Mais 4 funcionários são afastados após denúncia de festa em cadeia | Fábio Campana

Mais 4 funcionários são afastados após denúncia de festa em cadeia

Detentos teriam subornado carcereiros para fazer ceia com bebida e drogas. Festa, que foi gravada, custou R$ 3 mil, segundo um dos presos.

Do G1

Mais quatro funcionários do setor de carceragem da Delegacia de Campo Mourão, no Paraná, foram afastados no sábado (8) após a RPC TV exibir uma festa de presos no Natal. Entre os quatro funcionários afastados está o chefe da carceragem. O delegado José Aparecido Jacovós já havia afastado no sábado (8) outros dois carcereiros que vão responder pelos crimes de corrupção ativa e prevaricação.

Os detentos teriam subornado os carcereiros para promover uma ceia com bebida e drogas. A festa regada a cerveja gelada, drogas e axé foi gravada e fotografada por um telefone celular. Um carcereiro aparece nas imagens e, segundo os presos, ele teria recebido dinheiro para comprar cerveja.

Na sexta-feira (7), a reportagem falou por telefone com um preso que está na delegacia. Ele disse que a festa custou R$ 3 mil e contou detalhes de como consegue bebida, drogas e telefone mesmo atrás das grades.

Repórter – como é que você consegue manter esse celular aí com você?
Preso – isso aqui é normal, você pagando ali pra carceragem não tem problema, não.
Repórter – como é que aconteceu (a festa), como é que ficou combinado?
Preso – (carcereiro) cobrou R$1.600 só pra passar a cerveja e pegou mais R$1.400 pra pagar as latinhas.
Repórter – e as drogas?
Preso – as drogas “foi pagado” mais R$ 400 por fora.
Repórter – os dois delegados sabiam da festa?
Preso – sabia.

O delegado José Aparecido Jacovós, que estava na praia enquanto a delegacia era palco da farra, diz que só soube da festa dois dias depois. “Eu não tinha conhecimento de absolutamente nada assim que nós tomamos conhecimento tá? Agora precisa me apontar, apontando, há culpados: corrupção e cadeia”.

Com relação ao uso de telefones celulares, o delegado admite a dificuldade de impedir a entrada dos aparelhos.

“Nós não podemos revistar partes íntimas das mulheres. Se você faz uma revista no corpo e encontra tudo bem, mas você não pode determinar que a pessoa que faz a revista coloque a mão em determinados lugares, que isso é constrangimento ilegal e também pode ser por corrupção, pode ser que alguém esteja favorecendo”, declara o delegado.

A mulher de um dos presos, que tem medo de mostrar o rosto, confirma como é fácil entrar com drogas e celulares na cadeia. “É normal, os carcereiros sempre passam droga, cerveja. Só pagar. Pagar o valor que eles querem eles passam de tudo. De tudo que precisar lá, eles passam”.

A assessoria do governador do Paraná informou que confia na palavra do delegado de que ele não sabia da farra e que, quando soube, afastou os dois carcereiros envolvidos.


11 comentários

  1. Mourãoense
    domingo, 9 de janeiro de 2011 – 15:35 hs

    Este fato não é exclusividade da delegacia de Campo Mourão. Grande parte do efetivo de policiais civis do Paraná tem vida de milionário. Eles não tem renda para isso. De onde sai o dinheiro? Com a palavra o Secretário de Segurança Pública……

  2. mario joao tavareS
    domingo, 9 de janeiro de 2011 – 15:42 hs

    COMO QUE UMA DELEGACIA QUE TEM 200 PRESOS, 15 PRESOS SOZINHOS FAZEM FESTA, QUEM ARRUMA DINHEIRO PARA ESTA GENTE.

    SERA QUE SAO OS ADVOGADOS,,,,

  3. David
    domingo, 9 de janeiro de 2011 – 16:13 hs

    É, mais um erro do Beto, deveria ter chamado o Jacovós para secretario de segurança!

