Fora do governo, Lula quer liderar frente partidária | Fábio Campana

Fora do governo, Lula quer liderar frente partidária

Fora do governo, Lula quer liderar ‘frente’ partidária

Sobre Dilma: Ela era ‘um animal político não trabalhado’

Sobre Serra: ‘Acho que ele deu azar’ em 2002 e 2010

Sobre Palocci: ‘Devo muito do sucesso do governo a ele’

Sobre mensalão: sem o caso, ‘quadro poderia ser outro’

Sobre FHC: ‘Reeleição produziu uma relação promíscua’

Sobre PT: ‘É muito forte, mas a frente será mais forte’

Sobre PSDB: ‘Acho que eles escolheram outro projeto’


Via Josias de Souza

A cinco meses de deixar a Presidência, Lula recorre a uma frase que diz ter ouvido de Felipe González, ex-primeiro-ministro da Espanha, para definir sua condição futura: “Ex-presidente é que nem aquele vaso chinês que você ganha de presente. Você não sabe onde colocar o ex-presidente”.

Em ritmo de conta-gotas, o futuro “vaso chinês” vai revelando o espaço que deseja ocupar depois que for convertido em “ex”. Faz as contas: “Tenho 64 anos e, quando deixar a Presidência. vou ter 65 anos. Logo, ainda tenho uma contribuição política para dar ao país”.

Dias atrás, avisara que, fora do governo, fará o que não fez em oito anos de mandato: vai defender a reforma política como “um leão”. Descobre-se agora que Lula tem planos bem mais ambiciosos. Deseja liderar “a construção de uma frente ampla de partidos”.

Revelou o “sonho” numa entrevista à revista “IstoÉ”. Definiu a “frente ampla” como “uma espécie de seleção brasileira” suprapartidária. Convocado, o escrete não se ocuparia apenas da reforma política. Faria “um programa para o Brasil”.

Deseja acabar com o PT? “Não”, Lula responde. Acha que o PT, “organizado no Brasil inteiro, tem muita força”. Mas avalia que é possível “construir uma coisa mais forte do que um partido. Esclarece que a frente “pode ter gente da maioria dos partidos”.

Inquirido sobre a participação do PSDB no projeto, Lula cuidou de esclarecer que sua frente, embora “ampla”, tem limites: “Eu acho que acabou o tempo da ilusão em que a gente poderia trabalhar junto com o PSDB. Eu acreditei nisso. E muita gente do PT acreditou nisso”.

Alegou: os tucanos “escolheram outro projeto”. Recordou: ao virar presidente, FHC tentara reunir em torno de si “gente que na época se comportava como de esquerda, como o PPS”.

Diagnosticou: “Qual foi o problema? Foi a reeleição, que conduziu para uma relação promíscua com o Congresso. E a coisa desandou um pouco”. Nos lábios de um presidente que enxerga no retorvisor o escândalo do mensalão, a menção à promiscuidade alheia soa desconexa.

No curso da entrevista, o próprio Lula reconheceu: não fosse pela Sodoma mensaleira, seu candidato à Presidênsia seria outro. Recordou-se ao entrevistado que, antes de se fixar em Dilma Rousseff, cogitara outros nomes –Antonio Palocci e José Dirceu, por exemplo.

E Lula: “Obviamente, se não tivesse acontecido com o PT o que aconteceu em 2005, o quadro político poderia ser outro”. Ao acomodar Dilma Rousseff na Casa Civil, enxergou-a com outros olhos: “[…] Percebi que estava diante de um animal político não trabalhado. Um animal político que foi educado a vida inteira para ser técnica. E eu comecei a falar: bom, agora nós temos que descobrir o lado político de Dilma”.

Tomado pelo que disse na entrevista, sua opção anterior seria Palocci, não Dirceu. Reobriu-o de elogios. Apeado do ministério da Fazenda pelo escândalo da violação do sigilo bancário do caseiro, Palocci é, hoje, a voz de Lula no comitê de Dilma.

Será ministro dela caso o PT vença a eleição? Lula absteve-se de responder. Mas suas palavras tiveram o peso de um sim: “No Brasil, nós temos, se é que temos, raríssimas pessoas com a inteligência política do Palocci. […] Devo muito do sucesso do meu governo ao Palocci. […] É muito jovem e acho que tem muita contribuição para dar”.

Lula saboreia os efeitos da superpopularidade: “Fico feliz em saber que ninguém quer fazer campanha falando mal de mim. É uma coisa boa, é agradável”. Mas apressa-se em avisar: “Eu tenho um lado, um partido e um candidato”.

