Serra quer discutir aliança com Osmar | Fábio Campana

Serra quer discutir aliança com Osmar

De Elizabete Castro, via Paraná Online

Uma semana depois da conversa entre o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, e o senador Osmar Dias, que despertou novamente o interesse do PT em compor uma aliança com o PDT, as articulações continuam em ponto morto.

É o que avalia o senador pedetista que, ontem, estava se preparando para um encontro com o pré-candidato do PSDB à presidência da República, ex-governador José Serra. A reunião estava agendada para a noite, em São Paulo, e foi proposta por Serra, que telefonou ao senador pedetista.

Entretanto, poderia ser adiada para hoje, dependendo da agenda do tucano que estava no Rio Grande do Sul, onde foi tentar buscar o apoio de peemedebistas que se recusam a seguir a orientação nacional do partido para apoiar a ex-ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à presidência da República.

Osmar disse que ainda não tem uma resposta para os tucanos que propuseram a ele a vaga de candidato ao Senado e a indicação do candidato a vice-governador, na chapa encabeçada pelo ex-prefeito de Curitiba Beto Richa.

“Até agora, ainda não conversamos sobre essa proposta com o Serra. Não sentamos para detalhar nada”, disse Osmar, garantindo que é especulação a versão de que o pré-candidato tucano a presidente da República ofereceu o ministério da Agricultura em um eventual governo tucano. “O Serra sempre me liga e conversamos bastante sobre agricultura. Mas ele mesmo já disse publicamente que, antes de prometer ministério, ele tem que ganhar a eleição”, observou o pedetista.
Sem chances

Para Osmar, as possibilidades de um acordo com o PT e o PMDB são a cada dia menores. A conversa que teve com o governador Orlando Pessuti (PMDB) no domingo passado deixou o senador mais cético em relação à possibilidade de ter o palanque que o presidente Lula teria prometido a ele no Paraná, reunindo os partidos da sua base no mesmo palanque.

“O Pessuti me confirmou que é candidato. O PT não alterou sua posição. Eu comecei a propor essa aliança quando o PMDB ainda não tinha candidato e o PP ainda estava livre. Isso tudo mudou”, afirmou.

A pesquisa do Instituto Vox Populi, divulgada no início da semana, não interfere nas decisões, afirmou o senador. “Se fosse me basear em pesquisas, não teria sido candidato em 2006, porque os números mostravam que o Requião iria ganhar no primeiro turno”, afirmou. Para Osmar, pesquisa é como um jogo de futebol.

“Já que o presidente Lula gosta de fazer comparações com futebol, vou fazer também. Uma hora o jogo está empate, mas dez minutos depois, o placar muda. Então, não basta estar bem eleitoralmente. Para fazer uma campanha, tem que ter estrutura e partidos te apoiando. Não dá para entrar no jogo em que o adversário tem onze jogadores e você só oito”, afirmou.


8 comentários

  1. o que o cielo faz?
    sexta-feira, 21 de maio de 2010 – 9:27 hs

    ih

  2. sexta-feira, 21 de maio de 2010 – 9:37 hs

    “Como não conduzir a organização de um pleito eleitoral”, documentário da atuação do PT no PR.

  3. Mariana
    sexta-feira, 21 de maio de 2010 – 9:40 hs

    É, faz tempo que o Osmar esta pensando.Como ele diz as coisas estão mudando. O que esta se vendo é que os partidos estão se aliando ao PSDB, e ao Serra. O PSDB já tem 12 partidos coligados, e 5 diretórios estaduais do PMDB a favor. Alguns irremediaveis como é o caso de Pernambuco, Mato Grosso do Sul e RS, no quais existe candidato do PMDB e PT para governador. Uma coisa é certa, o PMDB é candidato a vice na chapa do PT, mas não unifica-se em torno da Dilma (embora a lei possa obrigar). Os motivos deste distanciamento do PT e fragmentação do PMDB é, o autoritarismo do PT, a postura do Lula, uma má avaliação da ex-ministra como candidata, a resistência a supremacia do PT. Eu penso que esta idéia de um partido hegemônico não cai bem para um grande número de politicos, sobretudo de outros partidos.

