Serra venceu em 8 regiões do Paraná; Dilma em apenas 3 | Fábio Campana

Serra venceu em 8 regiões do Paraná;
Dilma em apenas 3

Da Bruna Maestri Walter na Gazeta do Povo

Impulsionado pela popularidade de Beto Richa, tucano teve 296,4 mil votos a mais do que a adversária no estado. Petista liderou em áreas rurais

José Serra, candidato à Presidência pelo PSDB, venceu a presidenciável Dilma Rousseff (PT) em 8 das 11 regiões do Paraná e conquistou 296.425 votos a mais do que a adversária no estado. Impulsionado pela popularidade do governador eleito, Beto Richa (PSDB), Serra liderou em Curitiba e ampliou a vantagem para outras regiões, principalmente o Norte Central e o Norte Pioneiro, que fazem divisa com São Paulo, estado governado por Serra até março deste ano.

Dilma conseguiu segurar a liderança nas outras três regiões (Centro-Sul, Oeste e Sudoeste) graças a benefícios sociais do governo federal e à mobilização de forças políticas alinhadas à esquerda, já que essas áreas têm forte presença de assentamentos rurais.

A diferença de votação entre Serra e Dilma por região mostra a diversidade do eleitorado paranaense. A professora de História Marion Brepohl de Magalhães, da UFPR, explica que as regiões mais a Oeste foram ocupadas tardiamente por pequenos agricultores e que elas têm forte presença do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) e do sindicalismo rural. “Hoje as plataformas [entre partidos] estão bastante semelhantes, mas ainda assim o PT tem esse forte apelo de ser um partido de esquerda, que atende os sem-terra, pequenos produtores e sindicatos”, afirma a professora, que escreveu na década de 90 o livro “Paraná Reinventado”, sobre o comportamento eleitoral por região.

* Saiba mais
* Saiba onde Dilma Rousseff (PT) e José Serra(PSDB) tiverama melhor votação no Paraná

Ação social garante 81% de votos para a petista em cidade do Sudoeste

Se a candidata petista Dilma Rousseff dependesse apenas dos votos de eleitores do pequeno município de Pinhal de São Bento, no Sudoeste do Paraná, venceria as eleições no primeiro turno com uma vantagem surpreendente sobre o tucano José Serra. Ela recebeu nada menos do que 80,98% dos 1.668 votos válidos na cidade. Serra fez 260 votos (15,4%) e Marina Silva (PV) teve o apoio de apenas 45 eleitores, 2,67% do total.

Leia a matéria completa
Militância dá 63% para o tucano em município do Norte Pioneiro

Além de mostrar que, a cada dez eleitores, seis votam em José Serra (PSDB), o primeiro turno das eleições provou que em Wenceslau Braz, cidade do Norte Pioneiro, um bom cabo eleitoral e a militância podem fazer a diferença em uma campanha. Na cidade, onde vivem cerca de 19 mil habitantes e 14,5 mil eleitores, tradicionalmente o que dita a regra nas eleições para presidente é o poder de convencimento dos cabos eleitorais.

Leia a matéria completa

O membro da coordenação estadual do MST José Damasceno confirma que o movimento tende a votar em candidatos da esquerda. Prova disso é que no Centro-Sul, onde está a maior parte de famílias assentadas, Dilma tem a preferência de 53,9% do eleitorado.

O presidente do PT no Paraná, Ênio Verri, diz que a aceitação da legenda é maior nas regiões que “tiveram conquistas econômicas e sociais” com o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Dilma foi a mais votada em 147 das 150 cidades com a maior cobertura do Bolsa Família, de acordo com levantamento feito pelo jornal Folha de S. Paulo.

No Paraná, o município em que a petista teve mais votos proporcionalmente foi Pinhal de São Bento (80,98% dos votos vpalidos), na região Sudoeste. É uma cidade rural, com 2,5 mil habitantes, onde 39% das famílias recebem o Bolsa Família.

