cardozo anunciou que vai desenvolver um sistema de informação que mostre o mapa da violência em tempo real. “Apesar de todo esforço dos pesquisadores, as bases de dados disponíveis são de 2008. Temos uma defasagem de três anos. Não temos uma situação atualizada em tempo real do crime. É impossível ter uma ação de segurança pública sem informação.”

Segundo ele, a política de repasse de verbas para a área de segurança aos estados será feita com base nesse sistema. “A ideia é que isso seja transparente, ou seja, que a sociedade possa acompanhar em tempo real onde acontecem os crimes.”


8 comentários

  1. CLOVIS PENA -
    quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011 – 15:39 hs

    O governador precisa de soluções. As dificuldades herdadas e a situação da segurança Beto e sua equipe conhecem muito bem. Com a palavra, os secretários Hauly e Almeida. Para soluções.

  2. marcão
    quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011 – 15:41 hs

    Belo título, continuando assim logo se tornará modelo!!!

  3. José Sllva
    quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011 – 15:57 hs

    Uns 95% dos jovens que são assassinados, se deve ao trafico de drogas.
    A maioria deles também, sao assassinos de outros jovens…
    A guerra civil está aí….
    Existe um velho ditado que diz: “QUEM COM PORCOS ANDA, FARELO COME´´.

  4. LÉO
    quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011 – 16:05 hs

    FÁCIL SOLUÇÃO
    1-Fim da maioridade penal
    2-Preso tem que trabalhar
    3-Prisão perpetua para crimes ediondos
    4-Fim das mordomias(indúltos, visita intima e banho de sol)
    5-Isolamento total
    6-Pena de morte para reincidentes
    7-Julgamento rápido(dentro das proprias delegacias).
    8-PLANTÃO JUDICIÁRIO 24 HORAS POR DIA, 7 DIAS POR SEMANA.
    RESULTADO – CIDADE MODELO, COM CERTEZA SERÁ COPIADO POR OUTROS ESTADOS.
    ESCREVEU NÃO LEU, É ANALFABETO.
    TOLERÂNCIA ZERO.

  5. Sergio Silvestre
    quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011 – 16:09 hs

    São luis,salvador e maceió tem essa criminalidade,pela pistolagem,muitas mortes por motivação politica,e drogas,mas curitiba,cantada em versos e prosaspor nossos governantes,é para se pensar.
    Um dia me disse um politico acabado,prefeito para ganhar eleição
    tem que embelezar o centro,que é onde a grande massa vai passe
    ar,fazer compras etc.Tudo sendo bonito ,bem maquiado passa a impresão,para visitantes e moradores,que tudo é maravilhoso.
    A periferia o pobre chega para dormir e não se da conta da precáriedade.Curitiba foi assim e o povão não se deu conta,e da lhe bons indices para politicos mediocres.pode piorar,pode chegar ao apíce da criminalidade se continuar se enganando.
    Ai nunca teve politicos bons,para ostentar indices de popularidade
    tão altos,o que teve foi massiva propaganda do centro.
    Se for computar a região metropolitana,esta perto de levar o troféu
    de cidade sitiada por bandidos.Abre o olho curitibanos,por menos que isso ,londrina esperneia,e não bajula enganadores.

  6. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011 – 16:59 hs

    Jovens curitibanos são mais susceptíveis à imitações. Gostam de se parecer com ídolos. Mas os escolhem mal.

    E importam com facilidade certas práticas. As ruins, as piores.

    Dai…

  7. Sergio Silvestre
    quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011 – 22:01 hs

    Muito bem parreiras

  8. Sidnei Belizario de Melo
    sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011 – 6:06 hs

    O nosso Secretário da Segurança Publica esteve no Rio de Janeiro conhecendo as Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) do Rio de Janeiro, onde aquele estado reduziu o número de crimes em suas ações. O único modo de reduzir o crime de homicídios em Curitiba, e aparelhar as policiais, colocando policiais nas ruas, e ação dura contra a delinquência juvenil para todos os crimes, cadastramento de usuários de drogas, pichadores, trombadinhas, e estabelecer a tomada de locais hoje dominados por gangues do narcotráfico (homicidas). O combate sistemático contra os crimes de homicídio, tentado ou consumado, lesão corporal grave e seguida de morte, ameaça, constrangimento ilegal deve ser o alvo das ações da Secretária de Segurança Pública do Estado do Paraná. A urgência de tirar os presos das delegacias para que policias atuem nas suas funções de investigar os crimes evitando a impunidade ou a reincidências, e aparelhar com tecnologia, e serviços de informações em todas as unidades policiais da PM, e dos Distritos Policiais da Civil em seus bairros. Em contra partida temos que falar em um salário digno para que os policiais tenham tranquilidade para sustentar suas famílias e aprimorar conhecimentos na área que atuam.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*