  4. acordos
    sexta-feira, 21 de maio de 2010 – 9:54 hs

    Sr. Osmar, V.Sa. teve meu voto nas duas ultimas eleições – senado e Governo do Paraná. Se o Sr. fizer acordo com o PT, nunca mais voto no SR. E este pensamento é de todos meus familiares. Um grande abraço, e pense bem antes de se ligar a esta corja. Vai perder muitos votos.

  5. Maquiavel
    sexta-feira, 21 de maio de 2010 – 9:56 hs

    O ex-líder comunitário João Pereira virou panfleteiro do Miquelis. Pode? o mundo dá voltas Sr. João pereira. Aqui se faz, aqui se paga.

  6. sexta-feira, 21 de maio de 2010 – 10:09 hs

    Realmente acabei de assistir agora na Band o ENTREVISTA COLETIVA , onde o senador Osmar Dias confirmou que votou a favor do ” Ficha Limpa ” e espera que seja válido já para essa eleição.
    O Osmar tambem confirmou sua candidatura ao governo do estado e espera apenas formar uma aliança com outros partidos que de condições de tempo de televisão, sabendo que com apenas 00:00:49″ do PDT são insuficientes para apresentar aos eleitores as propostas de seu projeto de governo.
    Confirmou tambem que esteve com o Serra, o qual propôs ao PDT a indicação do vice na composição do PSDB no Paraná e sua continuidade como senador, desmintindo a promessa de ministério, mesmo porquê o candidato Serra não é presidente eleito para tal.
    Disse que o seu projeto não inclui ser vice nem do Beto Richa e nem do Pessuti, que tambem o fez a mesma proposta, que mantém sua candidatura pelo PMDB.
    Quanto ao PT, disse que já esta descartada qualquer acordo e que respeita a decisão da disputa ao senado pela Gleise.
    Que não gosta de formar alianças circunstanciais , pois discorda quando políticos prometem fundos e mundos aos seus aliados e depois não os cumpre, que irá formalizar qualquer aliança preto no branco reconhecido em cartório.
    Quando perguntado pelo jornalista Fabrício da BAND sobre a demora para formação e definição de sua candidatura, para que o mesmo não faça igual em 2006 que decidiu em última hora; respondeu que no máximo em 10 dias é o prazo para decisão final.
    Com todo modéstia disse: todos querem ser o pai da criança, mas quem iníciou a proposta da multa do Banestado, foi ele.
    Aguarda que o seu partido o PDT, após ouvir a opinião da sociedade deverá escolher uma das 02 opções que lhe restam, não descartando a possibilidade do senado, caso a proposta de governo do PSDB for compatível com o seu programa de governo.
    Acha que política é coisa séria e que lamenta os comentários defamatórios que rolam no twitter e blogs na internet por pessoas que não sabe discutir e opinar sobre os grandes problemas do Paraná.
    Que 2010, nem começa e nem termina para ele, pois o mesmo é agricultor, mas corre 30 anos pelo Paraná e sabe dos reais problemas do estado e que os eleitores e a população paranaense deverá escolher o mais bem preparado e experiente dos candidatos para governar nosso estado. 20/05/2010 às 23:00 h.

  7. celso
    sexta-feira, 21 de maio de 2010 – 14:22 hs

    Bom, se o Serra quer o apoio do Osmar tudo bem sao dois homens publicos de grande valor. entao fassamos assim. O PDT do paraná apoia o 45 do Serra para presidente encontrapartida o 45 do Serra apoia Osmar Dias para o governo com direito de indicar o fruet para vice. Boa aliança o Beto Richa sai para o senado. Pronto fechou
    Serra presidente 45
    Osmar Governador 12
    vice Gustavo Fruet
    Senado
    Beto Richa 451
    Ricardo Barros 111

  8. walter
    sexta-feira, 21 de maio de 2010 – 19:28 hs

    tranqueira com tranqueira fazem zig zig za…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*