Pessuti acabou com uso de papel reciclável no Estado | Fábio Campana

Pessuti acabou com uso de papel reciclável no Estado

Não adiantou festa com bumbos e tambores na escolinha para o ex-governador Roberto Requião e seu fiel escudeiro Rasca Rodrigues quando anunciaram a promulgação da lei 15.696 em 2007 tornando obrigatório a utilização de papel reciclado pela administração pública estadual. O ex-governador Orlando Pessuti revogou a lei no dia 29 de dezembro.

Você pode pensar que Pessuti fez isto porque é contra a natureza. Não. Alegou que fez isto porque a lei que instituiu tinha um objetivo: favorecer um ou duas empresas que vendem o tal papel reciclável. Talvez então ele pudesse nos informar quais foram elas e quanto estas empresas que venderam o papel reciclável de 2007 a 2010 receberam dos cofres públicos. Talvez poderíamos achar pistas de fundos de campanha.


25 comentários

  1. Do Norte Pioneiro
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 14:21 hs

    Pelo menos uma BOLA DENTRO do Pessutão.
    Esse suposto papel reciclado chega a ser mais caro que o sulfite norma, além de atrapalhar na obtenção de cópias.
    Nem venha com aquela LADAINHA de pensar ecologicamente e na preservação da natureza na hora de imprimir algum texto em papel sulfite A4 normal.

    100% DO PAPEL SULFITE PRODUZIDO NO BRASIL VEM DE FLORESTAS PLANTADAS EXCLUSIVAMENTE PARA TAL FINALIDADE.
    FLORESTAS ORIUNDAS DE MANEJO AMBIENTAL SUSTENTAVEL.
    INEXISTE DEGRADAÇÃO DE FLORESTAS NATIBVAS PARA PRODÇÃO DE PAPEL.
    ISSO É ILUSÃO PARA GREENPEACE FICAR FAZEND BAGUNÇA COM DINHEIRO PÚBLICO.

  2. Fábio Mayer
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 14:22 hs

    Na verdade ele acabou com o uso de papel reciclado, porque, de regra, todo papel é reciclável.

    Mas o papel reciclado custa mais caro aos cofres do estado, porque seu processo de produção é por si, bem mais custoso. É certo que o papel deve ser, sim, reciclado, porém, enquanto existir o papel “novo” vai ser difícil ele emplacar porque:

    a) O custo, já citado;
    b) O retorno ambiental é nulo. Árvores para produzir papel geram oxigênio e resíduos naturais que fertilizam a terra, já o papel reciclado gasta muito mais energia para ser produzido, sem o retorno de oxigênio na natureza.

    Enfim, deve-se reciclar papel sim, mas muito mais para que ele não fique jogado na natureza do que por vantagem ambiental na sua produção… essa vantagem só ocorrerá no dia em que a produção de papel reciclado for maior que a do papel comum, e com menos gasto energético.

    De resto, TREMENDA demagogia de Requião e sua trupe nessa situação…

  3. Ditão
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 14:28 hs

    Além do que, o reciclado era bem mais caro que o original.

  4. Ditão
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 14:30 hs

    Segundo as más línguas, o processo de reciclagem também causaria danos à natureza. Se isto for verdade, prejuízo dobrado.

  5. Sensato
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 14:43 hs

    Felizmente um mandato curto para um governador que pensa pequeno! Na torcida para q o Beto recupere a Lei. Parabéns aos idealizadores.

  6. Jose Carlos
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 14:45 hs

    Por medida de economia, os governos deveriam exigir que os funcionários públicos usassem frente e verso de todos os papéis usados no governo, INCLUSIVE O PAPEL HIGIÊNICO dos banheiros governamentais… isso sim é reciclagem… de leve…

  7. Kurzlop
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 14:47 hs

    A lei 16.763 de 29.12.2009 (que revogou a Lei 15.696/2007) de autoria, segundo consta, do Deputado Fernando Scanavaca, foi apresentada, apreciada e aprovada pela Assembléia Legislativa do Estado a quem compete o processo legislativo no Paraná.
    O Governador (Chefe do Executivo) cumprindo o seu papel sancionou (dar sanção; confirmar, aprovar, ratificar) a Lei. Poderia também, caso julgasse conveniente, veta-la, o que implicaria em nova avaliação pelo poder legislativo que, neste caso, poderia derrubar ou manter o veto governamental.
    Abraços.

  8. Sempre Igual
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 14:56 hs

    Ainda bem que ele fez isso pois o papel era muuuuuito ruim e a impressão sumia depois de um tempo

  9. Curioso
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 15:18 hs

    Então aos defensores, porque todo o papel que o estado usado vem da argentina???

  10. ILLUMINATI
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 15:22 hs

    Até em fim um boa notícia. O papel usado pelo Estado nos últimos anos era de péssima qualidade…

  11. xereta
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 16:14 hs

    O José Carlos deveria se informar mais sobre o trabalho no serviço público, antes de escrever tal baixaria.

