Protesto em Foz contra ataques de Israel | Fábio Campana

Protesto em Foz contra ataques de Israel

A comunidade palestina em Foz do Iguaçu realiza protesto hoje (4) contra os ataques israelenses. A manifestação acontece às 16 horas, no Ginásio do Colégio Bartolomeu Mitre. Leia o que diz o manifesto:

Conteúdo do manifesto:

Em 1947, a Assembléia Geral das Nações Unidas, em votação, aprovou que no território Palestino seriam criados dois Estados, um árabe e outro judeu, onde a cidade histórica de Jerusalém ficaria sob a guarda internacional.

Neste período, os judeus respondiam por cerca de um terço da população e ocupavam menos de 10% do solo palestino, mas receberam 55% do território, pela partilha da Organização das Nações Unidas (ONU). Este fato desencadeou o interminável conflito na região, opondo judeus e árabes-palestinos.

Desde a criação oficial do Estado de Israel (até hoje, não foi formado um Estado palestino, como decidiu a ONU), os enfrentamentos recrudesceram, envolvendo diversos países da região. Apoiado de forma unilateral pelos EUA, militar e economicamente, Israel constitui-se em uma próspera nação e atua como representante estado-unidense no Oriente Médio. O país judeu já ocupa mais de 75% da Pelestina, e ainda hoje, amplia os seus domínios através da construção de “assentamentos” judeus, prática ilegal, reiteradamente condenada pela comunidade nações.

Aos palestinos, coube a pobreza e o sofrimento, devido ao bloqueio econômico da região e às constantes ofensivas militares israelenses, fazendo aumentar o número de refugiados e vítimas árabes nesta luta desigual.
No dia 31 de maio, a região viveu mais um momento de horror. A “Caravana da Liberdade”, comboio marítimo formado por voluntários e ativistas que levava ajuda humanitária aos palestinos, com doações de mais de 46 países, foi barbaramente atacada pelo exército de Israel. Morreram 19 pessoas e 40 ficaram feridas, enquanto que outras 600 foram feitas prisioneiras.

O ataque, realizado no mar, em espaço de domínio internacional, além das vítimas, mantém o bloqueio a chegada de ajuda aos palestinos, imposta há quatro anos pelos israelenses, impedindo que comida, remédios e outros materiais ajudem a diminuir o martírio palestino.

Reforçando os manifestos contra a ação de Israel, que vêm ocorrendo em várias partes do mundo, a comunidade árabe de Foz do Iguaçu, no Brasil e de Ciudad del Este, no Paraguai, convoca toda a população a participar de uma manifestação em repúdio ao ataque israelense. Através de comunicado assinado pela Sociedade Islâmica de Foz do Iguaçu, uma das associações que congrega os árabes da região, a organização afirma que “Israel agora está matando quem quer socorrer as vítimas da própria tirania israelense. O protesto é contra este estado permanente de desumanidade”.

De acordo com o informe, a faixa de Gaza é composta apenas por 1,33 % da palestina, onde vivem 1,5 milhão de habitantes, sendo o maior contingente de pessoas no menor território do mundo. Os moradores têm vivido sob ocupação israelense desde a guerra em 1967. Mesmo com a retirada de forças do exército, em 2004, Israel ainda mantém o controle das entradas e saídas do setor, as exportações e importações, espaço aéreo e a costa mediterrânea permanecem cercados, tornando Gaza o maior presido a céu aberto do mundo. Também é classificado como o novo “campo de concentração do século XXI”, afirma o documento.

SERVIÇO:
Ato de repúdio ao ataque de Israel contra a Caravana da Liberdade
Quando: 4 de junho de 2010, às 16 horas
Onde: Ginásio do Colégio Bartolomeu Mitre


7 comentários

  1. Prof. Eduardo Lopes
    sexta-feira, 4 de junho de 2010 – 15:36 hs

    Israel convoca os organizadores da flotilha que está indo para Gaza que desistam desta provocação, que nada tem a ver com preocupação com relação aos habitantes da Faixa de Gaza. Israel também os convida a aceitar sua proposta de transferir a sua carga para Gaza através do porto israelense de Ashdod. Israel gostaria de reiterar que, no caso de sua oferta ser rejeitada, usará todos os meios ao seu dispor para evitar que os navios violem tanto a lei de Israel quanto a legislação internacional. O Governo de Israel instruiu a Força de Defesa e a Marinha Israelense para agir em conformidade. Nesse caso, a responsabilidade pelas consequências irá recair diretamente sobre os organizadores deste golpe publicitário e os seus participantes, bem como sobre os proprietários das embarcações e os estados a partir do qual os navios zarparam e suas bandeiras.

