PT cobra do PMDB articulação contra Quércia em SP | Fábio Campana

PT cobra do PMDB articulação contra Quércia em SP

Do Josias de Souza

Ao sentar com os dirigentes do PMDB para fechar os palanques regionais, a cúpula do PT passará da posição de demandada à de demandante.

Os operadores da campanha de Dilma Rousseff estão incomodados com a “passividade” do PMDB diante de suas defecções.

O incômodo é maior em relação a São Paulo, o Estado de Michel Temer. Ali, Orestes Quércia conspira a céu aberto contra Dilma.

Presidente do diretório paulista do PMDB, Quércia apóia o tucano José Serra e concorre ao Senado na chapa de Geraldo Alckmin.

O alto petismo considera “constrangedor” que a ala governista de Temer não esboce ao menos uma reação para tentar barrar Quércia.

Recorda-se que Temer, além de ter sido admitido na chapa de Dilma como vice, emplacou um apadrinhado na pasta da Agricultura.

Desde o início de abril, responde pelo Ministério da Agricultura Wagner Rossi. Filiado ao PMDB, é paulista, como seu padrinho.

O que pede o PT? Que Temer organize um movimento para deter, na convenção estadual, a homologação da candidatura de Quércia ao Senado.

Ainda que atenda aos apelos dos parceiros, Temer terá dificuldade para entregar a “mercadoria”. Quércia controla a maioria do diretório paulista do PMDB.

O caso de São Paulo não é único. O PT deseja que o “aliado” pegue em lanças também em outros Estados nos quais o PMDB flerta com Serra.

Nos subterrâneos, o partido de Lula menciona, em especial, três unidades da federação: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

No Rio Grande, cobra-se do PMDB federal uma ação para impedir que o ex-prefeito José Fogaça, candidato ao governo, feche com Serra.

De novo, é “mercadoria” difícil de ser levada à gôndola. Fogaça chegou a manter um par de reuniões com Dilma. Ensaiou a adesão.

Foi às manchetes uma especulação sobre a iminência da viabilização de dois palanques pró-Dilma no Estado.

Um provido por Fogaça. Outro, pelo ex-ministro da Justiça Tarso Genro, que vai às urnas como candidato do PT ao governo local.

Porém, o PMDB e o PT gaúchos são como água e azeite. Difícil de misturar. Algo como 80% dos correligionários de Fogaça pendem para Serra.

Em Santa Catarina, o pemedebê Luiz Henrique governou por dois mandatos em aliança com PSDB e DEM.

No final do ano passado, a tríplice aliança catarinense começou a fazer água. Na semana passada, o DEM lançou a candidatura solo de Raimundo Colombo.

O tucanato age para manter o apoio de Luiz Henrique a Serra. E o PT federal abespinha-se com a “inação” do pedaço governista do PMDB.

Avalia-se que o grupo de Temer desperdiça a hora. Diz-se que poderia aproveitar a crise local para obter, pelo menos, a neutralidade de Luiz Henrique.

No Mato Grosso do Sul, o governador pemedebê André Puccinelli, candidato à reeleição, bandeia-se para o lado de Serra em reação a Zeca do PT.

No ano passado, o PMDB nacional rogou para que o petismo retirasse Zeca do caminho de Puccinelli. Deu em nada.

Nos últimos dias, Zeca e Puccinelli, rivais inconciliáveis, desfilaram as respectivas candidaturas pelos mesmos ambientes.

Um não cedeu ao outro nem mesmo a gentileza de um cumprimento. Evitaram até mesmo a troca de olhares.

A despeito da atmosfera eletrificada, o PT reivindica que Puccinelli, muito ligado ao grupo de Temer, aceda à tática do duplo palanque.

Faz-se uma analogia com o caso da Bahia. Se dependesse da vontade de Lula, o pemedebê Geddel Vieira Lima seria candidato ao Senado, não ao governo.

Por exigência do PMDB, admitiu-se que Geddel escalasse o ringue baiano contra o governador petê Jaques Wagner, amigo de Lula e candidato à reeleição.

Dilma irá aos palanques de Geddel e de Wagner. E o PT federal não se conforma com o fato de o PMDB rejeitar a aplicação da mesma fórmula na terra de Puccinelli.

Noves fora a admissão de Temer na chapa de Dilma, o PT invoca o caso de Minas Gerais para realçar sua condição de “credor” na relação com o PMDB.

Desafiando seu diretório mineiro, aferrado à candidatura de Fernando Pimentel, o PT de Brasília age para por de pé o palanque único do pemedebê Hélio Costa.

Diz-se que a incorporação de Pimentel ao projeto de Hélio virá por bem. Se não vier, será assegurada por mal, em decisão do diretório nacional.

Diante de tais “sacrifícios”, o PT considera-se legitimado para “exigir” do grupo de Temer uma dose maior de comprometimento.

Um dos operadores petistas de Dilma esclareceu ao blog: cobra-se do PMDB o empenho, não o resultado. Se as armadilhas forem desarmadas, tanto melhor.


4 comentários

  1. Wilson
    segunda-feira, 10 de maio de 2010 – 14:03 hs

    O PMDB é uma confederação de oligarquias micros regionais e nisto reside a sua grande força e a sua grande fraqueza, já que se tentar impor na marra a unidade em cima de uma única agenda nacional ele explode em mil pedaços.

    Está confederação acomodada sob a sigla de partido independentemente de quem ganhe o governo exerce o seu poder após as eleições, pois ela com seu monstruoso quadro de parlamentares representam a governabilidade para quem lá chegar.

    Após as eleições o PMDB sempre se rearticula para disputa dos espaços de governo. O que muda é só quem será o grupo mais próximo ao novo governo e este é quem fará a aproximação com os demais via uma longa agenda de negociações de interesses micro regionais. Isto é danoso para o país e os estados, já que este amontoado de pequenos compromissos impede que o Brasil tenha um projeto estratégico integrado de desenvolvimento calcado em cima das prioridades nacionais ou até mesmo das estaduais.

    O PT está pedindo o impossível!

  2. Borduna
    segunda-feira, 10 de maio de 2010 – 14:08 hs

    O PMDB é fisiológico e ponto. A Dilma sempre soube disso. Os apoios vão pra quem der mais e tá acabado. Oferece um ministério pro Quercia que ele muda. É assim que é….mensalão legalizado. Ou vcs não conhecem isso, em PT?

  3. bafão
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 5:32 hs

    Ichhhh….fedeu!!!

  4. HENRY
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 10:27 hs

    CONSTRANGEDOR É O ASSALTO QUE ESSA QUADRILHA DO pt (partido do trambique) IMPÔS A NAÇÃO BRASILEIRA E Ñ FICAM NEM CORADOS DE VERGONHA. (coisa que com certeza eles ñ tem)!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*