Direção da Cohapar jura que não há rombo em suas contas | Fábio Campana

Direção da Cohapar jura que não há rombo em suas contas

Do Roger Pereira no Estadinho

Antes mesmo da coletiva da equipe de Orlando Pessuti (PMDB) para responder ao relatório da transição de Beto Richa, a Cohapar já rebateu as informações que dizem respeito à companhia.

Segundo a Cohapar, o relatório que aponta dívida de R$ 450 milhões e necessidade de desembolso de R$ 12 milhões para a retomada de 3,376 obras “demonstra o total despreparo e desconhecimento, da equipe de transição nomeada, na interpretação de relatórios técnicos e contábeis apresentados pela Cohapar”.

A companhia admite a dívida, contraída junto ao Banco Nacional de Habitação (BNH) por conta da negociação do Fundo de Compensação de Variação Salarial mas esclarece que também é credora de R$ 200 milhões no Fundo, por conta do refinanciamento de contratos com a União.

A companhia salientou, ainda, que a dívida vem sendo paga mensalmente com os recursos das prestações mensais pagas por seus mutuários. Sobre a necessidade do desembolso de R$ 12 milhões para a retomada das obras, a companhia informou que o governo já remanejou R$ 20 milhões para a retomada das obras, que também têm previsão de R$ 10 milhões no Orçamento de 2011 para sua conclusão.


2 comentários

  1. Choque de Gestão!?
    sexta-feira, 26 de novembro de 2010 – 13:20 hs

    ah bom, tá explicado. A dívida é “só” de R$ 250 milhões. Agora ficou bem fácil de resolver. Queremos ver se o futuro governador terá “peito” para tomar todas as medidas necessárias na empresa. Fazer auditoria é fácil, já foram feitas diversas auditorias, e nunca deram em nada. Será que o novo governador terá coragem de fazer o tal “choque de gestão” nesta empresa? Falar é muito fácil. “Choque de Gestão”, palavra muito bonita, quero ver por em prática na COHAPAR. Daqui a poucas semanas, acaba a fase do discurso “fácil” e terá que começar a “ação”. No momento, em que o futuro Governador, perceber o “curral eleitoral” que é a COHAPAR e os interesses politico-eleitoreiros dos Deputados e prefeitos pelos cargos da empresa, duvido que faça algum “choque de gestão”…

  2. Anônimo
    sexta-feira, 26 de novembro de 2010 – 22:46 hs

    Tem sim, com os restaurantes que venderam fiado ao gordão que assim como o outro gordão antes do Requeijão, se fartava com a tradicional, rara e caríssíma cusine de la France, principal mente com o festejado FUA GRÁ, ou, trocando em miúdos – não é trocadilho – figado de ganso gorduroso e ESPECIAL.que custa duzentão a peça.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*