Lar tucano

Já Wenceslau Braz, no Norte Pioneiro, foi a cidade em que Serra teve a votação mais expressiva no Paraná, com 63,36% dos votos válidos. O município de 18,7 mil habitantes depende menos do Bolsa Família na comparação com Pinhal de São Bento. Dos dez municípios onde Serra recebeu mais votos no Paraná, seis ficam no Norte Central e no Norte Pioneiro.

O analista político Bianco Zalmora Garcia, professor de Ética e Política da Universidade Estadual de Londrina (UEL), diz que no eleitorado do Norte há um conservadorismo religioso e cultural.

O presidente estadual do PSDB, Valdir Rossoni, diz que a legenda tem maior inserção nas cidades grandes do que nas pequenas. “Agora vamos ter que trabalhar nos pequenos municípios para a campanha do Serra”, afirma.


21 comentários

  1. bimbo
    terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 12:52 hs

    Depois não venham chorar que o MST invadiu suas terras, seus otários( como dizia Ciro Gomes) agóra do lado da “dilMA”.

  2. CAÇADOR DE PETISTAS
    terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 13:28 hs

    amos lá pessoas de bem, vamos firme para o segundo truno eleger SERRA PRESIDENTE e acabar de vez co9m a DITADORA COMUNISTA DE LULA E DILMA. CHEGA DE MENTIRAS. FORA PT, FORA DILMA.

  3. Jeferson
    terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 13:37 hs

    É o que sempre digo:
    O lula foi equilibrar a economia agora quem era pobre está se sentindo um
    ” Playboy “.

  4. FORA PT
    terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 14:22 hs

    POR FAVOR REGIÕES OESTE, CENTRO – SUL E SUDOESTE !
    ACORDEM !
    QUEREM QUEBRAR O PARANÁ !

    CHEGA DESSE PT MENTIROSO E CORRUPTO !

    PRECISAMOS DO SERRA PRESIDENTE PARA OS RECURSOS CHEGAREM AO PARANÁ !

    O PARANÁ É SERRA 45 !

  5. Maria´s
    terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 16:10 hs

    Acho que aqui no Paraná o Serra teve os votos que teve, não pelo Beto Richa, e sim pelo Álvaro Dias. Tive a impressão, posso estar enganda, que Álvaro Dias dedicou-se bem mais na campanha do Serra por aqui. E muitos votos p/ o candidato do PSDB, com toda certeza, não foram nem por influência de governador eleito, nem do senador. O eleitor decidiu bem sozinho ( No futuro, tomara que seja sempre assim).
    Então, talvez agora, o Serra consiga bem mais votos por aqui, pois o Beto Richa está mais livre para dedicar-se. Vamos ver…

  6. terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 16:57 hs

    Este sudoeste do Parana esta na hora de pensar melhor, o povo e bom ordeiro e trabalhador, mas esta iludido, Serra para melhor o pais e tirarmos todas esta hi´pocrisias deste mal que e o pt,

  7. Duval Simões Araújo-Londrina
    terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 17:23 hs

    Dilma venceu onde o PDT, pela influência gaúcha, é forte e apoiavam Osmar e ela. Mas o Paraná, como um todo, foi homogêneo em votar Serra. Aqui em Londrina por exemplo, Serra disparou e Dilma ficou em 3º lugar. Marina ficou à frente.
    No 2º turno vai ser um pau de novo no Paraná todo.

  8. Chico Requeijão
    terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 17:40 hs

    A ignorância surpreende. Depois dos obsurdos na Assembleia Legislativa, passam as eleições e quem foram os eleitos: os mesmos (reclamamos, reclamamos, e elegemos esses deputados).
    Serve de lição a derrota de Osmar Dias, qua virou suas armas após a “conversinha” com Lula e Luppi. Os paranaenses já demonstraram que não querem Dilma como presidenta (facil, claro e objetivo). O mais preocupante, são as condições que o Paraná será entregue em 01.01.2011. Beto Richa é competente, porém, reconstruir tudo que foi destruído, só se fizer Milagre.
    Menino Beto, tem o apoio incontido dos paranaenses… Pior de tudo, são os asseclas do Governador, que não sabem aonde terão que trabalhar depois de janeiro/2011, pois serão substituidos. É o Novo Paraná que está chegando!

