A Ferroeste e o trem fantasma | Fábio Campana

A Ferroeste e o trem fantasma

Do Celso nascimento na Gazeta do Povo

A equipe que assumiu a parte administrativa e financeira da Ferroeste está assustada. Segundo conta um dos integrantes do grupo, tem esqueletos demais no armário. A dívida anunciada na quinta-feira passada, da ordem de R$ 6 milhões, já estava beirando os R$ 8 milhões no final do expediente de sexta-feira. Na curiosa definição da nova diretoria, a contabilidade da Ferroeste mais se parecia com um trem-fantasma, desses de parque de diversão: a cada curva, um susto! A prosseguir a viagem esse trem chegará na terça-feira com um rombo de R$ 10 milhões.


11 comentários

  1. PARANAGUÁ
    segunda-feira, 19 de julho de 2010 – 11:02 hs

    se nao tem ninguem no governo que saiba o q ta fazendo sou da opiniao de fazer uma parceria publico-privado ou até mesmo privatizar se nao der jeito.

  2. observador
    segunda-feira, 19 de julho de 2010 – 11:31 hs

    Vai ver, Fábio, que o Maquinista do Trem Fantasma é funcionário da assembleia ( também os passageiros). Cruz credo! Vai de reto …

  3. marcelo almeida jr
    segunda-feira, 19 de julho de 2010 – 12:13 hs

    É O QUE DÁ PRESTIGIAR ESTELIONATÁRIOS: na SANEPAR,
    na FERROESTE, no MEIO AMBIENTE, na COPEL,…MAIS CEDO
    OU MAIS TARDE AS IRREGULARIDADES VEM À TONA!!VIVA O
    FINAL DE CARREIRA DO REQUIÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  4. anonimo
    segunda-feira, 19 de julho de 2010 – 12:24 hs

    eles sabem que nao dá en nada,é como requiao falou cade meus prefeitos puxa saco., ainda tem muitos ou nao ele nao respeita ninquen, e voce tem coragem de votar vendo a arugancia deles vou de Beto richa

  5. Zangado
    segunda-feira, 19 de julho de 2010 – 12:26 hs

    Até quando a sociedade paranaense vai aceitar passivamente pagar o pato, o mico e a fatura dos prejuízos dos gestores governamentais ? Não me refiro às ditas “autoridades de controle público” (parlamentares isentos, Ministério Público estadual, Tribunal de Contas, ouvidorias, corregedorias, etc) porque elas simplesmente passaram a não existir no Estado, dado o escandalos compadrio entre poderes públicos nos últimos 15 anos neste Estado. A prova é que nenhum dos gestores públicos importantes, do alto escalão, foi sequer importunado com uma notificação para esclarecer a respeito de inúmeras denúncias públicas veiculadas neste período, quanto mais processado na forma da lei, em face dos descalabros denunciados. Ou não é verdade ?

  6. justiceiro
    segunda-feira, 19 de julho de 2010 – 14:08 hs

    FERROESTE ou FERROSUL – Foi REIquião o paladino da estatização, que pediu na Justiça a falência da sub-concessionária FERROPAR alegando que esta não vinha cumprindo o contrato de concessão encontrando-se com as parcelas de pagamento atrasadas. A FERROPAR, por sua vez, alega que isso era decorrente do governo do Paraná não vinha cumprindo com sua parte do contrato de concessão. A falência foi concedida mas a Ferropar que vinha sempre recorrendo, acaba agora de obter a primeira vitória em Brasília onde o STJ proveu o Agravo de Instrumento nº 1.090.094 determinando a subida dos autos para melhor análise.
    A situação muito mais grave do que se possa imaginar pois se a ferroeste perder essa ação nos Tribunais de Brasília, haverá um rombo incalculável nos cofres do Estado do Paraná, isso resultante das vultosas indenizações além de honorários e custas processuais que terão de serem pagas, além da retomada da ferrovia para a sub concessionária privada.
    Quem arcará com tudo isso? Certamente o Estado do Paraná, como sempre.
    REIquião que foi o precursor dessa estatização, deixou claro que seu ódio contra a FERROPAR era ideológico. Seria interessante que REIquião fosse chamado a explicar todas essas irregularidades na FERROESTE que passaram a ocorrer após esta assumir a operação daquela ferrovia, com a nomeação política de seus cupinchas e apaniguados, nos cargos de diretoria e chefia, todos comissionados e de confiança, num autêntico ôba, ôba.
    A Assembléia Legislativa, como sempre, aprova tudo o que lhes chegam as mãos. Por isso a FERROESTE passou a denominar-se FERROSUL.

  7. EU SABIA
    segunda-feira, 19 de julho de 2010 – 17:02 hs

    Quando o Governo Requentão fez o que pode para inviabilizar a FERROPAR e retomou a ferrovia – EU SABIA – que só podia dar nisso: ROUBALHERA; SUCATEMANENTO DA EMPRESA; … .
    Tambem com o bando de incompetente e puxa-sacos que foi posto lá.
    Não é com “guspo” e “puxasaquismo” que se administra uma empresa ferroviária.

  8. ALEMÃO
    segunda-feira, 19 de julho de 2010 – 21:02 hs

    É, ja tem gente rindo, e só ta esperando pra dar o bote e tomar conta da empresa, e agora com 100% de controle. Podem escrever.

  9. antonio anonimo
    quinta-feira, 22 de julho de 2010 – 9:18 hs

    Tenho pena dos funcionarios de base, que serao demitidos , mesmo os concursados serao desempregados, esse é o Brasil.

  10. Funcionário
    sexta-feira, 23 de julho de 2010 – 18:28 hs

    Fazem os comentários de vcs , e esquecem que , tem gente , pais de familias , que não foram “colocados” la …Fizemos concurso , muitos , com intuito de que a empresa va pra frente , porém , precisamos de gestão , ordem na casa , e talvez com essa nova ADM , eu torço pra que consiga , eu tenho certeza que com ADM séria essa empresa consegue gerar lucro pro Estado.

  11. O TREM
    quinta-feira, 29 de julho de 2010 – 8:20 hs

    Gostaria de ver a mesma garra dessas pessoas que despejam ira contra a Ferroeste perguntarem as nossas autopridades onde estão os 2 bilhões liberados pelo BNDES para obras ( virtuais ) na malha ferroviaria de MS, SP e da região sul. Onde foi parar essa montanha de dinheiro:R$ 2.000.000.000,00 Quem vai tomar a iniciativa de inspecionar as obras e materiais financiados com recursos do Banco de Desenvolvimento Social?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*