Educação entrega carta-compromisso a presidenciáveis | Fábio Campana

Educação entrega carta-compromisso a presidenciáveis

Renata Camargo do Congresso em Foco

Na data em que se comemora o Dia do Professor (15 de outubro), entidades ligadas à educação fazem nova tentativa para angariar compromissos dos presidenciáveis para garantir uma educação de qualidade a todos.

Redigida por 25 entidades e movimentos nacionais, a Carta-compromisso pela garantia do direito à educação de qualidade será entregue hoje aos candidatos à Presidência Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB).

A intenção é que, nesta reta final das eleições, os presidenciáveis se comprometam com a educação de qualidade e assegurem políticas públicas educacionais capazes de garantir o alcance do direito à educação a todos os brasileiros.

Entre as medidas defendidas pelas entidades, está a inclusão, até o ano de 2016, de todas as crianças e adolescentes de 4 a 17 anos na escola.

As entidades também querem que os presidenciáveis se comprometam com a erradicação do analfabetismo e com a implementação de ações concretas para valorizar os profissionais de educação. Como medida para erradicar o analfabetismo, as entidades propõem a meta de garantir que, até o ano de 2014, todas as crianças brasileiras com até os 8 anos de idade estejam alfabetizadas.

A candidata petista receberá a carta-compromisso com a educação às 14h no Palácio do Trabalhador, em São Paulo. No local, Dilma participa do Ato pela Educação, Juventude, Ciência e Tecnologia. O candidato tucano receberá o documento às 17h30, no Hotel Boulevard, em Londrina (PR). Em homenagem ao Dia do Professor, Serra destacou hoje, no horário eleitoral do rádio, as propostas de seu programa de governo para educação.


6 comentários

  1. vera
    sexta-feira, 15 de outubro de 2010 – 17:03 hs

    MST entra para valer na campanha de Dilma http://bit.ly/aQvtux via @AddToAny

  2. vera
    sexta-feira, 15 de outubro de 2010 – 17:16 hs

    O que Serra ja fez dá um livro,o que Dilma já fez dá cadeia.

  3. erica
    sexta-feira, 15 de outubro de 2010 – 17:20 hs

    Ótima informação em dia propício para se pensar a educação brasileira.
    Se os presidenciáveis não tem propostas claras para o tema, a sociedade tem ! Que a educação possa ser levada a sério, sem modismos e com destaque a ações que deram certo. Professor precisa de valorização. A escola pública precisa de propostas em dia com a sua vocação. É a picaretagem no sistema que degringola a especificidade de educar com consciência e responsabilidade. A escola, especialmente a pública onde me formei em alto grau, tem, sim, como dar certo!

  4. vera
    sexta-feira, 15 de outubro de 2010 – 17:32 hs

    Comparem os governos agora:
    Divulguem a todos os cantos possíveis:
    http://pt-br.governobrasil.wikia.com/wiki/Governo_Brasil_Wi

  5. vera
    sexta-feira, 15 de outubro de 2010 – 17:37 hs

    Governo Brasil Wiki
    Para quem quer abandonar o uso do achômetro nestas próximas eleições. Comparações entre governos feitas apenas com dados reais de instituições respeitáveis. Declarações reais, gravadas e disponibilizadas em vídeo. Entrevistas, leis e artigos com suas fontes claramente citadas. Pare de acreditar nas bobagens da propaganda e veja a informação real.
    Se você encontrar algum erro ou tiver alguma contribuição, deixe sua mensagem na página de Sugestões – apenas sugestões com fontes devidamente citadas serão aceitas. As páginas principais estão com edição bloqueada para evitar vandalismo devido à natureza política das informações.
    As estatísticas aqui apresentadas são selecionadas principalmente por aparecerem em propaganda eleitoral ou material de divulgação de partidos de forma errada e sem citação de fontes. Para mais informações, acesse diretamente os sites do IBGE, IPEA e outras fontes citadas abaixo.
    IMPORTANTE: Para acessar as fontes originais das informações citadas caso você não seja cadastrado no Wikia, basta clicar no link e, na página que surgir, clicar em skip this ad. Isto é uma configuração padrão do Wikia e desaparece para quem é cadastrado.

