Assembleia recebe proposta de reestruturação da FGV | Fábio Campana

Assembleia recebe proposta de reestruturação da FGV

Na manhã desta terça-feira (22) representantes da Fundação Getúlio Vargas (FGV) se reuniram com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Valdir Rossoni (PSDB), e com o 1º secretário, deputado Plauto Miró (DEM), e apresentaram o projeto elaborado para a reestruturação administrativa da Casa. As informações são da assessoria de comunicação da ALEP.

Segundo o superintendente da FGV no Paraná, Norman de Paula Arruda Filho, a proposta foi elaborada sobre três pilares. O primeiro seria uma remodelação na estrutura organizacional da Assembleia. Essa etapa serviria para tornar o Poder Legislativo totalmente transparente e assim mostrar à sociedade o que está sendo feito.

O segundo pilar seria um modelo de gestão para determinadas áreas e diretorias da Assembleia. Grupos de trabalhos seriam criados para eleger os projetos que seriam implantados. Com essa estruturação todo o sistema da Casa será centralizado e interligado em suas ações.
A terceira medida seria um programa de capacitação dos servidores. Serviria para atuar na motivação dos profissionais bem como no aperfeiçoamento técnico deles. “São mecanismos para estruturar a Casa e com isso dar suporte ao trabalho dos deputados. Na medida em que houver um suporte técnico e administrativo para os deputados, a Assembleia terá condições de exercer o seu papel”, disse Arruda Filho.

O presidente da Assembleia, deputado Valdir Rossoni, destacou que são essas as medidas que precisam ser tomadas na Assembleia para que ela se torne mais produtiva e também acessível para toda a sociedade. “Ainda precisamos de mais um tempo para botar a Casa em ordem, para depois a FGV colocar em prática esse planejamento. Acredito que no início de abril essas ações sairão do papel. Ainda temos dificuldades de informações e não teríamos condições de passar para os técnicos da FGV todo o material necessário”, afirmou Rossoni.

O presidente e o 1º secretário pediram um prazo para analisar mais detalhadamente a proposta apresentada. A decisão de contratar ou não a FGV deverá ser tomada até o final deste mês. A previsão da FGV é a de que os trabalhos possam ser executados em um prazo de seis a oito meses.


2 comentários

  1. terça-feira, 22 de fevereiro de 2011 – 22:24 hs

    Parabens comissão executiva atual. Sou funcionario da casa ha mais de 34 anos e até hoje nunca vi uma executiva como essa.. Quero me aposentar mas como não tem condições com o atual salario. Se agente tiver uma correção de monenclatura ou se agente consegeuir chegar n o final de carreira ai eu posso me aposentar. Para ter uma ideia o meu salario é X se aposentar nofinal de carreira chegarei ganhar mais de 70 por cento a mais pois vou ser enquadrado como final de carreira. Obrigado comissão executiva e Fundação Getulio Vargas. Parabens pelos novos procuradores, mandem embora quem não trabalham e aqueles que entraram depois de 1991 que vai sobrara dinheiroa para agente ganhar igual ganham os funcionarios do TContas que é um orgao auxiliar do Legislativo. Pelo menos na minha época eram. velho Cacau. Parabens

  2. Ipês
    terça-feira, 22 de fevereiro de 2011 – 22:39 hs

    Viva a panacéia do rapossoni!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*