Assassino era conhecido de Wilson Bueno, diz delegado | Fábio Campana

Assassino era conhecido de Wilson Bueno, diz delegado

Da Gazeta do Povo

O responsável pela morte do escritor Wilson Bueno conhecia a vítima, de acordo com informações divulgadas pela polícia nesta terça-feira (1º). Bueno foi encontrado morto no início da noite de segunda-feira (31) na casa dele em Curitiba. O delegado Silvan Rodney Pereira, da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) – responsável pelo caso – declarou que é possível afirmar com certeza que o assassino estava dentro da residência com o consentimento do escritor.

Segundo levantamento do Instituto de Criminalística, Bueno morreu depois de sofrer uma hemorragia, ocasionada por um golpe no pescoço. Ele foi atingido por um objeto que perfurou as veias jugulares da vítima. Ele estava sentado em uma cadeira no escritório dele quando o crime foi cometido. Quando foi encontrado, na segunda, o corpo de Bueno estava em estado de rigidez, o que indica que ele estava morto há mais de 12 horas.

Dois aparelhos celulares e uma máquina fotográfica foram levados da casa. Para o delegado, estes objetos poderiam, de alguma forma, indicar a autoria do crime e por isso foram retirados do local pelo criminoso. Além disso, um computador e um fax foram movidos dos lugares onde costumavam ficar. O escritório de Bueno estava bastante revirado, de acordo com as autoridades.

Em coletiva realizada na tarde desta quinta, Pereira afirmou que algumas pistas coletadas na residência podem ajudar na resolução do caso. Foram encontrados um chinelo, que pode ser do assassino, e uma marca de planta de pé em uma das poças de sangue que se formou no local do crime.

Um talão de cheque de Bueno, sem duas folhas, também pode ajudar nas investigações. Um cheque de R$ 130, datado de 31 de maio, foi assinado pelo escritor. Outro, de R$ 115, foi assinado em 25 de maio.

De acordo com a polícia, já existem alguns suspeitos, no entanto, detalhes não foram divulgados para não atrapalhar as apurações das autoridades.

Nesta quarta-feira (2), vão prestar depoimento na Delegacia de Furtos e Roubos a empregada do escritor, o irmão de criação e um dos vizinhos da vítima que teria ouvido Bueno chegar em casa na noite do último domingo.

Homenagem

Nesta terça-feira (1º), o corpo de Wilson Bueno foi velado na Capela da Luz, no Cemitério Municipal de Curitiba. A cerimônia começou às 8h e durou até por volta das 16h30. No final da tarde foi realizado o enterro do escritor no Cemitério Municipal do Santa Cândida. Durante todo o dia, amigos e familiares de Bueno prestaram as últimas homenagens a ele e fizeram questão de destacar a importância do trabalho de Bueno.


4 comentários

  1. valéria prochmann
    quarta-feira, 2 de junho de 2010 – 2:39 hs

    O delegado Dr. Silvan Rodney Pereira é competente e experiente. O inquérito certamente está em boas mãos. Vamos torcer que ele encontre logo o assassino e que o mesmo seja devidamente responsabilizado por esse crime absurdo e chocante.

  2. naval
    quarta-feira, 2 de junho de 2010 – 17:04 hs

    agora com o Helcio Piazetta e o Fioravante na DFR a coisa vai andar nos eixos e com muito mais rapidez, competencia e profissionalismo
    Parabens a DFR pela brilhante aquisição

  3. quarta-feira, 2 de junho de 2010 – 19:33 hs

    QUE PERDA LAMENTÁVEL PARA A LITERATURA E JORNALISMO BRASILEIRO,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,

  4. valéria prochmann
    sexta-feira, 4 de junho de 2010 – 0:42 hs

    Como eu havia afirmado, o Dr. Silvan com o empenho de sua equipe resolveu rapidamente o caso, encontrando o assassino, cujo nome estava em um canhoto do talão de cheques. Bem feito pro sujeito que se imaginava impune e fora do alcence da lei. Agora ele que aproveite o tempo na prisão para ler a obra literária magnífica do homem cuja vida ele tirou por R$ 130.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*