    Resumo visual das estatísticas (detalhes e links para as fontes de dados seguem abaixo):

    Tabela de conteúdo [mostrar]

    Estatísticas de Nível de Vida

    Artigo Principal: Estatísticas de Nível de Vida
    Dados são informados até o ano mais recente de publicação dos mesmos pelos institutos responsáveis por sua manutenção.
    Quando os anos não fecham com o início e fim dos governos há um hiato na divulgação de estatísticas e o ano mais próximo é utilizado.
    Se alguém tiver dados mais recentes, de fontes confiáveis, por favor me envie.

    Índice de Desenvolvimento Humano
    O Índice de Desenvolvimento Humano, um dos principais indicadores do nível de vida da população de um país, cresceu muito mais durante o governo Fernando Henrique que durante o governo Lula. Isto significa que a qualidade de vida do povo Brasileiro melhorou de forma mais acelerada no governo anterior que no governo atual.
    Fonte: Dados oficiais da ONU
    De 1995 a 2000 (FHC) cresceu 7,62% ou 1,48% ao ano
    De 2000 a 2007 (Lula) cresceu 2,91% ou 0,41% ao ano
    Brasil só superou o crescimento médio mundial de 1995 a 2000
    Lula aproveita-se de um pouco do crescimento da época FHC nesta comparação devido à esparsidade dos dados

    Acesso à Rede de água
    O percentual de domicílios com acesso à rede de água potável encanada, condição praticamente básica à dignidade humana nos dias atuais, cresceu de forma muito mais rápida durante o governo Fernando Henrique que durante o governo Lula.
    Fontes: Dados oficiais do IBGE, Dados oficiais do IBGE, Dados oficiais do IBGE
    De 1994 a 2002 (FHC) cresceu 42,09% em número absoluto ou 4,49% ao ano
    De 1994 a 2002 (FHC) cresceu 9,33% em proporção do total ou 1,12% ao ano
    De 2002 a 2007 (Lula) cresceu 19,22% em número absoluto ou 3,58% ao ano
    De 2002 a 2009 (Lula) cresceu 4,02% em proporção do total ou 0,57% ao ano

    Acesso à Rede de esgoto
    A quantidade de domicílios com acesso à rede de escoamento de esgoto, critério essencial para a qualidade de vida da população, cresceu de forma mais rápida durante o governo Fernando Henrique que durante o governo Lula.
    Fontes: Dados oficiais do IBGE, Dados oficiais do IBGE
    De 1994 a 2002 (FHC) cresceu 55,16% em número absoluto ou 5,65% ao ano
    De 1994 a 2002 (FHC) cresceu 19,23% em proporção do total ou 2,22% ao ano
    De 2002 a 2007 (Lula) cresceu 29,52% em número absoluto ou 5,31% ao ano
    De 2002 a 2009 (Lula) cresceu 14,62% em proporção do total ou 1,97% ao ano

    Acesso à Energia elétrica
    O percentual de domicílios com acesso à rede elétrica, outro critério essencial para a obtenção de um bom nível de qualidade de vida, cresceu muito mais rápido durante o governo anterior que no governo atual.
    Fontes: Dados oficiais do IBGE, Dados oficiais do IBGE
    De 1994 a 2002 (FHC) cresceu 7,44% ou 0,90% ao ano
    De 2002 a 2009 (Lula) cresceu 2,48% ou 0,35% ao ano

    Porcentagem de Domicílios com geladeira
    O refrigerador tornou-se item essencial para a família. Mesmo assim, ainda existem domicílios que não possuem este eletrodoméstico. A proporção de domicílios com geladeira cresceu muito mais rápido durante o governo Fernando Henrique que no governo posterior.
    Fontes: Dados oficiais do IBGE, Dados oficiais do IBGE
    De 1994 a 2002 (FHC) cresceu 20,75% ou 2,39% ao ano
    De 2002 a 2009 (Lula) cresceu 8,30% ou 1,15% ao ano

    Porcentagem de Domicílios com televisão
    Aparelho televisor, mesmo não sendo essencial à sobrevivência, é de grande importância para o tempo de lazer da população, influenciando assim a qualidade de vida. Acesso à televisão cresceu mais rápido no governo anterior que no governo atual, apesar da às vezes dramática diminuição nos preços.
    Fontes: Dados oficiais do IBGE, Dados oficiais do IBGE
    De 1994 a 2002 (FHC) cresceu 18,73% ou 2,17% ao ano
    De 2002 a 2009 (Lula) cresceu 6,66% ou 1,30% ao ano
    Preços de TVs despencaram no governo Lula