  4. domingo, 9 de janeiro de 2011 – 18:07 hs

    Faço parte do Conselho de Segurança de Campo Mourão. A cidade de Campo Mourão, está contente com o trabalho da Polícia Civil e Militar da cidade. este fato foi isolado. As Polícia civil e militar de campo mourão, tem dado exemplo de trabalho. No dia 27.10.2010, em uma operação prenderam 25 pessoas ligadas ao tráfico de drogas;
    em 30.11.2010, autuaram 6 presos no interior da cadeia, que através de telefone celular, comandavam crimes na cidade; dos 47 homicídios ocorridos na cidade, as Polícia solucionaram 44 casos e prenderam ao todo 55 pessoas, relacionadas com estes homicídios, portanto, não seria este fato isolado a prejudicar o trabalho das duas Polícia de Campo Mourão. obrigado.

  5. Borduna
    domingo, 9 de janeiro de 2011 – 20:51 hs

    Afastados somente? Não vão trocar de lado, ou seja, pra detrais das grades?

  6. domingo, 9 de janeiro de 2011 – 22:35 hs

    isso acontece também porque presos estão indevidamente custodiados em Delegacias de Polícia, quando deveriam estar em penitenciárias. Sou policial e na minha delegacia deixamos de fazer investigação para cuidar de presos. espero que a nova direção da ?Sesp, resolva o problema, colocando policiais na rua para investigar e transferindo os presos para o sistema penitenciário. Conheço o Delegado que comanda a delegacia de Campo Mourão, já trabalhou em União Vitória, Cornélio Procópio, Guaíra, e sempre foi respeitado na Polícia por ser um profissional sério e competente, não pode ser responsável se policiais corruptos cometem erros.

  7. JSANTOS
    segunda-feira, 10 de janeiro de 2011 – 8:58 hs

    BOM DIA PARABENS FABIO .
    PELO SUSSEÇO DO SAT INFORMANDO O PARANA.
    UBIRATÃ DIA 16/01/2011 ESTARA SERVINDO UM ALMOÇO
    DOS 50 ANOS ,DE SERVIÇOS RELIGISOS EM UBIRATÃ.

    PARÓCO PADRE ELIAS, PREFEITO FABIO D.LECIO.

    JSANTOS UBIRATÃ.PR

  8. candinho
    segunda-feira, 10 de janeiro de 2011 – 11:11 hs

    A bandidagem presa quer derrubar o Delegado Jacovós, que está fazendo um ótimo trabalha para diminuição do tráfico de drogas na cidade, um problema crônico. Parabéns ao Delegado e punição exemplar aos responsáveis.

  9. Charmes Negrao
    segunda-feira, 10 de janeiro de 2011 – 12:28 hs

    Jacovos e o Ex Presidente Lula, são parecidos, desconheciam os fatos, mas vão responsabilizar os culpados. Ah por favor, se o delegado não tem controle do próprio presidio, quem dirá na circunscricao da sub divisão. E aí Michelotto vai mandar ele para Maringá?

  10. Mano
    segunda-feira, 10 de janeiro de 2011 – 12:35 hs

    Esses auxiliares de carceragem que promoveram esse absurdo, não são policias civis, são mais uma excrecência criada pelo então “melhor Secretário de Segurança do Brasil” Delazari. São contratados temporariamente com salário de fome e colocados nessa difícel missão que é cuidar de presos. Esse é mais um absurdo que só serve para denegrir, ainda mais, a imagem da Poicia Civil. Lugar de preso é na Penitenciária e não em Delegacias de Polícia. Espero que o novo Secretário de Segurança dê um basta nisso.

  11. JAIR CARNEIRO SARANDI
    segunda-feira, 10 de janeiro de 2011 – 17:01 hs

    Eu conheço o JACOVOS estas atrapalhadas ele não aceita, na reportagem foi dito que ele estava viajando, por isso aconteceu este episodio. Agora ele esta tomando todas as providencias como ele mesmo disse e temos que esperar os resultados, agora e bem engraçado bastou surgir alguns comentarios de remoções de Delegado no PR acontece uma coisa dessa, esquisito, mas isso não mancha a historia do BOM DELEGADO JACOVOS NA POLICIA CIVIL DO PR.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*