Nos órgãos mais cobiçados, desvios somam R$ 1,3 bi | Fábio Campana

Nos órgãos mais cobiçados, desvios somam R$ 1,3 bi

Ilustração: Guto Cassiano

Do blog do Josias de Souza

Auditorias e tomadas de contas feitas pela Controladoria-Geral da União revelam: Os dez órgãos mais disputados por PT e PMDB produziram desvios de R$ 1,3 bilhão.

O monturo de irregularidades refere-se a um período de quatro anos (2007-2010). Dado o volume e a reiteração, os desvios eliminam até o benefício da dúvida.

O governo deveria aproveitar as auditorias como oportunidade para a higienização. Porém, os malfeitos convertem-se em oportunidades que os partidos aproveitam.

Aos exemplos: FNS (irregularidades de R$ 663 milhões), Funasa (R$ 486,6 milhões), INSS (R$ 87,3 milhões), Correios (R$ 21,12 milhões), Incra (R$ 31,4 milhões)…

…Embratur (R$ 14,4 milhões suspeitos), Conab (R$ 13,6 milhões), Etc (R$…). Da CGU, o esquadrinhamento de gastos vai ao TCU (Tribunal de Contas da União).

Ali, tenta-se reaver verbas e impor punições. Coisas só obtidas de raro em raro. A despeito do nome, o “tribunal” de contas não compõem o Poder Judiciário.

Trata-se de órgão auxiliar do Congresso, com plenário apinhado de ex-congressistas. Nem todos os casos chegam à Polícia Federal. Apenas os mais desavergonhados.

Sob espalhafato, realizam-se prisões e operações de busca e apreensão. As detenções, por temporárias, logo são relaxadas. Seguem os inquéritos.

Quando bem sucedidos, resultam em denúncias do Ministério Público Federal. As que são convertidas em ações penais passam a correr no ritmo arrastado da Justiça.

Atônita, a platéia indaga: por que as verbas do Orçamento ainda saem pelo ladrão? Convém inverter a pergunta: porque os ladrões continuam entrando no Orçamento?

O governo diz que é por causa da necessidade de assegurar a governabilidade. Dá-se, assim, a conversão de um vocábulo nobre em sinônimo de perversidade.


5 comentários

  1. domingo, 23 de janeiro de 2011 – 13:34 hs

    Assim governa o PT , taí mais um exemplo da “governabilidade” dellles

  2. Cajucy
    domingo, 23 de janeiro de 2011 – 14:04 hs

    Que vergonha, não? E ainda se fala em moralização do serviço público? Tem que demitir, colocar na rua, cassar deputados e botar na cadeia quem rouba o erário para benefício pessoal, de grupos, grupelhos, associados e apaniguados do poder.
    Quando isso vai acabar? Ora, se o PT e o PMDB são hoje os maiores partidos do país e tanto falam em moralização, porque não dão o exemplo?
    Não interessa, né? O discurso é um e a prática é outra. E o povo “Ó”!

  3. Borduna
    domingo, 23 de janeiro de 2011 – 17:09 hs

    Nenhum político consegue desviar um centavo sequer, sem a parceria e conivência de funcinpários públicos estáveis e de carreira. Por que estes se calam e aceitam a olhos vistos as falcatruas dos partidos e políticos? Nunca entendi isso….

  4. zedopovo
    domingo, 23 de janeiro de 2011 – 19:40 hs

    PF faça uma auditoria nas obras civis do governo passado…………..vcs terão muitas surpresas……………………..

  5. Alemão
    domingo, 23 de janeiro de 2011 – 22:46 hs

    Se não me engano é o período do lula, não é? Claro que ele sempre foi conivente com toda essa roubalheira. Engraçado é que não aparece um eleitor burro do lula pra defendê-lo ( se é que é possível). Lula sempre foi um safado, já nos tempos de sindicato vendia greves aos empresários para que seus funcionários não parassem. è um tremendo de um vagabundo, ladrão e sem vergonha.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*