Previdência de servidor terá rombo recorde | Fábio Campana

Previdência de servidor terá rombo recorde

Julianna Sofia na Folha de S. Paulo

O próximo presidente enfrentará no primeiro ano de governo um deficit recorde no regime de aposentadoria dos servidores públicos federais.
Projeções do Ministério da Previdência indicam que o rombo no sistema alcançará a marca histórica de R$ 32,4 bilhões em 2011.
O valor projetado representa um aumento de 33% em relação ao saldo negativo esperado para este ano: R$ 24,3 bilhões. Em 2009, as contas fecharam no vermelho em R$ 23,2 bilhões. A previsão é que até 2035 a situação se deteriore progressivamente e o desequilíbrio atinja R$ 99,8 bilhões.
O cenário também é de aumento do rombo quando se calcula o deficit como proporção do PIB. O percentual previsto para 2011 alcançará 0,85% da soma de bens e serviços produzidos no país no período. Neste ano, a previsão é atingir 0,70%.
Com esse crescimento do saldo negativo em relação ao PIB, observa-se uma volta aos patamares registrados há mais de seis anos (veja quadro na pág. B3). Mais ainda: se consolida uma inversão na tendência de redução no deficit.

Desde 2004 -ano em que entrou em vigor a reforma da Previdência promovida pelo governo Lula nas regras de aposentadoria do setor público-, houve um movimento predominante de queda no saldo negativo. Mas, agora, as estimativas apontam para uma curva ascendente do rombo nos próximos dez anos.
Aprovada no primeiro ano da gestão petista, a reforma previdenciária criou regras mais duras para a aposentadoria do funcionalismo. Mas um dos principais pontos da emenda à Constituição ainda não foi regulamentado, o que limitou os efeitos positivos das mudanças.
Especialistas consultados pela Folha avaliam que os aumentos salariais concedidos ao funcionalismo no período 2009-2011 estão entre os motivos para o salto no deficit no ano que vem. Além disso, sustentam que o sistema caminha para a insolvência, comprometendo cada vez mais a política fiscal do governo.

Favas contadas
Para o ex-ministro da Previdência e consultor José Cechin, não há solução de curto prazo para o que as projeções do regime de aposentadorias do funcionalismo mostram. “O que está ali são favas contadas. Vai acontecer, já está dado. O governo vai ter de pagar essa conta inescapavelmente”, afirma.
Na avaliação de Cechin, além dos aumentos salariais, pode-se creditar à reforma previdenciária de 2003 outro efeito colateral.
“Quem tinha menos de 55/ 60 anos [mulher/homem] na época da reforma, mas já podia se aposentar dentro de uma regra de transição, sofreria um redutor no valor do benefício. Já se foram sete anos da reforma. Essas pessoas agora já podem se aposentar sem esse desconto”, disse Cechin.


12 comentários

  1. Calunga
    domingo, 9 de maio de 2010 – 12:05 hs

    O que mais poderia se esperar de um governo fraco como esse do Lula. Ele só sabe fazer discursos e, com isso, pensa que está levando o povo na conversa, mas no decorrer da campanha muita coisa vai ser revelada. Daí a razão do desespero para eleger a dona Dilma.

  2. bimbo
    domingo, 9 de maio de 2010 – 12:41 hs

    E aí cambada, vamos estar iguais a Grécia em pouco menos de 10 anos. Preparem -se.

  3. Sabir
    domingo, 9 de maio de 2010 – 15:21 hs

    RINSO neles pessoal . . . Brancura total, isso é o mínimo que poderemos fazer…Branco mais branco. . o primeiro sabão em pó

  4. domingo, 9 de maio de 2010 – 15:24 hs

    De um governico sem vergonha como esse não sobra dinheiro para os aposentados MAS para fazer média e mídia com o mundo lá fora , ellle empresta quase 300 MILHÕES para Grécia.

  5. ze verdade
    domingo, 9 de maio de 2010 – 15:53 hs

    intriga intriga intriga …..e so o que a oposicao sabe fazer …TRABALHAR QUE E BOM …..NADA ….VAI VER COMO ESTA SP DO SERRA E COMO ESTA O GOVERNO DO LULA …FORA SERRA ….DILMA PRESIDENTE AGORA…

  6. Dieter
    domingo, 9 de maio de 2010 – 16:54 hs

    É isso ai, o Serra vai assumir um Estado com dívidas enormes, e em 2014 o vagabundo do lula, bebado, vai se eleger de novo dizendo que o governo não fez nada. Brincadeira isso. CADE A RESPONSABILIDADE FISCAL, NÃO VALE PRO ALILULA -BABA E SEUS INUMEROS LADRÕES.

