Aumenta a criminalidade na Grande Curitiba em agosto | Fábio Campana

Aumenta a criminalidade na Grande Curitiba
em agosto

Veja o mapa

De Marcelo Vellinho, no Paraná Online

O mapa da violência de O Estado, com registro de todos os casos de assassinatos em Curitiba e região metropolitana, revela que houve queda de 18% no número de mortes na comparação com agosto de 2009.

Embora o índice seja positivo, a ressalva é que a criminalidade aumentou com relação a julho deste ano. Foram 135 vítimas fatais, 14% a mais que no mês anterior, o mais “tranquilo” do ano.

Os crimes se espalharam por 27 bairros da capital e 13 municípios vizinhos, com média de uma morte a cada cinco horas e meia. Pela primeira vez no ano, o Hugo Lange apareceu no mapa do crime.

Foi lá que o médico neurocirurgião João Carlos Romanus, 74 anos, perdeu a vida, baleado por assaltantes. Na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), Cleoniz da Aparecida de Oliveira, 44, foi morta com um tiro na testa ao entrar numa farmácia que estava sendo assaltada.

O crime motivou um protesto de moradores no Conjunto Vitória Régia. Também repercutiu o duplo homicídio do casal Thyago Biato dos Santos, 27, e Agatha Angélica de Souza Moraes, 25. O corpo dele foi desovado em Piraquara, e o dela em Almirante Tamandaré.

Agosto ainda foi marcado por crimes bárbaros, como os triplos homicídios ocorridos no Tatuquara e em São José dos Pinhais. No final do mês, também em São José dos Pinhais, o assassinato do garoto Mauricio de Oliveira Souza, de apenas 11 anos, chocou até mesmo as autoridades policiais.

O menino, vítima de uma emboscada, foi retalhado com várias facadas por três indivíduos, um deles seria o próprio padrasto da vítima. Um ponto positivo foi a diminuição dos homicídios na Cidade Industrial, bairro mais populoso de Curitiba e que lidera o ranking de mortes no ano.

No primeiro semestre, a região teve média de 13,5 vítimas mensais. Em julho e agosto, foram 8 e 7 mortes, respectivamente. Uma das razões para a redução é a recente prisão de vários traficantes da Vila Nossa Senhora da Luz, que guerreavam pelo controle de pontos de venda das drogas.

Mapa

As regiões sul e leste de Curitiba foram as mais afetadas pela violência em agosto. Os oito bairros que mais tiveram mortes fazem parte dessas áreas. Entre eles, o Umbará, que havia sido palco de seis homicídios no ano e explodiu no mês passado, com cinco assassinatos. Na região metropolitana, o destaque negativo foi Pinhais, que dobrou as mortes de julho.


7 comentários

  1. santana
    quinta-feira, 2 de setembro de 2010 – 12:38 hs

    Não temos politica para nossas crianças em curitiba
    O poder paralelo adora estes descaso …
    Tem gente que quer ser governador do estado
    Carlos Alberto adandonou nosso Curitiba des dos tempos que era vice do do Cssio
    Se não cuidarmos das nossas crianças hoje todos estamos colocando o futuro em risco
    Certo de dias melhores para nossas jovens…

  2. João Nicolau
    quinta-feira, 2 de setembro de 2010 – 13:18 hs

    E ainda o velhaco do Requião quer dizer que fez muito pela segurança, isto não vale nada.Onde se anda o povo reclama da segurança.Olha pessoal vamos deixar o Requião sem mandato,aí veremos as barbaridades de processos que estão engavetados na secretaria de segurança e também em outros órgãos.
    É um convite que faço a todos os eleitores, votem na renovação e vamos deixar este malandro na berlinda.

  3. baixinho.alerta
    quinta-feira, 2 de setembro de 2010 – 13:47 hs

    Eonde estava a secretaria que foi criada pelo ex prefeito beto richa a famosa secretaria anti drogas,boa parte destes crimes sao por causa das drogas,armas e alcool.Este problema so almentou na administraçao do beto entao as mortes foram criadas por falta de administraçao do serviço publico que prometeu e nao cumpriu

  4. O Povo
    quinta-feira, 2 de setembro de 2010 – 14:17 hs

    E para Roberto Requião a Segurança Pública do Paraná não tem problemas, está tudo sob controle na visão míope deste velhaco que tem que ser aposentado pelas urnas e vontade da população do Paraná!!!!!!

  5. CLOVIS PENA - Vergonha
    quinta-feira, 2 de setembro de 2010 – 15:38 hs

    O Paraná exige, antes de tantas discussões, planos e promessas.
    Há poucos dias sugeri que o Pessuti poderia pactuar um procedimento de emergência com os principais candidatos ao governo. Pode-se importar o exemplo bem sucedido de segurança do Estado de São Paulo e teremos dois estados limítrofes, sob um mesmo sistema de segurança pública. É preciso simplificar e agir.

  6. CLOVIS PENA - Emergência !
    quinta-feira, 2 de setembro de 2010 – 15:46 hs

    O Paraná exige ação ! Muitos danos são irreparáveis !

    As dificuldades enfrentadas pela polícia e pela sociedade são cada dia maiores ! Vergonha paranaense !

    Primeiro passo: efetivo policial mínimo, qualificação e valorização profissional ! Chega de: “depende do orçamento”.

    Chega de blá blá blá !

  7. sarna
    sexta-feira, 3 de setembro de 2010 – 15:26 hs

    Pois é – consequências do descaso do Requião para com a segurança pública, o não aumento do efetivo policial e a gestão desastrosa de seu secretário de Segurança. E tem gente que ainda vai votar nesses dois…
    Nunca é demais lembrar que as polícias civil e militar são responsabilidade do governador. Ao município cabe a gestão da guarda municipal e ações educativas de combate à droga. Ações de repressão ao tráfico não são, por LEI, responsabilidade da prefeitura.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*