Lula pede que ministros endureçam com servidores em greve | Fábio Campana

Lula pede que ministros endureçam com servidores em greve

Nathalia Passarinho, do G1

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reuniu nesta segunda-feira (10) mais de dez ministros do governo e dirigentes de órgãos públicos para pedir que eles endureçam com servidores em greves. Segundo o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo (na foto de Saulo Cruz/Ag Câmara), Lula afirmou que não haverá reajuste salarial neste ano. Segundo ele, o presidente pediu ainda que os ministros controlem o tempo de duração das greves e descontem os dias parados dos funcionários. O governo também tentará na Justiça declarar as greves ilegais.

“A reunião foi para dizer que ministro e dirigente não é sindicalista e, portanto, não tem que ficar defendendo greve. Não temos condições de fazer aumentos salariais adicionais em 2010”, disse Paulo Bernardo. O ministro minimizou o número de servidores em greve. Segundo ele, cerca de 500 funcionários de seis órgãos da administração pública federal estão paralisados.

No Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama), de acordo com o comando de greve, somente em Rondônia (RO), 61% dos funcionários do Instituto Chico Mendes teriam colocado as funções gratificadas que ocupam à disposição do governo.

“Estamos arguindo ilegalidade na Justiça e há determinação para descontar os dias parados. O presidente pediu que houvesse controle disso e que descontasse as horas paradas”, afirmou.

O ministro também criticou a postura de membros do governo que, em ano eleitoral, apoiam greves promovidas por seus próprios funcionários. “Algumas vezes ministros ou dirigentes manifestam aos funcionários apoio às reivindicações e a gente fica numa situação difícil.”

A reunião foi para dizer que ministro e dirigente não é sindicalista e, portanto, não tem que ficar defendendo greve. Não temos condições de fazer aumentos salariais adicionais em 2010 “
Paulo Bernardo

Segundo Bernardo, é “natural” que os movimentos por reajustes ganhem força quando se aproxima a data em que a legislação eleitoral veda aumentos salariais. “É natural isso. Como tem o período eleitoral, que é 1º de julho, que proíbe reajustes, é normal que haja pressão maior. O que não é normal é nós cedermos”, disse.

Reajuste de aposentados

O ministro disse ainda que Lula citou, durante a reunião, a questão do reajuste para aposentados que ganham acima de um salário mínimo como um exemplo de que em ano eleitoral “é preciso ter cuidado”.

A Câmara dos Deputados aprovou na semana passada reajuste de 7,7% para aposentadorias acima do mínimo. O governo tenta reverter a decisão no Senado para aprovar aumento de até 7%.

“Lula mencionou apenas para exemplificar que é preciso ter cuidado. Lembrou que temos um acordo com centrais sindicais [de reajuste de 6,14%]. Se ele não for votado, provavelmente [reajuste maior] vai ser vetado”, disse. Segundo Paulo Bernardo, o governo não vai fazer “nenhuma irresponsabilidade” porque não quer deixar “dívidas” para o sucessor.


11 comentários

  1. CAÇADOR DE PETISTAS
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 14:28 hs

    OUTRO PELEGO PETISTA

  2. CAÇADOR DE PETISTAS
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 14:43 hs

    ENTENDI.

    Com os trabalhadores que reevindicam melhores salários, lula da Silva pede enderurecimento.

    Com os aposentados que trabalharam a vida toda para construir o Brasil, lula nega um aumento mediocre;

    Mas, para emprestar dinheiro ao FMI e paises menos miseráveis que o Brasil, Lul da Silva não faz qualquer menção.

    Ja, com o MSTque se apropriam de terras produtivas e particures e com os mensaleiros do PT, Lula, afrouxa as redeas, e faz que deixa as coisasr correrem na maior ilegalidade.

    Para gastar milhões de propaganda da Caixa federal, Banco co Brasil e outros órgãos público com único íntuito de promoção própria, lula da Silva não reclama.

    Este descogoverno Petista é uma vergonha

  3. sarna
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 15:03 hs

    Sorte do Lula que quando perder o emprego atual não terá que voltar a ser sindicalista.

  4. Indepenndente
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 15:55 hs

    Quem são os privilegiados?

