PMDB vive clima de rebelião e sonha com a volta de Fruet | Fábio Campana

PMDB vive clima de rebelião e sonha com a volta de Fruet

Via Jornal Horahnews

O sonho da absoluta maioria dos membros do PMDB nativo é a volta de Gustvao Fruet para enterar na disputa da prefeitura de Curitiba no ano que vem, com chances reais de vitória. Em qualquer pesquisa de opinião, Fruet teria, de largada, a preferência da absoluta maioria dos curitibanos, atesta Murilo Hidalgo, presidente do instituto Paraná Pesquisas.

O PMDB do Paraná vive um clima de rebelião interna. O longo período em que a legenda esteve sob o controle ou influência do ex-governador Roberto Requião, que iniciou em 1990 e se prolonga até os dias de hoje, pode estar chegando ao fim.

No PMDB de Curitiba, que é controlado por Requião desde meados da década de 80, quando se elegeu prefeito de Curitiba, a rebelião é aberta. Na semana que vem o deputado estadual Reinhold Stephanes Júnior vai apresentar um pedido de dissolução do Diretório Municipal de Curitiba, presidido pelo eterno escudeiro de Requião, Doático Santos.

Não é a primeira vez que a liderança do ex-governador é desafiada, mas esse motim ocorre em um momento em que a força política de Requião parece abalada. Ele se elegeu senador a duras penas e tem seu legado administrativo questionado por graves denúncias envolvendo a administração do Porto de Paranaguá, que era comandado por seu irmão, Eduardo.

O inconformismo de Stephanes Júnior é fundamentado, na opinião de boa parte do PMDB, pelos maus resultados que a legenda colhe em Curitiba nas últimas décadas. Desde 1985, quando o próprio Requião se elegeu prefeito de Curitiba, o partido não emplaca, por eleição, um prefeito na capital.

A avaliação é que o clã Requião não permitiu o florescimento de novas lideranças o que levou o partido a amargar resultados medíocres e ridículos nas eleições que ocorreram nos últimos 20 anos. Uma das lideranças que o requianismo sufocou foi a de Gustavo Fruet. Sem espaço no partido ele migrou para o PSDB onde consolidou uma importante liderança que, por pouco, não derrotou o próprio Requião na disputa pelo Senado.

Pois o sonho que mobiliza boa parte do PMDB, e que leva esses setores a lutar pela dissolução do Diretório de Curitiba, é justamente promover a volta ao partido de Gustavo Fruet para permitir que dispute a prefeitura de Curitiba em 2012 pelo partido. Os peemedebistas rebelados acompanham com grande interesse a situação dentro do PSDB.

Avaliam que Fruet pode não ter espaço para ser candidato a prefeito pelo partido. Se essa situação se consolidar o PMDB pode ser o destino natural desse filho pródigo que poderia disputar a prefeitura pela legenda. Para que isso se viabilize é preciso que sejam expurgados os requianistas que mantém uma posição de hostilidade com relação a Fruet.

Se esse projeto prosperar o PMDB de Curitiba terá, pela primeira vez desde 1988, um candidato próprio competitivo para disputar a prefeitura. Ficarão para trás os tempos de vexames históricos, como aqueles proporcionados por candidaturas desastrosas, como o Reitor Moreira e Max Rosenmann, que disputaram a prefeitura pelo partido e não reuniram votos suficientes sequer para eleger um vereador.

Com Fruet candidato tudo seria muito diferente analisam os peemedebistas rebeldes. Eles lembram que na eleição para o Senado Fruet teve a maior votação em Curitiba. Derrotou todos adversários, inclusive a campeã de votos, Gleisi Hoffmann, por larga margem de vantagem.

Se o PMDB conseguir atraí-lo para suas fileiras as eleições de 2012 podem ficar empolgantes. E o partido pode sonhar retornar aos seus dias de glória na capital.


11 comentários

  1. Borduna
    quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 – 9:42 hs

    Se Gustavo voltar ao PMDB passa uma mensagem de incoerência para os Curitibanos. Vai pagar preço alto. Engana-se quem pensa que Bob Req. está enfraquecido por causa dos escândalos do porto. Pelo contrário, o PMDB de Calheiros, Barbalho, Quercia, et caterva é assim mesmo. Quanto mais corrupção melhor. Guga vai entrar nessa?

