Relatório mostra EUA como refúgio para nazistas após 2ª Guerra | Fábio Campana

Relatório mostra EUA como refúgio para nazistas após 2ª Guerra

Da AFP

Um relatório que os governos americanos tentaram ocultar durante quatro anos explica como os Estados Unidos selaram um “pacto com o diabo” e se transformaram em um “refúgio” para criminosos nazistas nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial.

“Os Estados Unidos, que se orgulham de terem sido um refúgio para os perseguidos, se transformaram, em certa medida, também em um refúgio para os perseguidores”, afirma a Agência de Investigações Especiais (OSI) no relatório, revelado pelo jornal New York Times e ao qual a AFP teve acesso.

Criada em 1979 para rastrear os nazistas residentes em território americano e organizar sua expulsão, a OSI foi adicionada recentemente a outros serviços do Departamento de Justiça para constituir a seção “direitos humanos e sumários especiais”.

O documento revela o trabalho da OSI desde sua formação e destaca a “concessão ética da política americana na utilização de ex-oficiais nazistas como informantes, em seu programa espacial ou outros projetos militares secretos”, disse Efraïm Zuroff, diretor do departamento vinculado ao rastreamentos de nazistas no Centro Simon Wiesenthal.

“Estes temas são bem conhecidos”, recordou o especialista no jornal britânico The Guardian.
“Mas merecem ser reexaminados”, disse.

O relatório de mais de 600 páginas redigido em 2006, no entanto, demorou quatro anos para poder ser publicado em sua totalidade.

Um alto funcionário do governo afirmou à AFP, na condição de anonimato, que era um “rascunho que nunca foi validado e continha erros e omissões”. Além disso, destacou que por falta de recursos não foi concluído.
Depois de um ano de batalhas burocrática, o Departamento de Justiça entregou uma cópia repleta de censuras à organização sem fins lucrativos Arquivos de Segurança Nacional, que havia ameaçado recorrer à justiça.

“O Departamento se comprometeu com a transparência, advogados especializados tomaram a decisão de cortas certos trechos por respeito à vida privada ou respeito à lei”, disse à AFP Laura Swenney, porta-voz do departamento.

Com a quantidade de trechos apagados, ex-funcionários do governo terminaram por entregar a íntegra do relatório ao New York Times.

“Agora que podemos fazer a comparação entre o documento censurado e o texto completo, fica claro que o Departamento de Justiça ocultou informações sem nenhuma justificativa jurídica”, disse David Sobel, advogado da Arquivos de Segurança Nacional.

“Para um governo e um departamento que haviam se comprometido com um nível de transparência ‘sem precedentes’, se trata de um exemplo pertubador da distância entre a realidade e a retórica”, destaca a organização em um comunicado.

A recepção nos Estados Unidos de cientistas alemães e austríacos após a Segunda Guerra mundial, para acelerar a vitória contra o Japão em um primeiro momento, e para que a União Soviética não desse refúgio em um segundo instante, é um fato conhecido.

Mas o documento apresenta mais detalhes sobre os procedimentos e mostra até que ponto aqueles homes foram recebidos com o conhecimento de Washington.

O relatório aprofunda especialmente os conhecimentos históricos sobre a maneira como Agência Central de Inteligência (CIA) american utilizou os serviços dos ex-nazistas, tanto no exterior como dentro dos Estados Unidos.

“Continuamos dissimulando, continuamos escondendo que algumas pessoas em nosso país perverteram o sentido de interesse nacional. Já é hora que isto seja conhecido”, afirmou ao canal NBC Abraham Foxman, integrante de uma organização que combate o antissemitismo


2 comentários

  1. antonio carlos
    domingo, 21 de novembro de 2010 – 19:35 hs

    E agora o que é que vai dizer o tal centro Wiesenthal, que vivia dizendo que Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, e outros países latinoamericanos deram guarida aos criminosos nazistas? Só nós? E o Tio Sam? Não? Á vista de tais revelações a História deve ser reescrita, principalmente a contada pelos Discoveries e History Channells americanos. Como é que ficamos agora? A verdade tarda mas não falha, mas ela precisa ser do conhecimento de todos, e não só de uma meia dúzia. ACarlos

  2. Amelio ral aas
    domingo, 21 de novembro de 2010 – 22:47 hs

    Se tratando dos e u a nao tem nada de anormal, povo que vive jogando bombas aleatorias na cabeça de crianças pelo mundo inteiro va se esperar o que

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*