  9. Apucaranse
    terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 17:57 hs

    Em Apucarana o Beto Ganhou e o Serra , Mesmo o Pe Valter ter trabalhado para o Osmar e Dilma , ele e seus acessores lancando contra o Beto os Laranjas podres , mais nós professores acreditamos no Beto

  10. RST
    terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 17:58 hs

    Se o Zé Chirico Serra for eleito, muito brasileiro um dia vai ter que dar explicaçoes a seus descendentes, o porque de seu voto a um entreguista.

    O mercador do pré-sal

    Posted by eduguim on 12/10/10 • Categorized as Aviso

    O uso de qualquer arma pela campanha de José Serra, que está recorrendo à difamação da adversária, Dilma Rousseff, por todos os meios, com todo tipo de acusação, o que inclui até a vida sexual dela, e o espantoso apoio que os maiores jornais, revistas e televisões estão dando à estratégia difamatória, tudo isso não acontece só pela retomada do poder.

    Você nunca viu uma campanha eleitoral como esta. Mesmo Fernando Collor de Mello, em 1989, jamais chegou ao ponto de difamar Lula usando homossexualidade ou acusações de que ele matava criancinhas. A campanha de difamação movida contra Dilma é a maior que este país já viu e utilizando “acusações” que em pleno século XXI são espantosas e inéditas.

    Tudo isso só para se eleger presidente?

    Os livros de história contarão a verdade sobre a campanha mais insidiosa contra uma única pessoa que fora empreendida até então no país. O que leva um único homem a se tornar beneficiário e autor de um processo tão repugnante e a grande imprensa de uma nação com a visibilidade do Brasil a se acumpliciar a ele?

    O Brasil de 2002 e de 2006 não valia o preço de o candidato da direita e a imprensa conservadora irem tão longe. Não valia porque não existia neste país a riqueza que atualmente é a mais cobiçada da face da Terra, tão cobiçada que fez os Estados Unidos desencadearem uma onda de guerras contra países produtores de petróleo a fim de garantirem para si o abastecimento de um produto que escasseia no mundo e sem o qual esse país invasor poderia parar, literalmente.

    É o pré-sal, estúpido. A Petrobrás, sob o governo Lula, tornou-se a quarta empresa mais valiosa do mundo. Um grupo político que consiga viabilizar a entrega dos subsolo brasileiro às petrolíferas multinacionais, exatamente como o governo Fernando Henrique Cardoso fez em 1997, ganhará dinheiro que sobrará aos seus descendentes daqui a mil anos.

    As reservas de petróleo encontradas na camada pré-sal do litoral brasileiro estão dentro da área marítima considerada zona econômica exclusiva de nosso país. São reservas com petróleo considerado de média a alta qualidade, segundo a escala API.

    O conjunto de campos petrolíferos do pré-sal se estende do litoral dos estados do Espírito Santo até Santa Catarina, com profundidades que variam de 1000 a 2000 metros de lâmina d’água e entre quatro e seis mil metros de profundidade.

    Apenas com a descoberta dos três primeiros campos do pré-sal – Tupi, Iara e Parque das Baleias – as reservas brasileiras comprovadas, que eram de 14 bilhões de barris, aumentaram para 33 bilhões de barris. Além destas, existem reservas possíveis e prováveis de 50 a 100 bilhões de barris.

    Há estimativas de que o preço do barril do petróleo deve chegar até a 80 dólares no ano que vem. Se tivermos, no limite, 100 bilhões de barris de petróleo enterrados no mar que banha as nossas praias, estaremos falando de OITO TRILHÕES DE DÓLARES.

    Só para se ter idéia de quanto dinheiro é, basta dizer que o PIB dos EUA em 2009 foi de 14 trilhões de dólares. Ou seja, o Brasil pode ter mais da metade do PIB americano enterrado em seu litoral. Quanto vale a comissão de quem intermediar a venda de uma riqueza desse quilate? 1, 2 ou, quem sabe, até uns estupefacientes 3%?!

    Muito dinheiro, não? Quem acha que há homens que matariam a própria mãe por tanta riqueza e poder?