    Realmente, mais uma vez os servidores públicos pagam o preço por todos os pecados dos detentores do poder econômico, como
    sempre apenas referendados pelos agentes políticos da vez.

    Depois de tantas absurdas retiradas de importantes e justificáveis direitos do funcionalismo, incluindo as inconstitucionais reformas previdenciárias, é com profunda tristeza que visualizamos uma vez mais que o nome da agremiação partidária em questão não faz jus à categoria que diz defender.

    De novo, o recheio do sanduíche paga as contas de baixo e de cima, enquanto os reais portadores de regalias e privilégios, com suas bravatas populistas, demonizam os funcionários públicos para angariar votos dos mais desinformados e humildes, enquanto retiram deles mesmos a culpa pela reiterada panacéia plutocrática e demagógica.

    Um lástima. Uma lástima.

    E o que é pior: numa guerra entre duas visões de mundo tão similares, o que resta?

  5. Duas caras
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 16:02 hs

    Por que ele nunca tomou atitudes como essa quando se tratavam de greves do Banco do Brasil e da Petrobras? Ao contrario, negociou e facilitou para essa mega-corporações.

  6. Pitaco
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 16:45 hs

    Essa é a cara dos políticos do PT e aliados, legislam sempre segundo os seus interesses próprios. Apoiam as greves, para angariar votos e são contrários para não se indisporem com a população. Não possuem ideologia alguma e mentem, sempre mentem…
    VERGONHA…

  7. Rubens Tavares
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 17:54 hs

    que lástima, ter que ler essa noticias, a respeito do governo endurecer contra as reivindicações dos servidores federais, se perder a eleição teremos a cut, e demais ex membros do governo a propor greves contra o “governo” conservador que foi eleito, mas estando no governo o tom do dsicurso é outro, será que vale a pena a luta sem “fronteiras” para eleger o seu candidato(a), a qualquer preço………….espero que Paulo Bernardo, o ex “enfant Terrible” Vanhoni, se estiverem do outro lado sejam coerentes e proponhams endurecer contra o movimento de trabalhadores quando estes propozerem paralizações……….. realmente é um desrespeito aos servidores e ainda mais ao aposentados……….

  8. CORAÇÃO LONDRINENSE
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 18:47 hs

    CONCORDO COM O CAÇADOR DE PETISTAS….E… DUAS CARAS, QUANDO ELES ERA OPISIÇÃO ERA GREVE TODO DIA, ESSE PAULO BERNARDO DEVERIA SER BANIDO DO BRASIL

  9. PORRETE DE LAPACHO
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 19:15 hs

    esse É O LULA SEM:
    VERGONHA
    SEM MORAL
    SEM PALAVRA
    SEM HONESTIDADE
    SEM FUTURO
    SEM COMPROMISSO COM O BRASIL
    SEM PASSADO DE TRABALHO
    SEM RESPEITO AS LEIS

    CORRUPTO, CACHACEIRO,A RROGANTE, HIPÓCRITA,

    GASTA FORTUNAS COM AUTOPROMOÇAO, E AJUDA OUTROS PAISES, ENQUANTO OS BRASILEIROS CONTINUAM NA MERDA, DE ACORDO COM AS PALAVRAS DELE MESMO.

  10. Vigilante do Portão
    quarta-feira, 12 de maio de 2010 – 1:52 hs

    INTERESSANTE, ELE MESMO FOI GRANDE INCENTIVADOR DA GREVE.

  11. GIOVANI ANTONIO TELLI
    quarta-feira, 12 de maio de 2010 – 9:15 hs

    Quem diria um dia o Sindicalista Lula o “cara” que mais encomodou e emperrou o desenvolvimento do país, um dia “Presidente” fosse o “cara” que mandaria endurecer contra grevistas. Cadê o ser idealista do passado? Morreu? Dialogar não faz parte de ser administrador? Se não há possibilidades de dar aumento aos funcionários em greve, sentar e mostrar isso é bem mais saudável do que fazer citações públicas que maculam a imagem do “cara”. Que tal começar deixar de pagar os salários dos 85 mil comissionados petistas que encontram-se na folha de salários do governo federal sem ao menos irem ao trabalho? Poderia sobrar algo para os que trabalham de fato.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*