Não receia ofuscar o brilho de Dilma, diminuindo-a na campanha? “Não existe a possibilidade”, acredita. Por quê? “Vai chegando o momento em que o clima na sociedade, na imprensa, no debate, é da candidata, não é do presidente”.

Eleita, Dilma não será engolida pelo PT? “Quem fala isso não conhece a Dilma. Ela é uma mulher de personalidade muito forte. O PT está na direção da campanha da Dilma, como estava na direção da minha”.

Uma eventual gestão de sua pupila seria estatizante? “Não há essa hipótese. Eu conheço bem a Dilma e sei o que ela pensa. Obviamente que nós não queremos ser estatizantes, mas também não vamos carregar a pecha que nos imputaram nos anos 80, quando se dizia que o Estado não valia nada…”

Acredita em segundo turno? “Eu acho que é uma eleição que pode terminar no primeiro turno. Mas se for para o segundo, não existe nenhum problema. Vamos fazer uma bela campanha”.

Instado a dizer algo sobre José Serra, Lula disse: “Acho que ele deu azar”. Explicou: “Foi candidato num ano [2002] em que eu não tinha como perder. Agora, é candidato num ano em que a Dilma tem todas as condições de ganhar, porque o governo está muito bem e porque as coisas vão melhorar”.


9 comentários

  1. Anônimo
    domingo, 8 de agosto de 2010 – 17:24 hs

    Acho que ele vai administras o grande patrimonio de conseguiu graças ao seu governo

  2. PAULO
    domingo, 8 de agosto de 2010 – 19:17 hs

    SERÁ QUE ELE TB APRESENTARÁ BASTARADOS AO MUNDO, COMO O FEZ FHC LUGO DE MELLO?

  3. Sherloque
    domingo, 8 de agosto de 2010 – 19:27 hs

    Decifrando o lulês:

    Fora do governo, Lula quer liderar ‘frente’ partidária = quer voltar à sua cadeirinha, diga-se, no AeroLulla.

    Sobre Dilma: Ela era ‘um animal político não trabalhado’ = trabalharam e fizeram um poste, dentro esconderam a serpe.

    Sobre Serra: ‘Acho que ele deu azar’ em 2002 e 2010 = Lula não admite concorrente, ele gostaria de se eternizar.

    Sobre Palocci: ‘Devo muito do sucesso do governo a ele’ = um pouco de miolo fez bem ao Lula.

    Sobre mensalão: sem o caso, ‘quadro poderia ser outro’ = teriam pintado e bordado a derrubada da República.

    Sobre FHC: ‘Reeleição produziu uma relação promíscua’ = na qual Lula se refestelou e quase ensaiou um terceiro mandato…

    Sobre PT: ‘É muito forte, mas a frente será mais forte’ = uma “frente” que não tenha só os aloprados do PT, mas de todos os partidos.

    Sobre PSDB: ‘Acho que eles escolheram outro projeto’ = tudo que não é projeto de poder para Lula é outro projeto …

  4. ALEMÃO
    domingo, 8 de agosto de 2010 – 19:38 hs

    Ele devia aproveitar que aos 65 anos ainda consegue emprego, talvez como empacotador em supermercado. e voltar a trabalhar, coisa que nunca fez na vida. Trabalhou pouco e como perdeu um dedo-coisa de gente que não tem aptidão ao trabalho-virou sindicalista e vendedor de greves.

  5. Hernandes
    segunda-feira, 9 de agosto de 2010 – 8:34 hs

    Deve ir trabalhar com o “Lulinha” para dar continuidade as falcatruas na Telemar. Aquilo ta tudo sucateada,chega ser nojento dentro daqueles prédios deles, mvirou maquininha caça niquel.

  6. anonimo
    segunda-feira, 9 de agosto de 2010 – 8:45 hs

    a batata ta asando tem um todo poderoso,que vai julgar com verdadeira justiça,. ai nao vai ter bom.

  7. aposentado
    segunda-feira, 9 de agosto de 2010 – 10:25 hs

    Se existisse um judiciario, competente e honesto neste país ele iria imediatamente para uma penitenciaria de segurança máxima, pois é tão bandido quanto os fernandinho beira -mar e outros.Usar da o poder para roubar também é crime.O judiciario deveria fazer o filhinho dele devolver a fortuna que abocanhou, usando a máquina do governo, liderada por este cafajeste.
    Cadeia para esta ladrãozada.

  8. Divanir
    segunda-feira, 9 de agosto de 2010 – 13:29 hs

    O ALEMÃO falou quase tudo, o resto é assistencialísmo.

  9. JOTA
    segunda-feira, 9 de agosto de 2010 – 14:55 hs

    AH AHA AH AH A INVENJA É UMA M…. AH AH AH AH.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*