    Quem seriam esses homens? Penso que são aqueles que desde que se confirmou a riqueza imensurável que há em nosso subsolo apressaram-se em defender a privatização do subsolo brasileiro que o governo FHC promoveu, sobretudo em 1997 quando vendeu um enorme pedaço da Petrobrás.

    As operações de exploração e produção de petróleo foram conduzidas pela Petrobrás de 1954 a 1997. Depois de 40 anos de monopólio da empresa, o trabalho de exploração, produção, refino e transporte do petróleo no Brasil foi permitido a empresas estrangeiras em 1997, quando Fernando Henrique Cardoso sancionou a Lei N° 9.478, que gerou a permissão.

    Não é por outra razão que o PSDB e o PFL (agora disfarçado de “democratas”) propõem o regime de concessão para exploração do pré-sal enquanto que o governo Lula defende o regime de partilha.

    No regime de concessão, que os tucanos implantaram no Brasil em 1997, a multinacional ganhará aquele pedaço do subsolo brasileiro para explorar e será a dona do que ali encontrar. Já no sistema do governo Lula, de partilha, tudo que for encontrado será do povo brasileiro e a quem extrair o petróleo caberá, simplificando, uma comissão pelo trabalho.

    Essa riqueza toda pode dar ao país educação e saúde públicas de alta qualidade, por exemplo. Estradas, segurança, infra-estrutura… O pré-sal é o passaporte do Brasil e do seu povo para o Primeiro Mundo. Não lhe parece bom demais para ser verdade, leitor?

    Sim, como você intuiu, há um problema. Para variar, os piratas da nação, os autores da mesma privataria que, por exemplo, vendeu o subsolo brasileiro ao privatizar a Vale, agora querem vender a Petrobrás. Por isso, não existe limite para o que o PSDB, o PFL, a Globo, a Folha, a Veja e o Estadão poderão fazer para eleger José Serra.

    *

  11. Dilmentira
    terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 18:56 hs

    Agência Estado

    O economista e ex-diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo (ANP) David Zylbersztajn divulgou nesta terça-feira uma nota de “esclarecimento público” sobre as afirmações da candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, na noite de domingo, no primeiro debate do segundo turno da campanha eleitoral promovido pela TV Bandeirantes.

    Dilma levantou a suspeita de que o candidato adversário, o tucano José Serra, queria “privatizar o pré-sal”. Ela citou declarações de Zylbersztajn feitas durante seminário da revista Exame, no Rio, em setembro passado. A seguir, a nota do economista:

    ESCLARECIMENTO PÚBLICO

    “Durante o debate da Rede Bandeirantes, ocorrido no último domingo, dia 10, a candidata do Partido dos Trabalhadores, sra. Dilma Rousseff referiu-se a mim de forma inverídica e tendenciosa, induzindo, deliberadamente, o eleitor ao erro.

    A mesma afirmação tem sido repetida nos programas eleitorais.

    Em primeiro lugar refere-se a mim como assessor do candidato do PSDB, José Serra. Devo esclarecer que não sou, nem nunca fui assessor do candidato.

    Mais grave, afirma que declarei ser a favor da privatização do pré-sal ! A candidata (ou quem a assessora) delira, talvez motivada por assombrações que lhe assomam, vendo uma privatização a cada esquina.

    As declarações recentes sobre o assunto (e que encontram-se devidamente registradas em áudio e vídeo) foram dadas em seminário realizado pela Revista EXAME, no Rio de Janeiro, há cerca de uma semana.

    Na qualidade de expositor, defendi a manutenção do atual sistema de concessões também para as futuras licitações, sejam elas no pré-sal, ou fora dele.

    As áreas do pré-sal, contém, como seria de se esperar, petróleo e gás, os mesmos existentes nas áreas fora do pré-sal.

    O modelo de partilha proposto, na minha opinião, é danoso aos interesses do país, por motivos diversos, que não cabem explicar em detalhes neste momento.

    O pior deles refere-se à criação de uma estatal para comprar e vender petróleo. Além do mais, a proposta é danosa à Petrobras, que, queira ou não, será obrigada a participar de todos os campos do pré-sal, seja isto de seu interesse, ou não.