  2. Tatiana
    quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 – 10:08 hs

    Eu sonho em votar no Fruet em 2012, não sendo o PT qualquer partido está valendo e tanto faz!!!

  3. Leandro
    quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 – 10:47 hs

    Junto com o Fruet… uma grande porção de PSDBistas deve segui-lo.

  4. Piá Curitibano
    quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 – 10:57 hs

    Somente FRUET será Prefeito de Curitiba!
    Qualquer outro, numa visão feudal, será apenas Capatás.

    Quem nasceu prá Vice, sempre pensará e agirá como vice (de alguém)!

  5. Carlos Alberto de Almeida
    quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 – 11:34 hs

    Meu Amigo Gustavo não saia do Partido, voce é dono de mais de 2 milhoes de votos,voce é bola da vez, os incomodados que se mudem, vamos ganhar essa prefeitura. Boa Sorte, estamos com voce.

  6. Julio
    quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 – 11:38 hs

    O projeto nacional do PSDB, visando as eleições presidenciais em 2014, não abrirá mão de ter prefeitos nas capitais. Ducci pertence ao partido aliado ao PT de Dilma por mais que tenha esta ótima proximidade ao governdor. Gustavo será o candidato natural do PSDB, nem que a decisão venha “de cima”, obrigando Beto a seguir a orientação estratégica nacional.

  7. xereta
    quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 – 14:41 hs

    Esse não conseguiu continuar mamando em Brasília, quer vir viver bem as nossas custas agora.

  8. mauricio
    quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 – 15:27 hs

    O Gustavo deve escolher: ficar no PSDB e conquistar a maioria, deixando o Ducci lambendo sabão ou voltar para o PMDB de Requião e familia, Benedito, Pisseti, citando apenas esses que são do 1o. escalão da máfia. E esse Ducci é “cabação”, fácil de esmagar pois em pouco tempo já tá com a bunda muito suja.

  9. Ricardo III
    quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 – 20:42 hs

    No Paraná e especialmente em Curitiba, o PT é sucursal do PMDB. Não adianta. Ângelo Vanhoni e cia entregaram a sigla de bandeija ao Requião. Apesar do desconforto do presidente do Partido no Paraná (André Vargas) os benefícios eram muitos para serem dispensados. Assim, se Gustavo Fruet bandear-se para uma dessas agremiações, estará, com certeza, dando um tiro de 12 no pé. Voto em Fruet mas nunca no PT/PMDB. Portanto um alerta: partidos que foram a reboque do Requião jamais conseguirão mais alguma coisa por aqui.
    Um outro aviso aos deputados chamados de fiorucci: vocês não têm perfil daquelas siglas, caiam fora enquanto é tempo. Deixe eles para os velhos de guerra e de política: Requiões, Pessutis, Pugliesis, Doáticos, Vanhonis, Cheidas e outros ainda menos cotados.
    Fruet, como sugestão, escolha um Partido com ideologia. Ser aliado de Ratinho… Por favor ! PV uma boa pedida.

  10. Ricardo III
    quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 – 20:52 hs

    Uma outra coisa, Fruet: o PSDB é comandado, no Paraná, por Beto Rixa. O governador que colocou na Secretaria do Trabalho o porta voz do Requião nos recentes e últimos 8 anos. Até agora estou esperando ouvir a exata motivação para a escolha. Enquanto não ouço, continuo sentindo cheiro de podridão na escolha. Este PSDB também não é uma sigla confiável; tá cheio de raposas. Cai fora daí ! Não vá no papo que o partido tem que ser grande e de tradição. Se fosse assim Collor não teria virado presidente. Aqui só fiz a alusão de um partido pequeno que conquistou a presidência. Não faço nenhuma comparação.

  11. adoro comer !
    quinta-feira, 27 de janeiro de 2011 – 15:35 hs

    O Ducci ganha com muita tranquilidade, a não ser que o povo curitibano não se lembre que o Gustavo fruet é o famoso Deputado federal que é e foi relator de várias CPIS” ( todas acabaram em Pizza) adoro pizza!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*