  12. Zangado
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 16:26 hs

    Sei não se o papel reciclado não sai mais caro para a administração que o papel comum … sabe como é esses assuntos de exclusividade …

    A rigor, isso do uso do papel reciclado não depende de lei – a administração deveria sponte própria, comprar papel oficial de modo centralizado e distribuir aos órgãos, somente com o logon oficial e acabou – resto o computador e a impressora fazem.

    Muito melhor que baixar uma lei, deveria o governo conceder os incentivos e benefícios fiscais e ambientais necessários para que a produção de papel reciclado, com qualidade, se expanda.

    Afinal, só a demanda do Estado já seria um forte umpulso.

  13. Queixoso
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 16:26 hs

    Há uma pesquisa no comitê de meio ambiente da OAB/PR que demonstra que os danos ambientais do papel reciclado são maiores do que da fabricação de um papel novo.

    Evidentemente, que o papel tem que ser produzido com madeira legalizada e certificada.

    É até bom que a indústria seja incentivada porque daí o pessoal começa a plantar mais florestas legalizadas.

  14. Marcão
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 16:29 hs

    Sem contar que, ao longo do tempo, esse papel danifica o mecanismo de impressão da maioria das impressoras, causando prejuízo maior ainda.

  15. LEAD
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 16:32 hs

    Esse negócio de papel reciclado é pura demagogia. É mais caro e causa mais danos ambientais. Só pode ter sido por motivo de favorecimento de alguma empresa. Em vez de economizar papel, o Governo deveria colocar uma máquina de carregar tinta nos cartuchos da HP, estes sim, um dos maiores desperdícios de dinheiro que pode haver.

  16. augusto silva
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 17:23 hs

    meus deus,,,,, vou morrer e não vou ver tudo, o pessuti e seus fiéis escudeiros,inclue principalmente o secretário da comunicação social que queria a todo custo que ele fosse candidato ao governo e ainda fala aos quatro ventos que ganhariam a eleição se pessutão fosse canditado ,fazer uma reciclagem, nas idéias.

  17. silva
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 17:47 hs

    O papel reciclado, por soltar muito resíduo e poeira, danifica as impressoras, que no estado são milhares. Assim, correta a medida do Pessutão.

  18. TULIPA
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 18:46 hs

    ESTOU DECEPCIONADA COM O PESSUTTI, QUE DEU BOLA FORA DURANTE TD O PERÍODO QUE ESTEVE NO GOVERNO DO ESTADO.

    MAS EM RELAÇÃO AO PAPEL RECICLADO , SOU FAVORAVEL QUE SEJA MESMO DESCARTADO O SEU USO, POIS É HORRIVEL DE SE LIDAR COM AQUELE PAPEL. ESCURO, SOLTANDO RESIDUOS, E DIFICULTA TB PARA LER APÓS IMPRESSÃO.
    NISTO AI ESTOU DE ACORDO. FORA PAPEL RECICLADO, VÁ JUNTO COM O PESSUTÃO

  19. josé
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 19:26 hs

    ai tem coisa

    este tal de RASCA DEVE TER LEVADO ALGUM

    COM TRABALHINHO DO GAECO

    VAI APARECER NOVIDADES/ECOLÓGICAS

    E MEU BRASIL

  20. CAÇADOR DE PETISTAS
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 19:45 hs

    Pilantra. Você já era.

  21. cris
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 19:47 hs

    Pelo menos umabola dentro, aquele papel, acabava com asimpressoras e xerocadoras,, pois prendia e rasgava todo ao tentar tirar….sem contar que a qualidade era pessima

  22. Vigilante do Portão
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 20:49 hs

    Era um papel ruim, estragava as impressoras.

  23. Copeliano
    terça-feira, 18 de janeiro de 2011 – 22:52 hs

    Ainda bem que acabou esse uso compulsório do papel reciclado…no começo, usava-se na Copel papel reciclado de boa qualidade, mas nos últimos tempos o papel era pior que aqueles rolos de P.H. que a torcida arremessa no estádio. É muito ruim para fazer fotocópia ou digitalizar, e vive enroscando nas impressoras.

    Temos que ajudar o meio ambiente, mas não de forma burra!

  24. Borduna
    quarta-feira, 19 de janeiro de 2011 – 5:30 hs

    Está correta a medida. Papel deve ser reciclado sim, mas dai ser empregado em outras atividades. Para substituir o sulfite branco não serve. Os ecologistas autênticos nunca defenderam o que se fazia. Era coisa de mau político se fingindo de ecologista e fazendo a coisa errada…

  25. Helena
    quinta-feira, 10 de março de 2011 – 11:05 hs

    Gente como assim?
    Que retrocesso acabar com o papel reciclado.
    Trabalho no Ministério Público e aqui dentro tudo é reciclado (até a próxima licitação provavelmente) e tudo funciona bem com esse papel. Essa história que estraga a impressora, que enrosca, é problema da impressora, não do papel. LIMPEM suas impressoras regularmente, assim como os mouses e os teclados.
    Aos ceguetas que acham ruim de ler nele, procurem óculos.
    E tem mais. Papel reciclado não é um apelo puramente ambiental. A causa abraçada é muito maior. São milhares de catadores que tem seu trabalho valorizado.
    Faz favor!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*