  7. Nobre Cristão
    domingo, 9 de maio de 2010 – 18:15 hs

    Meia verdade é pior do que uma mentira por inteiro. Sim, haverá aumento do déficit por um período e, após, teremos estabilização até o ano de 2038. A partir daí observaremos queda vertiginosa neste déficit passando a superávit na sequencia. É a partir de 2038 que a reforma de 2003 surtirá todos os seus efeitos. Este pessoal que vive anunciando o déficit da previdência são representantes das instituições financeiras que vendem títulos de previdência privada. Esta turma deveria responder criminalmente por criar insegurança no sistema para atender interesses dos grupos que, clandestinamente, representam.

  8. José
    domingo, 9 de maio de 2010 – 19:04 hs

    É só o governo comparecer com a contribuição dele, como qualquer empresa privada faz. Aí, com certeza este déficit não vai existir.

    O que estão alardeando é o deficit considerado apenas com o que é decontado do salário do servidor.

  9. observando
    domingo, 9 de maio de 2010 – 19:56 hs

    Manter altos salários, à custa dos descontos dos trabalhadores;
    Manter o luxo da repartições, à custo dos decontos dos assalariados.
    E o atendimento?
    Descontando, conta redonda para facilitar…, Cada dez trabalhadores, 100%, paga um aposentado de igual categoria. Agora descontam de passagens, de ingressos, de construções …
    Onde está o dinheiro? O gato comeu, o gato comeu …

  10. Ed
    domingo, 9 de maio de 2010 – 23:01 hs

    Na realidade não existe déficit da previdência, pois sua arrecadação é superavitária. O problema é que o governo rapa o tacho da previdência para fazer o superávit primário, fazer obras e pagar outras contas e passa a idéia para a população (na maioria ignorantes) de que a previdência vai mal.

  11. Juiz Federal
    segunda-feira, 10 de maio de 2010 – 9:29 hs

    Não sei se sabem, mas o executivo mandou um projeto de reajuste de 6% e os deputados aumentaram. Quem é fraco?

  12. EVERTON MARCELINO
    terça-feira, 1 de junho de 2010 – 10:05 hs

    Falamos de arrecadação, superávit, déficit, mas o que realmente interessa é que os benefícios recebidos pelos aposentados é inconcebível!!! Quando o governo fala em aumento aparece com migalhas dizendo que vai desajustar as contas do governo. Se temos superávit, porque não pagamos um salário mais digno? As reformas previdenciárias são necessárias porque a expectativa de vida aumentou e as contribuições não eram suficentes para pagar a todos, mas entra ano, sai ano e o INSS vai mal, e isso é uma realidade! O governo lula transferiu as filas dos postos de atendimento para filas no telefone. Os trabalhadores não cosneguem marcar perícias para voltarem ao trabalho, os médicos alegam que recebem pouco e não querem trabalhar para o SUS, o fator previdenciário vai continuar incidindo, enfim, se temos superávit porque os problemas não se resolvem? Se realmente temos dinheiro, porque não resolvemos os problemas que acompanham nossa população há décadas? Desculpem-me os especialistas, mas apontar os problemas é muito simples se compararmos à solução dos mesmos. Temos percebido que o dinheiro da previdência tem sido aplicado em outras áreas que não a própria previdência. Estamos às vésperas de mais uma eleição e FHC e LULA, que fizeram as últimas reformas na previdência, não apresentaram soluções para o sistema, apenas continuam apontando os problemas como se não fossem co-responsáveis pelos mesmos. Não acredito que o sistema vai quebrar, mas acredito que a classe pobre, que recebe apenas um benefício viverá a míngua, estamos cultivando uma massa cada vez mais de miseráveis, de pessoas que não vivem, mas que apenas tentam sobreviver… Viva o projeto do Congresso sobre o direito de ser feliz!!! Quem sabe não incluem os problemas previdênciários como prioridade…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*