    Porcentagem de Domicílios com telefone
    O telefone tornou-se um item essencial à qualidade de vida do cidadão. Antes considerado um bem de difícil acesso, após a privatização do setor sua disponibilidade cresceu vertiginosamente. A tabela abaixo resume os dados de crescimento no acesso a linhas telefônicas nos últimos governos.
    Fonte: Dados oficiais do IBGE
    De 1994 a 2002 (FHC) cresceu 224,21% ou 15,84% ao ano
    De 2002 a 2009 (Lula) cresceu 37,82% ou 4,69% ao ano

    Mortalidade infantil
    A alta mortalidade infantil era um dos problemas mais trágicos do Brasil. Felizmente, a estabilidade e o desenvolvimento tem permitido uma queda progressiva no número de crianças que morrem antes de completar um ano de idade. A queda neste número foi, no entanto, muito mais pronunciada durante o governo Fernando Henrique que durante o governo Lula.
    Fontes: Dados oficiais do DataSUS, Portal ODM
    De 1997 a 2002 (FHC) caiu 21,94% ou 4,83% ao ano
    De 2002 a 2007 (Lula) caiu 20,16% ou 2,78% ao ano

    Taxa de pobreza
    A taxa de extrema pobreza indica, segundo o IPEA, o ‘percentual de pessoas na população total com renda domiciliar per capita inferior à linha de extrema pobreza (ou indigência, ou miséria). A linha de extrema pobreza aqui considerada é uma estimativa do valor de uma cesta de alimentos com o mínimo de calorias necessárias para suprir adequadamente uma pessoa.’ Já a taxa de pobreza indica, também segundo o IPEA, o ‘ Percentual de pessoas na população total com renda domiciliar per capita inferior à linha de pobreza. A linha de pobreza aqui considerada é o dobro da linha de extrema pobreza.’
    Fonte: Dados oficiais do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
    De 1994 a 2002 (FHC), a taxa de extrema pobreza caiu um total de 6,28%, com uma variação de -30,98%.
    De 2002 a 2009 (Lula), a taxa de extrema pobreza caiu um total de 6,71%, com uma variação de -47,96%.
    De 1994 a 2002 (FHC), a taxa de pobreza caiu um total de 8,58%, com uma variação de -19,96%.
    De 2002 a 2009 (Lula), a taxa de pobreza caiu um total de 12,98%, com uma variação de -37,73%.

    Estatísticas de Acesso à Educação

    Artigo Principal: Estatísticas de Acesso à Educação

    Dados são informados até o ano mais recente de publicação dos mesmos pelos institutos responsáveis por sua manutenção.
    Quando os anos não fecham com o início e fim dos governos há um hiato na divulgação de estatísticas e o ano mais próximo é utilizado.
    Se alguém tiver dados mais recentes, de fontes confiáveis, por favor me envie.

    Evasão escolar
    Evasão escolar é algo extremamente preocupante em qualquer sociedade, principalmente na idade normalmente associada ao ensino secundário – que pode fazer uma diferença crucial na vida de uma pessoa. Enquanto o número de crianças de idade entre 15 e 17 anos que não frequentavam a escola caiu dramaticamente durante o governo Fernando Henrique, este número permaneceu preocupantemente estável durante o governo Lula.
    Fonte: Dados oficiais do IBGE
    De 1994 a 2002 (FHC) variou -51,44% ou -8,63% ao ano
    De 2002 a 2007 (Lula) variou -4,32% ou -0,88% ao ano

    Acesso à universidade
    Acesso à universidade é uma medida clara do desenvolvimento da educação em um país. Segundo o censo da Educação Superior do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira fornece dados a respeito.
    Fonte: Censo da Educação Superior do INEP
    De 1995 a 2002 (FHC) o número de matrículas em instituições federais cresceu 44,65% ou 5,42% ao ano
    De 2002 a 2008 (Lula) o número de matrículas em instituições federais cresceu 20,97% ou 3,22% ao ano
    De 1994 a 2002 (FHC) o número total de matrículas no ensino superior cresceu 109,50% ou 9,69% ao ano
    De 2002 a 2008 (Lula) o número total de matrículas no ensino superior cresceu 45,98% ou 6,51% ao ano

