No oeste, Richa e Barros prometem governo aberto e desenvolvimento | Fábio Campana

No oeste, Richa e Barros prometem governo aberto e desenvolvimento

A dupla Beto Richa e Ricardo Barros visitou oito municípios ontem. A corrida pelo oeste se iniciou em Ouro Verde do Oeste e continuou em São Pedro do Iguaçu, Vera Cruz do Oeste, Ramilândia, Itaipulândia, Diamante do Oeste, São José das Palmeiras e Santa Helena. Em Toledo, Richa defendeu uma gestão pública moderna e democrática, com a abertura de canais de comunicação permanentes com a população paranaense.

Ricardo Barros, candidato ao Senado na chapa de Beto Richa, falou sobre o esforço que terá de ser feito no Senado para defender os interesses do Paraná e ajudar Richa a realizar seu projeto de governo, que se baseia na retomada do desenvolvimento.

“Queremos um governo competente, dinâmico e vigoroso, que produza os resultados positivos aguardados por todos os paranaenses. Queremos um governo aberto, que respeite o cidadão e com uma visão moderna de administração pública”, afirmou Richa, em entrevista coletiva.


Richa participou de reuniões suprapartidárias em oito municípios do Oeste do Paraná, para discutir seu Plano de Governo.“A proposta é valorizar a opinião das pessoas, promovendo encontros suprapartidários nos mais diversos municípios do Estado para construir um grande Plano de Governo. Eu quero que este Plano possa representar as verdadeiras aspirações de todos os paranaenses”, disse Richa. “Um Plano que vai também respeitar as diferenças e vocações de cada região do Estado.”

Propostas da região

Lideranças de municípios do Oeste paranaense entregaram a Richa um documento com 18 propostas para o desenvolvimento social e econômico da região, como estudos de pré-viabilidade para conexão ferroviária Cascavel-Ciudad Del Este-Maria Auxiliadora; o desenvolvimento das hidrovias Paraguai/Paraná e Tietê/Paraná; implantar portos intermodais em Foz nos rios Iguaçu e Paraná; ampliação e revitalização dos aeroportos de Foz e Toledo; duplicação da rodovia das cataratas (BR 469); e duplicação da BR 277 no trecho entre Medianeira e Cascavel.

Pedágio

Na câmara municipal de Vera Cruz do Oeste, Richa disse que é preciso despolitizar a discussão a respeito do pedágio nas estradas do Paraná. “Temos que tratar o pedágio com seriedade, chamar as empresas para debater. Não há dúvidas de que a tarifa está alta, portanto, é preciso fazer prevalecer o interesse público, principalmente no tocante à retomada dos investimentos para melhoria das nossas rodovias, para melhoria do acesso e da mobilidade em nosso estado, bem como para o escoamento da produção agropecuária”, afirmou Richa. Para ele, além do pedágio, há muitas outras questões importantes para resolver na área de infraestrutura do Paraná. “Como a implantação de alternativas rodoviárias, implantação de novos trechos de ferrovias e a questão da intermodalidade, entre rodovias, ferrovias e hidrovias.”

Aeroportos e duplicação da BR 277

Em reuniões nas Câmaras Municipais, Richa discutiu a necessidade obras de infraestrutura para a região, como a ampliação dos aeroportos regionais de Foz do Iguaçu e Toledo e a duplicação da BR 277 no trecho entre Cascavel e Medianeira. “Vamos procurar, por meio do diálogo, unir todos os setores da sociedade, nossos deputados federais e senadores, em torno de um bom projeto para o Paraná. Vamos buscar as verbas federais e as parcerias necessárias para assegurar obras para melhorar a infraestrutura das regiões e da qualidade de vida da população”, afirmou Richa

Os deputados federais Ricardo Barros (PP) e Dilceu Sperafico (PP), os deputados estaduais Luiz Fernandes Litro (PSDB), Reni Pereira (PSB) e Duílio Genari (PP) acompanham Richa no giro pelo Oeste.


5 comentários

  1. MESQUITA
    quinta-feira, 3 de junho de 2010 – 14:49 hs

    A nova dupla dinâmica do paraná , o carisma de BETO RICHA e a competencia do Deputado RICARDO BARROS , atravessando o estado de ponta a ponta . E em CURITIBA a dupla pode contar com a tropa de ELITE da campanha do Vereador JULIANO BORGHETTI e da Deputada CIDA BORGHETTI .

  2. felipe andre
    quinta-feira, 3 de junho de 2010 – 16:10 hs

    Entao quem serao os candidatos a senador do psdb?
    Osmar Dias e Ricardo Barros??

  3. O olho critico de Antonina
    quinta-feira, 3 de junho de 2010 – 18:56 hs

    José Serra precisa de ajuda. Não basta aquela que lhe é oferecida por uma mídia favorável. É necessário que alguém reavive seu senso de oportunidade. Um dos males que costumava atacar com muita frequência o brasileiro, principalmente aquele que vivia de salário (a maioria, portanto) consistia na tendência de ser enganado com facilidade. Faz cerca de oito anos que o PSDB deixou o governo e ainda não se deu conta de que a percepção da realidade mudou. Jogar palavras ao vento, como fez o pré-candidato tucano para uma platéia de militantes (?) do PPS, é um exercício arriscado, uma manifestação que mescla soberba e desespero em dosagem tão hilariante quanto assustadora. Mas nada disso nos permite duvidar de sua capacidade e argúcia analítica. Afinal, como diz o slogan de campanha dos tucanos: “o Brasil pode mais”. Resta saber o quê. E para quem.

    Ao afirmar, em uma tentativa de crítica à política econômica do governo Lula que “nós estamos voltando rapidamente a um modelo que não atende à demanda de emprego que o país possui”, o ex-governador paulista aposta no total alheamento do eleitor brasileiro. Tamanha credulidade espanta, tendo em vista que o mundo do trabalho – a principal vítima do modelo neoliberal orquestrado pelo tucanato – aprendeu direitinho, na própria pele, o que significou o mercado desregulado como chave para o crescimento econômico e as virtudes do “Estado musculoso”, elementos centrais no discurso serrista.

    A afirmação sobre empregos não é piada, nem brincadeira de um notívago diletante, mas desespero de um candidato que, em face de uma conjuntura que lhe é totalmente adversa, tem que produzir discursos a todo e qualquer custo. E de Serra, pode-se afirmar várias coisas, menos a de não ser um ator político que sabe o que faz. Sua eventual perdição, entretanto, antes de ser festejada pelas forças progressistas, deve causar desconfiança e vigilância redobrada. Pois é inevitável que os ânimos se acirrem em seus dois principais pólos de apoio: a mídia corporativa e o Poder Judiciário.

  4. Pedroca
    quinta-feira, 3 de junho de 2010 – 20:18 hs

    Quem se mistura a porcos não sairá perfumado…

  5. Estela
    sexta-feira, 4 de junho de 2010 – 10:38 hs

    Vergonha do Paraná, sr. richa!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*