Palocci é cotado para o Ministério das Comunicações | Fábio Campana

Palocci é cotado para o Ministério das Comunicações

Por Vera Rosa, de O Estado de S.Paulo

A presidente eleita Dilma Rousseff ouviu sugestões, dentro do governo, para pôr Antonio Palocci no comando do Ministério das Comunicações, hoje dirigido pelo PMDB. A ideia de Dilma é turbinar a pasta, que abriga o Plano Nacional de Banda Larga – programa para universalizar a internet rápida – e regulamenta as concessões de rádio e TV.

A proposta de puxar Palocci para as Comunicações coincide com a decisão do PT de reivindicar para sua cota não apenas esse latifúndio como também a Saúde – hoje nas mãos do PMDB -, além de pedir a retomada do Ministério das Cidades. Embute, ainda, o desejo de melhorar o relacionamento com a imprensa, desgastado no governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Nos bastidores do Planalto, o comentário é o de que o ex-ministro da Fazenda, dono de estilo discreto e jeitoso, pode atuar como uma espécie de “embaixador” e fazer pontes entre o governo e a mídia. Embora Dilma ainda não tenha batido o martelo sobre o destino de Palocci, na prática ele virou um curinga da nova equipe, cada vez mais cotado para ocupar superministérios.

Alvejado no passado pela própria Dilma, que em novembro de 2005 chamou de “rudimentar” o ajuste fiscal de longo prazo, Palocci foi um dos principais coordenadores do staff da então candidata do PT. Ganhou sua confiança de tal forma que ninguém duvida de sua influência no novo governo.

De homem do presidente Lula na campanha, o ex-comandante da economia – abatido pelo escândalo da quebra de sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa, em 2006 – tornou-se interlocutor privilegiado de Dilma. Ela o chama de “Palocinho”; ele se refere a ela como “tia”.


4 comentários

  1. comandante
    sábado, 13 de novembro de 2010 – 17:37 hs

    O controle de pastas sensíveis é uma das estratégias do socialismo…a comunicação é a ponta de lança do domínio total.

  2. coveiro
    sábado, 13 de novembro de 2010 – 19:36 hs

    “Ela o chama de “Palocinho”; ele se refere a ela como “tia”.”
    Que meigo !!!
    Tanta ternura tem preço, e quem paga é este povinho que não sabe votar.

  3. Observador
    sábado, 13 de novembro de 2010 – 21:13 hs

    É tão fácil melhorar o relacionamento, não só com a imprensa, também com o povo, é só cortar de vez o relacionamento com
    o dito cujo referido citado em destaque …

  4. Ammarante mello rego
    segunda-feira, 15 de novembro de 2010 – 0:25 hs

    essa pose como estatua de rodin,nao quer dizer nada ,deve estar matutando as proximas maracutaias. Cuidado com esse mala Dilma

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*