    Índice de analfabetismo
    O índice de analfabetismo indica o percentual da população total, acima de 15 anos de idade, que não sabe ler nem escrever um bilhete simples.
    Fonte: Dados oficiais do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
    De 1995 a 2002 (FHC) caiu 27,77%% ou 3,99% ao ano
    De 2002 a 2007 (Lula) caiu 15,60% ou 3,33%% ao ano
    Universidades Federais
    Artigo Principal: Universidades Federais
    Duas universidades federais foram criadas durante o governo Fernando Henrique, e três foram criadas durante o governo Lula. Mais detalhes no artigo Universidades Federais

    Estatísticas de Desenvolvimento Econômico

    Artigo Principal: Estatísticas de Desenvolvimento Econômico
    Dados são informados até o ano mais recente de publicação dos mesmos pelos institutos responsáveis por sua manutenção.
    Quando os anos não fecham com o início e fim dos governos há um hiato na divulgação de estatísticas e o ano mais próximo é utilizado.
    Se alguém tiver dados mais recentes, de fontes confiáveis, por favor me envie.

    Salário mínimo
    Fontes: Medida Provisória 566/1994, Medida Provisória 35/2002, Lei 1.255 de 2010
    De 1994 a 2002 (FHC) o salário mínimo cresceu 208,68% ou 15,13% ao ano
    De 2002 a 2010 (Lula) o salário mínimo cresceu 155,00% ou 12,41% ao ano

    Carga tributária
    Fonte: Dados oficiais do IBGE, Dados oficiais do IBGE
    Carga média de 1994 a 2002 (FHC) de 30,07%, carga tributária em 2002 de 32,35%
    Carga média de 2002 a 2007 (Lula) de 33,47%, carga tributária em 2007 de 34,70%

    Taxa de crescimento econômico:
    Fontes: Dados oficiais do Banco Central do Brasil, Dados oficiais do Fundo Monetário Internacional
    Crescimento mundial durante governo FHC: 24,27% ou 2,75% ao ano
    Crescimento mundial durante governo Lula: 74,46% ou 8,27% ao ano
    Crescimento do Brasil no governo FHC: 19,74% ou 2,28% ao ano ou 82,77% da média mundial
    Crescimento do Brasil no governo Lula: 27,66% ou 3,55% ao ano ou 42,91% da média mundial
    Durante o governo Lula, o Brasil cresceu muito menos que o resto do mundo
    Durante o governo FHC, o Brasil cresceu apenas um pouco abaixo da taxa média do resto do mundo

    Crescimento no governo Collor/Itamar: 6,75% ou 1,31% ao ano
    Evolução no governo FHC em relação à média anterior: 73,33%
    Evolução no governo Lula em relação à média anterior: 55,88%
    Mesmo havendo maior crescimento absoluto no governo Lula, a TAXA anual média de crescimento da economia CRESCEU muito mais no governo FHC que no governo Lula

    Nível de desemprego:
    Fontes: Dados oficiais do IBGE até 2002, Dados oficiais do IBGE pós 2002
    Final do governo FHC (dez/2002): 6,17%
    Final do governo Lula (set/2010): 6,9%
    Há uma descontinuidade nos dados, o que impede uma comparação direta
    A principal mudança é a alteração da idade mínima de 15 para 10 anos
    Definição anterior de desocupado: População Desocupada – aquelas pessoas que não tinham trababalho, num determinado período de referência, mas estavam dispostas a trabalhar, e que, para isso, tomaram alguma providência efetiva (consultando pessoas, jornais, etc.)
    Definição atual de desocupado: São classificadas como desocupadas na semana de referência as pessoas sem trabalho na semana de referência, mas que estavam disponíveis para assumir um trabalho nessa semana e que tomaram alguma providência efetiva para conseguir trabalho no período de referência de 30 dias, sem terem tido qualquer trabalho ou após terem saído do último trabalho que tiveram nesse período.

    Inflação ao consumidor
    Fonte: Banco Central do Brasil – Calculadora do Cidadão
    Inflação acumulada de 1990 a 1994 (Collor/Itamar): 41.941.718,61%
    Inflação acumulada de 1995 a 2002 (FHC): 114,43%, ou 0,00028% do acumulado anterior. Queda de 99,99972% em relação ao governo anterior.
    Inflação acumulada de 2003 a 2010 (Lula): 47,72%, ou 41,71% do acumulado anterior. Queda de 58,29% em relação ao governo anterior.
    Queda na inflação acumulada foi muito maior no governo FHC que no governo Lula
    Fernando Henrique, como Ministro da Fazenda, implantou o Plano Real, que controlou a hiperinflação
    Governo FHC consolidou a estabilidade do plano real