    Por fim, nunca é demais lembrar que o exitoso modelo de concessões foi implantado a partir da Lei do Petróleo, a partir de 1999. Durante o governo FHC foram realizados 4 leilões sob este regime (num dos quais foram licitadas as áreas do pré-sal). No governo do PT foram 6. Ou seja, se este é um modelo privatizante, foi aplicado de forma bem sucedida e permanente pelo governo do qual fazia parte a candidata Dilma, inclusive na qualidade de Ministra de Minas e Energia.

    Por fim, este episódio faz-me lembrar de um trecho da introdução do “Crime do Padre Amaro”, de Eça de Queirós, onde para uma situação semelhante, o autor afirmava tratar-se de “má fé cínica ou obtusidade córnea”. Neste caso, suponho tratar-se de ambas.

    Esta é a verdade.

    David Zylbersztajn

  12. terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 19:19 hs

    A narco-terrorista, en”SERRA”rá a sua mal iniciada
    carreira ditatorial aqui mesmo no Paraná.

    Levara uma “sabugada” que perderá até as eiras,
    quanto mais as beiras!

    Vamos que vamos.

    Liberdade SEMPRE. – SERRA presidente.

    Paula Vadinho
    Rua Antonio Gonçalves de Castro, 348
    Sengés – Pr

  13. Jango
    terça-feira, 12 de outubro de 2010 – 19:21 hs

    Este “bimbo” é o que costumo chamar de cabeça de bagre. Já o “Jeferson”, pela maneira como se expressa deve ser muito rico e tem nojo de pobre (kkkkk).

  14. dirceu cadaval
    quarta-feira, 13 de outubro de 2010 – 8:04 hs

    não atiantou nada perdeu e vai ser sempre o segundo rara

  15. Parreiras Rodrigues
    quarta-feira, 13 de outubro de 2010 – 8:38 hs

    Lançada a campanha: Pela anexação do Oeste ao Pernambuco. Mas que não levem as Cataratas.

  16. DILMA NÃO.
    quarta-feira, 13 de outubro de 2010 – 9:30 hs

    O povo quer assim. O povo quer a vitória de JOSÉ SERRA.
    Vamos falar não aLula e Dilma.
    Pessoas sérias votam em gente séria.
    Fora Dilmentira, ABORTO NÃO. Fora Lula da Silva. DITADURA NÃO.

  17. marcelo tombini
    quarta-feira, 13 de outubro de 2010 – 9:47 hs

    kkkkkkkkkkkkkkk… boa gurizada.isso ai é verdade q vcs falaram.

  18. VERDADE
    quarta-feira, 13 de outubro de 2010 – 10:24 hs

    Não entendi! Ele tem 8 das 11 regiões e a diferença é de 296 mil ou 2 milhões? Se for 296 mil tá fraco, hem?

  19. Pina
    quarta-feira, 13 de outubro de 2010 – 11:05 hs

    O Paraná tem que reafirmar sua independência e força política, e não deixar como sempre fêz, o PT se instalar por essas terras maravilhosas e abençoadas por Deus, somos um Povo diferente, um Povo Trabalhador, um Povo esclarecido, que não aceita que a ignorância e a burrice tome conta de nossas mentes e de nosso solo, vamos de JOSE SERRA, para o bem do Paraná e principalmente para o bem de nosso Brasil!!!!!!!

  20. Julio Cesar Fernandes
    quarta-feira, 13 de outubro de 2010 – 15:45 hs

    Outro motivo da vitória de Dilma princiupalmente nos pequenos municípios do Oeste – em Cascavel, ao contrário, deu Serra – foi a pressão exercida pelo Governo do Estado junto aos prefeitos.
    A ameaça de perderem recursos fez muitos prefeitos, ainda que a contragosto, se engajarem nas campanhas de Osmar Dias e (argh !!) Dilma Rousseff.

  21. quarta-feira, 13 de outubro de 2010 – 20:45 hs

    AGORA COM O APOIO DOS APOSENTADOS,,EM TODO O BRASIL O SERRA VAI SER O NOSSO FUTURO PRESIDENTE……………………

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*