Bombeiros que atuaram na tragédia do Rio de Janeiro voltam ao Paraná | Fábio Campana

Bombeiros que atuaram na tragédia do Rio de Janeiro voltam ao Paraná

Da Aen

Foto: Osvaldo Ribeiro

A equipe do Grupamento Aéreo da Polícia Militar do Paraná enviada pelo governador Beto Richa para ajudar nas buscas e salvamentos no Rio de Janeiro (RJ) apresentou, nesta quinta-feira (27), balanço de sua atuação. “O grupo paranaense salvou pessoas em locais em que só era possível chegar de helicóptero”, informou o comandante do grupamento e piloto da aeronave tenente-coronel Orlando Artur da Costa.

O grupo transportou 1,5 tonelada de alimentos, além de policiais, bombeiros militares e cães de busca para a realização dos serviços. “Levamos equipamentos necessários como cabos e redes de salvamento, macas, kits de socorros, além do pessoal especializado, pois em alguns locais só era possível fazer o trabalho com rapel”, disse.

Depois de dez dias de trabalho, em que foram resgatados sobreviventes e famílias isoladas, a tripulação concluiu sua participação e retornou ao Paraná. “Paulatinamente as coisas foram colocadas em ordem e, passada a fase emergencial de ajuda médica e salvamento, retornamos. Agora a região está em um momento de reestruturação, não mais de socorro”.

EXPERIÊNCIA – De acordo com o comandante do grupamento, o mais surpreendente nesta operação foi a extensão territorial da catástrofe e a destruição que ela causou, atingindo pessoas de todas as classes sociais. “Também surpreendeu a capacidade de gerenciamento de eventos como este da Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro”.

O co-piloto capitão Sérgio Eduardo Plácido lembrou que este tipo de atividade já aconteceu em 2008, em Santa Catarina, mas a proporção daquele evento forneceu experiências para ações futuras. “Nas condições climáticas encontradas lá, com chuva, a visão fica prejudicada, então além do trabalho precisávamos cuidar de nós mesmos, mas felizmente deu tudo certo no final”, relatou o capitão.

Os cinco integrantes do grupo seguiram com a aeronave para a região serrana do Rio de Janeiro no dia 15 de janeiro para prestar socorro a vítimas isoladas. A equipe realizou também o transporte de alimentos, medicamentos, bombeiros e pessoas enfermas.

EQUIPE – A equipe enviada ao Rio de Janeiro é formada por policiais e bombeiros militares e mais um mecânico. “O grupo foi composto desta forma para que fosse autossuficiente”, explica o tenente-coronel Artur. O helicóptero, adquirido em 2009 pelo governo do estado, tem autonomia para três horas e meia de vôo e capacidade para seis pessoas, além dos equipamentos.


4 comentários

  1. Carlos Henrique
    quinta-feira, 27 de janeiro de 2011 – 17:44 hs

    Nada no mundo pode pagar tamanho esforço, nós precisamos desse tipo de iniciativa, nesta hora poder e dinheiro não fazem nada, mas sim a ombriedade dos seres humanos, tudo o que fizeram foi para salvar vidas e amenizar sofrimentos parabéns e acho que é para isso que existem homens com tanta força de espirito e percepção. Somos todos irmãos para isso estender as mãos estarei rezando´por estes homens que ajudaram nesta hora tão dificil.

  2. quinta-feira, 27 de janeiro de 2011 – 20:26 hs

    EU LI HOJE A ENTREVISTA DO CORONEL………….OLHA SE NÃO NOS PREOCUPARMOS COM O FUTURO BEM PRÓXIMO DAS CHUVAS,,MILHARES DE BRASILEIROS IRÃO MORRER…………..

  3. Ammarante mello rego
    quinta-feira, 27 de janeiro de 2011 – 21:55 hs

    A ajuda humanitaria não pode ser usada para pirotecnia,e para fazer propaganda para governos,a pouco vimos a primeira dama de curitiba,com um saco de roupas ou alimentos posando sorridente para fotos.O brasil é sempre assim,quando a casa cai,chove donativos,mas sua distribuição que precisa material humano,as primeiras damas,e alguns valetes poderiam viajar para o lugar das ecatombes e botar a mão na massa ,já que gostam tanto de aparecer

  4. sexta-feira, 28 de janeiro de 2011 – 14:51 hs

    Guerreiros…valeu pela sitacao em seu site Fabio Campana…enfim alguma coisa de orgulharmos deste Paraná

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*