    Dívida pública federal
    Fonte: Dados oficiais do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
    Dívida pública federal ao final do governo FHC (12/2002): R$ 560.828.810.000,00
    Dívida pública federal ao final do governo Lula (10/2010): R$ 985.808.530.000,00
    A dívida pública federal líquida ao final do governo Lula é quase o dobro da dívida ao final do governo Fernando Henrique

    Mapa de desempenho dos governos

    O mapa a seguir indica o desempenho relativo dos governos Fernando Henrique Cardoso e Lula em todos os quesitos levantados até o momento pelo Governo Brasil Wiki. Os valores foram normalizados para melhor visualização, através da fórmula:

    Inconsistências nas Posições Políticas

    Declarações claras pelos próprios agentes políticos do partido.
    Aborto
    Dilma é a favor do aborto: Vídeo de declaração de Dilma no YouTube
    PT suspendeu direitos de filiado por lutar contra legalização: Artigo sobre filiado ao PT suspenso por lutar contra legalização do aborto

    Bolsa Família
    Bolsa Família é unificação de programas sociais do governo FHC: Texto oficial da lei que cria o Bolsa Família
    Idéia de unir os programas anteriores foi do PSDB: Vídeo da solenidade de lançamento do programa no YouTube
    Lula era contra os programas sociais: Vídeo de Lula discursando contra programas sociais que foram consolidados no Bolsa Família no YouTube

    Aliados
    Lula ataca Plano Real e atuais aliados: Vídeo de declarações de Lula no YouTube atacando Plano Real e atuais aliados
    Blog da Dilma chama Marina de “traíra”: Google Cache de página do Blog da Dilma chamando Marina de “traíra”, Matéria na Folha de São Paulo
    Contradições de Lula – atacando e depois defendendo Collor: Vídeo com declarações gravadas de Lula no YouTube
    Ciro Gomes, novo coordenador da campanha de Dilma, ataca o PT e o PMDB: Vídeo de declarações de Ciro Gomes no YouTube

    Privatizações
    Fontes: Ministério do Planejamento – Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST), Agência Nacional de Transportes Terrestres, Agência Nacional de Transportes Terrestres
    De acordo com dados oficiais do Ministério do Planejamento, um total de seis empresas foram privatizadas durante o governo Lula:
    Banco do Estado do Maranhão S.A.
    BEM-SG
    BEM-VTV
    BEM-DTVM
    Banco do Estado do Ceará S.A.
    BEC-DTVM

    Além disso, segundo dados oficiais da Agência Nacional de Transportes Terrestres, durante o governo Lula foram firmados acordos de concessão de 3281,4 Km de estradas, efetivamente privatizando esta extensão da rede rodoviária federal. Foram criadas, assim, 36 praças de pedágio, com tarifas de até R$ 9,70.

    Rodovia Trecho Extensão Praças de Pedágio
    BR-116/PR/SC Curitiba – Div. SC/RS 412,70 Km 5
    BR-376/PR – BR-101/SC Curitiba – Florianópolis 382,33 Km 5
    BR-116/SP/PR São Paulo – Curitiba (Régis Bitencourt) 401,60 Km 6
    BR-381/MG/SP Belo Horizonte – São Paulo (Fernão Dias) 562,10 Km 8
    BR-393/RJ Div.MG/RJ – Entroncamento com a Via Dutra 200,40 Km 3
    BR-101/RJ Ponte Rio-Niterói – Div.RJ/ES 320,10 Km 5
    BR-153/SP Div.MG/SP – Div. SP/PR 321,60 Km 4
    BR – 116/324 BA BR – 116 – Feira de Santana 554,10 Km
    BR – 324 – Salvador – Feira 113,20 Km
    BR – 526 / BR – 324 / BA 528 9,30 Km
    BA – 528 / BA – 526 / Aratu 4,00 Km
    Categorias: Inconsistências nas Posições Políticas | Estatísticas de Nível de Vida | Estatísticas de Crescimento Econômico
    Improve Governo Brasil Wiki by editing this page
    Rodrigobarni made an edit on 15 de outubro de 2010
    Histórico Alterações relacionadas
    Link permanente Páginas afluentes
    View random page
    Reporte um problema
    Compartilhe este artigo
    Dê nota:
    3.9828/512345

  6. Aguave
    sexta-feira, 15 de outubro de 2010 – 17:38 hs

    A Vera deve ter nascido após 2002.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*