Nível da campanha impede união nacional, diz presidente do PSDB | Fábio Campana

Nível da campanha impede união nacional, diz presidente do PSDB

Da Folha.com

O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra, disse hoje (31) em Recife (PE) que não acredita na concretização do projeto de união nacional propagado durante a campanha pelos dois candidatos à Presidência, José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT).

“Não [acredito], porque essa campanha foi muito radical, violenta”, justificou. “Se a campanha tivesse obedecido a lei, tivesse um comportamento linear, era possível um projeto de união nacional, mas ela não se deu”, declarou. “O que se deu foi confronto o tempo todo, agressão para um lado, agressão para o outro. Isso dificulta.”

Pessoalmente, porém, Guerra afirmou ser “daqueles que defendem que as pessoas de qualquer partido, desde que tenham intenções seguras, pela democracia, se juntem”. “Os partidos como estão não podem ficar”, disse ele.

O senador classificou o nível da campanha como “deplorável, algo que não honra a tradição democrática brasileira”.

No segundo turno, disse, “a candidata Dilma teve uma postura ofensiva”. Já no primeiro turno, afirmou, “quem foi ofensivo, do ponto de vista da discussão dos temas, foi a imprensa, não fomos nós”. “A imprensa foi quem levantou um conjunto de questões que atingiram a campanha da Dilma.

Comparando a eleição de 2010 com a de quatro anos atrás, o senador afirmou que atual gerou “muito mais despesa e custo”, além de mais “desordem e descumprimento da lei”.

“Quando a disputa se deu entre Geraldo Alckmin e Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006, houve os aloprados. Agora, os aloprados foram multiplicados por cem e se distribuíram. Um país de aloprados”, declarou.

REFORMA POLÍTICA

Na entrevista, concedida pouco antes de votar, em Recife, Guerra defendeu o início “imediato” das discussões sobre a reforma política no Brasil.

“Essas regras que estão aí não servem para ninguém mais, nem para nós nem para o adversário nem para a democracia”, disse. “Elas têm que ser rompidas, começar uma outra política, uma verdadeira reforma política. E, na minha opinião, deve começar amanhã”, afirmou.

Para o presidente do PSDB, “não dá mais para disputar uma eleição como a gente vem disputando”. As eleições proporcionais, disse, “estão desmoralizadas” e, nas eleições gerais, “há um festival de descumprimento da lei”.

Para Guerra, “o papel das pesquisas também tem de ser reavaliado, porque elas interferem nas intenções de voto, afetam o processo eleitoral”.

Numa eventual reforma política, o senador, eleito deputado federal este ano, afirmou que defenderá “uma evolução para o voto distrital”. “Pode ser mista, num primeiro momento. Do jeito que está, não dá para disputar uma eleição, porque elas estão inteiramente prejudicadas na sua legitimidade.”


4 comentários

  1. Parreiras Rodrigues
    domingo, 31 de outubro de 2010 – 16:57 hs

    Se perdermos, nada de contemplação. Lula se empenha ao máximo, desafia e afronta instituições para fazer campanha pro seu pau mandado. Todo mundo notou o seu apavoramento. Medo de perder e saber que vão erguer o tapete onde ele vem escondendo as suas bilionárias maracutaias.
    No primeiro governo dele, a Oposiçao perdeu enorme oportunidade de cassálo quando do escândalo do mensalão.
    Agora o negócio é acochar..

  2. salete cesconeto de arruda
    domingo, 31 de outubro de 2010 – 17:45 hs

    O Guerra do mensalão do DF tem moral para falar qualquer coisa?

  3. Realista
    domingo, 31 de outubro de 2010 – 23:13 hs

    O tempo é professor.
    No inicio, com o FHC, o PSDB mostrou que vinha para governar seguindo a cartilha socialdemocrata, mas logo se perdeu.
    As privatizações – da maneira como foram feitas –, foram muito mais exemplos da bíblia neo liberal do que os mais ativos neo liberais dos EUA e da Europa, ou seja, os “caras” do mercado.
    E aí aconteceu o inevitável: o PT ocupou o espaço socildemocrata, na teoria e na prática, sabendo que a história anda e que a “ideologia” já môfa e ultrapassada, não servia mais, pelo menos para governar o Brasil.
    O resultado aí está. O PT fez na prática o que o PSDB pregava mas não fazia.
    O PSDB vai ter que rever a sua IDEOLOGIA, em um momento em que o mundo já se tornou PÓS IDEOLÓGICO.
    A história é cruel…e anda.

  4. joão carlos sorcesse
    segunda-feira, 1 de novembro de 2010 – 10:19 hs

    O BEM VENCEU O MAL, vitória da Fé, da crença em Deus e da certeza de que ele é superior.

    Nunca nesses 47 anos de vida vi um partido ou uma facção tão suja. O tal PSDB/DEM usou da mais pervessa politica de humilhação e calunias contra a candidata e agora graças a Deus presidente do Brasil. expediente também usado pelo filhote aqui no Paraná, que infelizmente o povo paranaense não perceu e agora vai sofrer.
    O Lula está ligado aqui no Paraná, ele agora sabe quem é o filhote e do que ele é capaz para chegar ao poder.

    Atenção meios de comunicação, GLOBO-SBT-BAND- fonado, escrito, visualizado, radio e televisão.Aplaudam a sabedoria do povo Brasileiro.

    Povo paranaense que não votou na Dilma, não se preocupem . Ela perdoou voces e vai governar para todos.

    João carlos

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*