    A flotilha constitui em um evento de mídia com motivação política, por iniciativa de militantes anti-Israelenses e elementos islâmicos extremistas, sob o disfarce de um ato que os organizadores estão tentando descrever como uma operação humanitária. Não há crise humanitária em Gaza. Milhares de toneladas de alimentos, bens e equipamentos são transferidos a cada dia para Gaza de Israel, seja diretamente ou através de organizações internacionais.

    Desde janeiro de 2009, mais de um milhão de toneladas de ajuda humanitária foram transferidas para Gaza. Apenas no primeiro trimestre de 2010, quase 100 mil toneladas de suprimentos foram entregues, incluindo 48 mil toneladas de produtos alimentícios, cerca de 550 toneladas de leite em pó e alimentos infantis, 2.700 toneladas de arroz, 40 mil toneladas de trigo, 185 toneladas de agregados, 2000 toneladas de roupas e calçados, 20 toneladas de ferro, 25 toneladas de cimento e mais de 1000 toneladas de remédios e equipamentos médicos. A demanda por combustível e eletricidade está sendo igualmente suprida e centenas de palestinos de Gaza foram para Israel para tratamento médico. Israel mantém a sua oferta para descarregar os suprimentos da frota em Ashdod e fazer a transferência do conteúdo para Gaza após uma inspeçãoapropriada.

    Gaza é governada pelo Hamas, uma organização terrorista assassina, diretamente apoiada pelo Irã. O Hamas está concentrando seus esforços no contrabando de armas, incluindo milhares de foguetes que serão apontados para os cidadãos de Israel – depois de ter disparado mais de 10.000 foguetes em cidades israelenses nos últimos anos. O Hamas também continua a realizar ataques terroristas, assim como persiste reprimindo os direitos humanos e a liberdade dos palestinos que vivem em Gaza. Por quatro anos, o Hamas vem mantendo Gilad Shalit em total isolamento, se recusou a fornecer detalhes sobre sua condição e tem impedido os representantes da Cruz Vermelha Internacional de encontrá-lo, violando o direito internacional.

  2. bigcrab
    sexta-feira, 4 de junho de 2010 – 16:17 hs

    ISRAEL PRATÍCA TERRORISMO DE ESTADO E ALÉM DO PODER

    ECONOMICO DISPOE DE UMA EFICAZ MAQUINA PUBLICITÁRIA .

  3. Silvano Andrade
    sexta-feira, 4 de junho de 2010 – 17:03 hs

    Pois é…

    Chega a ser irritante a impotencia da ONU ante as barbáridades cometidas pelo estado de israel contra o povo palestino…

    Se eu fosse o presidente do Brasil…meteria o pé no rabo do embaixador israelense em brasilia e cortaria imediatamente qualquer relação com israel.

    Passou da hora de dar um basta nesta covardia que vem sendo cometida contra os palestinos.

  4. Luis Gringo
    sexta-feira, 4 de junho de 2010 – 17:53 hs

    A diferança entre os nazistas e os judeus desapareceu a muito tempo.
    Hoje Gaza e um grande campos de concentração pior ainda dos da segunda guerra mundial.
    Os judeus não deixam chegar ajuda humanitaria e ainda matam que tentar fazer isso, sinal que não aprenderam muito com o holocausto, ou melhor aprenderam de forma errada fazendo pior ainda que Hitler.
    O todos os governos do mundo deveriam punir Israel com o com certeza seria punida a Coreia do Norte, o Ira, a Venezuela ou Cuba.

  5. jose
    sexta-feira, 4 de junho de 2010 – 20:15 hs

    Zé, sem entrar no mérito, vale a pena dar uma olhada na Wikipedia:

    PALESTINA:

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Palestina

    ISRAEL

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Israel

    Entrando na questão com uma dúvida:

    Porque, ao invés de gastar milhões tentando destruir Israel, os árabes não gastam estes mesmo milhões melhorando as condições dos Palestinos?

    Isto é possível ou não?

  6. Silvano Andrade
    sábado, 5 de junho de 2010 – 10:07 hs

    O Hesbollah fez com que israel botasse o rabo no meio das pernas e batesse em retirada de volta ao covil, onde os covardes mitologicamente a la hollywood chegaram empoeirados e famintos.

    Ou seja, chutar cachorro morto é fácil, principalmente quando tem a disposição uns 200 artefatos nucleares doados pelos malditos norte-americanos…mas contra o hesbollah os judeus levaram uma surra fragorosa…

    E os energumenos de plantão ainda defendem os “escolhidos”.

  7. matheus
    sexta-feira, 11 de junho de 2010 – 16:43 hs

    as pessoas estao certas israel comete crimes contra os palestinos e as unicas coisas que seus aliados fazem e apenas advertirem esu amigo isso é errado

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*