Anistia de funcionários virou trem da alegria | Fábio Campana

Anistia de funcionários virou trem da alegria

Hoje se entende porque o Ministério Publico do Paraná se negou a indicar um membro na Comissão de Anistia dos servidores públicos do Paraná. Inicialmente a Comissão instalada pelo ex-governador Roberto Requião, do PMDB, foi para anistiar os petistas demitidos arbitrariamente por Osmar Dias, do PDT, nos anos 80, quando foi secretário da Agricultura. Mas a moçada palaciana não resistiu e ampliou a benesse da forma mais questionável.

A anistia tornou-se um mecanismo para o retorno de servidores demitidos por outras razões. É só ver a lista dos anistiados por Roberto Requião e a que ainda vai ser publicada e elaborada por Orlando Pessuti nos seus últimos dias de governo. O Ministério Publico do Paraná talvez tenha previsto que isso acabaria em grande trem de alegria e se preservou para tomar medidas judiciais reparadoras.


3 comentários

  1. silva
    terça-feira, 11 de janeiro de 2011 – 13:01 hs

    Está ai uma questão que precisa passar pelo crivo do MP e TCE eda nova direção da SEAP !

    E ainda sobre as promoções e progressões dos vários PCCS do Poder Executivo, necessita-se fazer um pente fino sobre quem as recebeu, se atenderam os critérios ou receberam os benefícios gratuitamente, iu seja, sem os merecer !

    Vale dizer que o governo anterior, assim como todos os que assumem o poder (a esperança é que o atual fuja á regra), rejeitaram a participação de representantes sindicais nas comissões de trabalho, “talvez” (alguma dúvida ?) com o fito de evitar maiores controles e a necessária transparência !

    Esperamos que o Sr. Beto Richa, também não repita a fórmula, alijando os sindicatos dos processos de decisão acerca institutos relacionados a questão “gestão de pessoas”, o velha Gestão de RH !

    É esperar pra ver !

  2. Jose Carlos
    terça-feira, 11 de janeiro de 2011 – 13:48 hs

    A lei foi proposta pelo então deputado Richa… o Paraná é o único estado brasileiro onde a ditadura militar começou em 25 de agosto de 1961… talvez porque o governador fosse o general Ney Braga… coisas da roça paranaense e seus jecas, desejosos que o mundo se acabe em barranco para morrerem encostados….

  3. antonio carlos
    terça-feira, 11 de janeiro de 2011 – 19:15 hs

    O Ministério Público não deve se omitir, porque trem da alegria só serve para trazer de volta ao serviço público, salvo raríssimas exceções, servidores imprestáveis. A sociedade já paga por um serviço público caro e deficiente, vai agora pagar por maus servidores, e gente com vínculos com ex-desgovernadores. E vocês sabem, o servidor público goza de estabilidade, aí….
    ACarlos

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*